Geral

Portaria coloca Eletronorte como executora do Programa Mais Luz

Foi assinada hoje (5) a portaria que designa a Eletronorte como agente executor do Programa Mais Luz para a Amazônia no Amapá. Com isso, é estimado que pelo menos 70 mil famílias – ou 300 mil pessoas – que vivem nas áreas remotas da região tenham acesso a um serviço público de energia elétrica limpa e renovável.

A cerimônia contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro, além do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do presidente da Eletronorte, Roberto Parucker. Eleito pelo Amapá, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre disse que a participação de Bolsonaro na cerimônia de assinatura da portaria representa um prestígio a ele e a seu estado.

“A sua presença aqui é sinal de respeito e de prestígio a esse parlamentar e a congressistas que têm se dedicado, de fato, a diminuir desigualdades e a pacificar o Brasil”, disse o senador, ao ressaltar que há, no estado, populações que vivem em total isolamento, sem acesso a energia. “Sei que essa energia e esse modelo renovável e limpo é aguardado há muitos anos na região”, acrescentou.

De acordo com o presidente do Senado, a energia disponibilizada pela Eletronorte chegará na agricultura familiar, que poderá usar a energia para bombear água e irrigar suas plantações; e, também, nos assentados da reforma agrária “que foram colocados nos rincões do Brasil, sem nenhuma condição de existir”.

“Eles terão a energia que é básica para o processo de desenvolvimento. É uma oportunidade para desligarem o gerador que queima óleo diesel e usar energia solar limpa”, complementou.

O Mais Luz para a Amazônia foi lançado em fevereiro com o objetivo de promover o desenvolvimento social e econômico de comunidades da região – em especial, ribeirinhos, indígenas, quilombolas e demais comunidades que vivem essencialmente da pesca, da produção de farinha e da extração de castanhas e frutas oriundas da Floresta Amazônica.

O programa pretende atender populações dos demais estados que compõem a Amazônia Legal: Acre, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Tocantins e Maranhão, além do Amapá.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, a tecnologia utilizada será de painéis fotovoltaicos, que geram energia elétrica a partir de fonte renovável, podendo ser instalados em comunidades que não tem acesso às redes de distribuição convencionais.

Portaria coloca Eletronorte como executora do Programa Mais Luz

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro