• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias02/12/2021

Preços e atrasos de insumos pressionam indústria

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo02/12/21 - 17h00min

Diretor da fábrica de cadeiras e poltronas Flexform, Rogério Teixeira diz que, para cumprir os contratos após o salto no preço dos insumos nacionais e importados, foi preciso entregar encomendas com prejuízo. De Guarulhos (SP), a empresa teve de lidar com aumentos de até 40% em dólar de componentes vindos da Europa - sobretudo da Itália - e da Ásia.

"Além do custo, temos sofrido com os prazos de entrega. Temos fornecedores antigos e consolidados que tinham prazo de 30 a 40 dias entre o pedido e o embarque, mas agora esse tempo já chega a 90 dias. Isso implicou custo maior também de armazenagem, porque precisamos acumular até dez meses de estoque de materiais para manter o ritmo de produção", afirma.

Entre os insumos nacionais, segundo Teixeira, as chapas de aço aumentaram 177% desde o começo de 2020, e as resinas plásticas, 78%. O preço das caixas de papelão, fundamentais para embalar os produtos, mais do que dobrou.

O caso da Flexform é sintomático da realidade da indústria, que enfrenta há mais de um ano dificuldades para adquirir matérias-primas. Conforme nova sondagem especial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), sete em cada dez fábricas continuam com problemas para comprar insumos.

Em outubro de 2020, 68% dos executivos da indústria geral relatavam dificuldades em adquirir matérias-primas no mercado doméstico. Parcela semelhante de empresários, 69%, continua enfrentando o problema um ano depois.

Entre os setores mais afetados está a indústria moveleira. Segundo a CNI, 85% das fábricas do segmento têm dificuldades de adquirir insumos nacionais e 89% enfrentam problemas em importar peças e componentes.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais