• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Negócios26/10/2021

Raízen afirma que já vendeu produção de etanol 2G de plantas futuras

A empresa vendeu a produção de plantas futuras para os próximos sete a nove anos

A empresa vendeu a produção de plantas futuras para os próximos sete a nove anos

(Créditos: Divulgação)
Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo26/10/21 - 10h00min - Atualizado em 26/10/21 - 13h40min

São Paulo, 26 - A Raízen já vendeu a produção de etanol de segunda geração de plantas futuras para os próximos sete a nove anos, afirmou o CEO da companhia, Ricardo Mussa. "Obtivemos prêmios fantásticos (em relação ao biocombustível de primeira geração), principalmente para mercados europeu e americano", disse ele nesta segunda-feira (25), durante a 21ª Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol. "Conseguimos vender produção de plantas futuras para os próximos sete a nove anos. O mercado é muito demandado e é um produto que somente nós temos."

+ Raízen, Ipiranga e Vibra investem R$ 115 mi em nova base de distribuição no PA

Dois mercados que pedem o produto são o dos Estados Unidos e o europeu, disse Mussa. "Os EUA dão valor à tecnologia, e o etanol 2G é classificado como avançado, então ele tem um prêmio na casa dos 70%. É o que paga o equivalente deles ao Crédito de Descarbonização (CBIO)." Já na Europa, "o foco é mais na procedência - se vem do resíduo ou da planta -, porque o europeu se preocupa com a competição entre alimentos de biocombustível. Então ele quer um produto que vem de resíduo, como o etanol de segunda geração."

O executivo afirmou que a Raízen está bem posicionada para produzir etanol 2G porque tem um grande volume da biomassa disponível, investiu em tecnologia proprietária, e porque o custo de uma planta de etanol de segunda geração integrada a uma usina já existente é muito mais baixo. "São três pontos importantíssimos. É difícil encontrar outros players no mundo que façam o que fazemos hoje." Antes da Raízen, disse Mussa, já haviam feito esse tipo de etanol em laboratório, "mas nunca em larga escala, escala industrial".

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
esalq etanol