Negócios

Produção global de orgânicos cresce 11% entre 2000 e 2017, diz Ipea

Produção global de orgânicos cresce 11% entre 2000 e 2017, diz Ipea

A projeção de faturamento, em 2018, pelo Conselho Nacional da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), foi de R$ 4 bilhões

São Paulo, 19 – Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) identificou crescimento médio de 11% nas vendas de produtos orgânicos no mundo, entre 2000 e 2017, período em que o número de produtores subiu de 253 mil para 2,9 milhões. No Brasil, apesar de os dados ainda serem imprecisos, estimativas apontam crescimento médio de 17% entre 2010 e 2018, para cerca de 17 mil produtores orgânicos.

No mundo, o crescimento ocorreu sobretudo na Ásia, África e América Latina, informa o Ipea. O Brasil ocupava em 2017 o 12º lugar entre os 20 países com maior área de produção orgânica. O País é o maior produtor de arroz orgânico da América Latina, com mais de 27 mil toneladas anuais, e lidera a produção mundial de açúcar orgânico, sendo também o país com mais colmeias, quase 900 mil, segundo o Ipea.

+ Produtos brasileiros são expostos na maior feira de orgânicos do mundo
+ Setor de orgânicos fatura R$ 4,6 bi em 2019; alta anual foi de 15% 

A projeção de faturamento, em 2018, pelo Conselho Nacional da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), foi de R$ 4 bilhões. Os cálculos se baseiam no aumento das exportações, no surgimento de novas empresas e na variedade de produtos lançados periodicamente no Brasil.

“Impulsionada pela demanda crescente por alimentos saudáveis, a agricultura orgânica avança em certificação, área plantada, número de produtores e volume produzido no Brasil e no mundo, para consumo interno ou exportação”, avalia o instituto, ligado ao Ministério da Economia.

Segundo o estudo, a demanda mundial por alimentos orgânicos tende a se ampliar nos próximos anos, pois esses alimentos são associados a níveis mais elevados de segurança e saúde dos consumidores, bem como a menores impactos sociais e ambientais.

No Brasil, destaca o órgão, ainda existem obstáculos como a falta de informações para acompanhamento, consulta e planejamento da atividade. “A concentração de terras e o predomínio de monoculturas no Brasil limitam o aumento da conversão de áreas cultiváveis em orgânicos, bem como a maior diversificação produtiva, a conservação de sementes crioulas, além do reduzido investimento em pesquisas, a difusão de estudos, experiências e inovações tecnológicas”, explica.

A área ocupada com a produção orgânica cresce em média 2% ao ano no País. Em 2018, havia mais de 22 mil unidades de produção orgânica certificadas, frente a pouco mais de 5 mil em 2010, segundo o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos do Ministério da Agricultura.

Tópicos

Ipea orgânicos