O Campo Digital

Precisão DNA do solo

Crédito: Divulgação

Com o objetivo de incrementar a produtividade nas lavouras, a ConnectBio está apostando em análises de enzimas e dos micro-organismos presentes nos solos, possibilitando a detecção precisa de suas diferenças. A partir dos resultados obtidos, a empresa recomenda soluções para a preservação da saúde da terra, auxiliando na escolha dos melhores produtos para a correção. Para a execução das análises, a agtech atua com a Central Analítica da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc).

Pesquisa
Agro conectado

Não há dúvidas: a pandemia acelerou a digitalização no campo. Mas, para evitar qualquer achismo, os resultados da segunda edição da pesquisa A cabeça do Agricultor Brasileiro na Era Digital – Pulso 2021, da McKinsey, confirmam. Antes da chegada da Covid-19 em território nacional, 36% dos agricultores brasileiros utilizavam meios digitais para realizar compras de insumos e maquinários, ante 25% nos Estados Unidos e 15% na União Europeia. E o processo se intensificou durante a pandemia. Desde que as regras de isolamento social foram impostas no Brasil, o setor viveu um salto de dez pontos percentuais, com 46% dos produtores rurais adotando ferramentas digitais, enquanto nos Estados Unidos e na UE houve um salto de apenas sete pontos percentuais. “O Brasil continua na vanguarda da adoção do digital para transações na agricultura”, afirmou Nelson Ferreira, sócio sênior e líder de Agronegócios da McKinsey na América Latina. Para o estudo foram entrevistados cerca de 600 produtores brasileiros de diferentes culturas, incluindo algodão e grãos no Matopiba; hortaliças, cana-de-açúcar, café e também grãos no Sul do País. Outra constatação foi que as ferramentas digitais são utilizadas pelos agricultores durante toda a jornada. “Ele não usa a internet apenas para cotar preço, ele também recorre ao ambiente on-line para comparar produtos e seus respectivos preços, buscar suporte técnico e negociar”, disse Ferreira. De acordo com o levantamento, 55% dos produtores brasileiros usam o WhatsApp para fazer as ações digitais e 62% disseram que a ‘boa experiência’ é o que os leva a escolher uma plataforma para compras on-line. Mesmo diante do cenário positivo, há obstáculos a serem superados. Os principais deles são o custo das ferramentas e a falta de infraestrutura nas áreas rurais.

Internacionalização
Do Brasil para o Canadá

Divulgação

A Solinftec está alçando novos voos. Em abril, a startup iniciou operação no Canadá, 11º país para o qual exporta suas soluções digitais. A fase de testes acontece nas fazendas da produtora de grãos Coutts Agro Ltd, localizada em Kindersley, Saskatchewan. Até o momento são gerenciados 9 milhões de hectares na América Latina, especialmente de culturas como cana-de-açúcar, algodão, arroz, soja, café, trigo, milho, laranja e eucalipto. A empresa também monitora 36 mil equipamentos agrícolas.

Expansão
AgroGalaxy vai às compras

Istock

Aproveitando o bom momento do agro, a AgroGalaxy, plataforma de varejo de insumos agrícolas, anunciou a compra de 30% do capital da empresa goiana Sementes Campeã por R$ 12,3 milhões, se tornando a única acionista da empresa. Os outros 70% já tinham sido adquiridos em 2019. A empresa também concluiu 100% a aquisição da Boa Vista, distribuidora de insumos no Mato Grosso do Sul, com o pagamento de R$ 41,3 milhões.

Fertilizantes
Comercialização em tempo real

Divulgação

Para facilitar a compra e venda de insumos e disponibilizar melhores preços a todos os tamanhos de produtores rurais, a agfintech LeveAgro lançou uma plataforma de comercialização de fertilizantes em tempo real. No site o comprador faz a cotação do produto, assina o contrato e conclui a compra com um prazo de até 180 dias para o pagamento. A LeveAgro tem mais de 180 fornecedores de fertilizantes no mercado nacional e internacional e também é responsável pela logística. Com operação iniciada em abril, a plataforma pretende alcançar cerca de 5 mil clientes no período de 12 meses.

Biotecnologia
Decoy cresce 437%

Divulgação

A reboque do crescimento da agenda ESG (ambiental, social e de governança), o mercado de biológicos vive seus melhores anos. Na safra 2019/20 movimentou cerca de R$ 930 milhões e a área tratada cresceu 23%, para 19,4 milhões de hectares, segundo pesquisa da Spark Inteligência Estratégica. Quem soube aproveitar a oportunidade, cresceu. Caso da startup Decoy Smart Control, que teve alta de 437% em faturamento no ano de 2020, alcançando R$ 1,6 milhão, ante os R$ 291,5 mil em 2019. De 2015 até o momento, a empresa já recebeu R$ 1,8 milhão em investimentos. Para este ano pretende aumentar o faturamento em 109%.

Mapeamento
Relevância brasileira

Divulgação

Criada no Vale do Silício para coletar informações de semeadoras, colhedoras e pulverizadoras criando um gigantesco banco de dados na nuvem, a Climate FieldView™, plataforma de agricultura digital da Bayer, já mapeou mais de 60 milhões de hectares em Estados Unidos, Canadá, Europa e América Latina. No País, o uso da ferramenta cresceu 63% em 2020. “A expansão do uso no Brasil contribuiu fortemente para que chegássemos a essa área coberta ao redor do mundo”, afirmou Abdalah Novaes, líder de negócios da Climate para a América Latina. Para a Bayer, o mercado brasileiro é o segundo mais relevante, depois dos EUA.

Governo
Mapa apresenta Agro 4.0

Divulgação

Com o objetivo de estabelecer as estratégias digitais e ações para incentivar soluções tecnológicas e acesso à internet no campo, o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) disponibilizou o Plano de Ações do Agro 4.0 para o período de 2021 a 2024. Dentre os pilares estão a promoção de um ambiente inovador, desburocratização dos processos para adoção de novas soluções e ampliação da conectividade nas áreas rurais. O documento foi aprovado pela Câmara do Agro 4.0, que tem coordenação conjunta do Mapa e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), além de parcerias com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).