• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias11/08/2021

Produtores relatam perdas de até 70%

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo11/08/21 - 17h00min

Quando a geada cobriu de branco os campos de Capão Bonito, no interior de São Paulo, no dia 20 de julho deste ano, o agricultor Edson Sukessada tinha 275 hectares de trigo soltando cachos. A expectativa era de uma produção de 75 sacas por hectare. Ontem, 20 dias depois, ele contabilizava a perda total da produção em 200 hectares.

"Houve dano na estrutura da planta, e os cachos estão morrendo. Não vai dar colheita", disse. A perda é de 15 mil sacas, prejuízo superior a R$ 1 milhão.

A geada atingiu também os 600 hectares cultivados com milho safrinha pelo produtor na mesma região. "As áreas mais velhas, que já estavam bem formadas, tiveram quebra de 5%. Já as mais novas, que plantamos até o limite da janela (período ideal para o cultivo), em 20 de março, tiveram perdas maiores, que vão de 50% a 70%. Creio que, na média, vamos fechar a colheita do milho safrinha com perda de 30% ou mais", disse Sukessada.

Conforme o agrônomo Nélio Uemura, da Cooperativa Agrícola de Capão Bonito, a região tem um bom regime de chuvas e é menos sujeita à estiagem, mas sentiu bastante os efeitos das geadas deste ano. "Nossos cooperados cultivaram cerca de 6,5 mil hectares de trigo e 70% dessa área estão condenados e não haverá colheita."

Em Gaúcha do Norte, Mato Grosso, o agricultor Ari Baltazar Langer, produtor de grãos, sofreu prejuízo dobrado em razão das condições climáticas. Em fevereiro, quando colhia a soja cultivada em 3,4 mil hectares, a chuva incessante causou a perda do grão pronto para a colheita. "Do início ao fim da colheita, que durou 50 dias, choveu em 48 dias. Teve carga de soja com perda de 99% devido ao excesso de umidade. Ele esperava média de 55 sacas por hectare e colheu 35.

Langer contava com a safra do milho para se recuperar do prejuízo. Ele caprichou na escolha das sementes, usou toda a tecnologia disponível para o manejo das lavouras, porém, outra vez São Pedro não ajudou. Agora, foi a seca que atingiu os 950 hectares de milharal.

"Foram dias e dias de sol sem um pingo de água. A lavoura não desenvolveu", disse. Ele esperava uma média de 80 sacas por hectare e só conseguiu 35. "Para o produtor rural, está sendo um ano muito difícil."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
conab