• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias18/01/2022

Pressão da Ômicron em seguradoras dependerá de gravidade da cepa, diz Fitch

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo18/01/22 - 18h06min

Um eventual agravamento da severidade dos casos da covid-19 provocados pela variante Ômicron pode pressionar a sinistralidade das seguradoras, reduzindo a rentabilidade do setor. A análise é da agência de classificação de risco Fitch, que acrescenta que até aqui, os casos graves estão concentrados em pessoas com vacinação incompleta contra a doença.

"Apesar do aumento do número de casos, 68% da população encontra-se vacinada com duas doses ou dose única", escrevem os analistas Alexandre Chang e Miguel Martinez. "O País tem apresentado um avanço no número de internações em diversas regiões, mas a maior parte dos internados com covid-19 não apresentava vacinação completa."

De acordo com eles, a pressão sobre os resultados das seguradoras dependerá da gravidade e da quantidade de internações causadas pela nova cepa do vírus.

Um cenário adverso, segundo a Fitch, teria um aumento do número de internações por covid no País ao mesmo tempo em que procedimentos eletivos continuariam. Essa combinação elevaria a sinistralidade do setor.

Os analistas afirmam que nas seguradoras com cobertura de vida, a menor letalidade da Ômicron e a vacinação avançada no Brasil devem impedir que o número de vítimas de 2021 se repita.

A Fitch calcula, com base em dados oficiais, que as mortes por covid no Brasil na primeira semana epidemiológica deste ano somaram 832 casos, ante 6.906 na semana equivalente de 2021, e 21.141 na 14ª semana do ano passado, no pico da pandemia.

O relatório ressalta que o número de internações pela doença ainda é baixo se comparado a 2021, de acordo com o setor, mas que os números diários de casos têm crescido fortemente, indicando um novo pico, assim como a taxa de positividade dos testes de covid.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
análise