• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias30/11/2021

Presidente do BC fala em choques de combustíveis e energia nunca vistos antes

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo30/11/21 - 12h47min

Em apresentação durante o Encontro Anual de Dirigentes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o choque dos preços de combustíveis e de energia elétrica no Brasil em 2021 é o maior da história. Segundo ele, supera até mesmo o observado em momentos recentes de pico inflacionário, como 2002 e 2015.

"Tivemos um choque de combustíveis e energia elétrica em 2021 que nunca tivemos antes", disse ele em sua fala.

O presidente da autoridade monetária lembrou ainda que a aceleração de preços neste ano diverge da observada em 2020, quando as altas se concentraram em produtos alimentícios.

Campos Neto disse também que a desancoragem das expectativas de inflação, que já se observa para 2022, é semelhante à vivida em 2017, primeiro ano de vigência do teto de gastos. "Em 2021 (para as expectativas de inflação) não existe mais nada que a política monetária possa fazer", comentou.

Entretanto, o presidente do BC afirmou que a relação entre a dívida pública e o PIB brasileiro tem tido trajetória melhor do que se esperava no final de 2020, e em linha com o que ele projetava ao chegar ao BC, em 2019, antes da pandemia da covid-19. "A gente tinha (em 2019) expectativa perto de 80% (de relação dívida/PIB), e estamos chegando a um número parecido."

Atividade

Campos Neto indicou que a autoridade monetária vai reduzir a estimativa para o PIB de 2022 em seu próximo Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que será divulgado no dia 16 de dezembro. Entretanto, segundo ele, a estimativa deve ser mais otimista que a mediana do mercado financeiro. "Na parte de PIB, vemos um movimento de reprecificação consecutivo para baixo para o ano de 2022. Vamos ter novo número em duas semanas, provavelmente vai ser mais baixo que 2,1%, mas não tanto quanto a mediana do Focus", disse.

A previsão de alta de 2,1% no PIB brasileiro no ano que vem foi divulgada pelo BC na edição mais recente do RTI, de setembro. Desde então, o mercado vem cortando de forma sucessiva suas previsões.

No Relatório Focus divulgado na segunda-feira, a mediana das estimativas do mercado financeiro para a economia brasileira em 2022 passou de alta de 0,70% para 0,58%. Um mês antes, estava em 1,50%.

Ainda assim, Campos Neto comentou que o País vive um cenário melhor que o esperado do ponto de vista das contas públicas, graças ao aumento da arrecadação melhor que o esperado. "A consolidação fiscal no Brasil entre 2020 e 2021 é bastante grande", afirmou.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
BC