Edição nº 165 18.02 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Rastreabilidade e certificação não são para inglês ver

Gabriel Reis

Rastreabilidade e certificação não são para inglês ver

Rodrigo Rodrigues Alves, CEO do Genesis Group, explica por que cada vez mais a indústria vai informar a origem dos alimentos desde o campo

Vera Ondei
Edição 06/04/2018 - nº 157

Gigantes do agronegócio e redes de varejo, como Bunge, Cargill, Louis Dreyfuss, Nestlé, Carrefour, Pão de Açúcar e Walmart, estão entre os principais usuários dos serviços de certificação e de rastreabilidade, embora nem tudo chegue ao consumidor. Mas saber a origem do alimento que vai para a mesa é uma demanda sem volta no mercado. Ela tem ganhado força nos últimos anos, como conceito de segurança alimentar. No entanto, as bases técnicas de regulamentação de produtos agrícolas são amplas e complexas. Gerenciar processos, seguir protocolos, documentar e fazer com que as informações circulem nas cadeias produtivas do agronegócio exige um esforço coletivo, do produtor ao varejo, passando pelo governo. “O pior dos mundos é uma matéria-prima na porta da fábrica, mas em desacordo com as suas características”, afirma o executivo Rodrigo Rodrigues Alves, 50 anos, CEO do Genesis Group, com sede em Londrina (PR). Criado em 2001, ele é hoje uma das maiores empresas de certificação, auditagem e rastreabilidade do País, com um braço no Paraguai e indo para outros mercados, como Argentina, Chile, Colômbia e Uruguai. No ano passado, o grupo monitorou 56 milhões de toneladas de grãos. Em fevereiro deste ano, expandiu sua atuação com a fusão da PariPassu, empresa catarinense, também especializada em certificações e rastreabilidade, mas da cadeia de frutas, legumes e verduras (FLV). Confira a entrevista:

DINHEIRO RURAL – A quem cabe a tarefa de certificar e rastrear um alimento que vai para a gôndola do supermercado?

Rodrigo Rodrigues Alves – A tarefa é uma responsabilidade do varejo. É ele que põe na gôndola um alimento para o público comprar. E a tendência mundial é clara: o varejo tem de trazer a rastreabilidade no produto que ele coloca na gôndola, com QR Code, checagem feita através de uma máquina. Informações desde a origem dos alimentos são um caminho sem volta. O consumidor é o demandador e o pagador de tudo e já se movimenta. Hoje, já existe uma série de produtos com QR Code.

RURAL – Mas a impressão que se tem é que o consumidor não acessa essas informações.

ALVES – Há uma falta de hábito em checar. A categoria de frutas, legumes e verduras (FLV), por exemplo, gera muita imagem. Mas o que acontece, de modo geral, é que o consumidor tem o hábito da feira. Ele bate o olho e, se gostar, leva porque o produto está bonito. O consumidor ainda não olha o produto e se pergunta de onde ele vem. Mas a rastreabilidade já é um nicho que está começando a ser explorado, principalmente nas linhas gourmet. Não foi por acaso a compra da Whole Foods, nos Estados Unidos, pela Amazon.

RURAL – Que movimento há nesse sentido?

ALVES – Eu acho que a cadeia varejista está se movimentando. Em 2016, o Walmart fez um anúncio em nível global para o seu segmento de FLV. Todo fornecedor terá que entregar produto rastreado, inclusive no Brasil. Existem prazos para que os fornecedores se adéquem e coloquem programas de rastreabilidade em suas propriedades.

Mudança de hábito: embora pontuais, as experiências dos consumidores começam a ser mais observadas (Crédito:Divulgação)

RURAL – E nas certificações, um passo importante no processo de rastreabilidade?

ALVES – Existem, nas certificações, equações de raiz quadrada que permitem um percentual de aferições em toda a cadeia. Quando uma indústria compra um produto, ela conta com a matéria-prima porque já tem um caminhão na porta da fábrica esperando para levar a carga para o varejo. O pior dos mundos é uma matéria-prima na porta da fábrica, mas em desacordo com as suas características. A saída para mitigar isso é atestar o produto na origem.

RURAL – Para as commodities também há uma tendência de sofisticação de processos?

ALVES – Sim, porque elas estão entrando em uma linha de diversidade de produtos. É a tecnologia que está levando a esse movimento. Na soja, por exemplo, existe a convencional e a transgênica e é preciso identificá-las. Mas está vindo aí um grão transgênico mais produtor de óleo, com maior teor de Ômega 3. Então, será preciso testar e segregar esses grãos para nichos de mercado. Isso é uma tendência global. Hoje, o mundo das commodities funciona por saca: 50 sacas de soja para isso, 50 para aquilo. No momento em que as mudanças começarem a ocorrer em escala, elas demandarão um ajuste fino no negócio.

RURAL – Essa segregação vai exigir que tipo de participação do produtor?

ALVES – Participação total. O produtor vai ter de fazer uma opção na hora da compra da semente. Ou plantar várias sementes, olhando para quais mercados ele quer produzir. Como já ocorre hoje com a soja convencional, que tem um valor até 20% superior à transgênica. Como já ocorreu em FLV, no varejo da rede Pão de Açúcar, para monitorar resíduos de agroquímicos. O grupo, quando começou a estabelecer a rastreabilidade para os seus produtos, viu que era necessário olhar para trás na cadeia. E percebeu, ao longo do tempo, que um dos pontos-chave era o produtor. Assim, foi feita uma cartilha que se chama Caderno de Campo, em que o produtor acompanha todos os dados de sua propriedade, como plantio, tipo de defensivo que usa, entre outros itens. Ele fica conectado ao varejo, consegue identificar a produtividade e o nível de aceitação de seu produto. A informação ajuda a educar. E a cadeia de FLV é um mercado muito mais fragmentado do que o das commodities. É um mundo de produtores onde R$ 0,10 faz uma diferença absurda em suas vidas. Quando os benefícios começam a aparecer, eles enxergam rapidamente o valor do controle. Em um supermercado muito bem tocado, por exemplo, 6% de sua venda líquida são em perdas. Em FLV essa perda pode chegar a mais de 10%. Isso pode ser evitado já nas propriedades.

RURAL – Mas o senso comum é de que as certificações encarecem processos.

ALVES – Eu creio que a tecnologia é desbravadora para fazer os processos que estão caros ficarem factíveis. Cada vez mais, as tecnologias da informação vão ficar viáveis para que toda a cadeia produtiva use um sistema.

RURAL – Hoje, no custo de uma tonelada de soja o que significa ser ou não certificada?

ALVES – Significa muito pouco, em se tratando de commodity exportada. Por exemplo, uma tonelada de soja em Sorriso (MT), o maior município produtor do País, ou sobe para os novos portos do Arco Norte ou desce para Santos (SP) ou Paranaguá (PR). O preço do frete, entre Sorriso e Santos tem uma variação, dependendo da oferta da logística, no caso caminhões ou vagões. Hoje está R$ 300 a tonelada e daqui a três dias pode ser R$ 320. Não mudou nada em quilômetro ou na tonelagem, mas há uma oscilação de R$ 20. A certificação custa 10% dessa oscilação. E toda trading usa, porque os compradores não aceitam soja não certificada.

RURAL – Como o sr. avalia o uso de certificações visando à rastreabilidade?

ALVES – No caso da indústria da soja, por exemplo, se ela atende um nicho de mercado, os controles têm continuidade. Quando a indústria vai para um produto commodity, esse controle para. Hoje, a indústria usa a certificação mais como uma defesa e menos como um fator de ataque. Por exemplo, para mostrar que em uma determinada carga de alimento não contém salmonelas.

RURAL – Uma certificação eficiente evitaria a Operação Trapaça, como ocorreu no mês passado?

ALVES – Deveria. Porque a certificação leva a um processo muito ágil de detecção de uma carga fora de padrão. É possível rapidamente chegar ao fornecedor e fazer o embargo de um processo.

RURAL – Como deveria ser o setor de fiscalização e controles sanitários no País?

ALVES – Eu penso que o governo não pode perder o controle. Cabe a ele essa tarefa. Porém, o governo deve ser o auditor do sistema sanitário e não absorver todo o trabalho na cadeia do alimento. Controladoras privadas dariam conta do serviço, ficando para o governo o papel de auditor, de fiscalizador. O sistema ganharia agilidade com menos agentes do Estado.

Nova ordem: hoje, a proposta é que a iniciativa privada assuma parte da fiscalização sanitária federal (Crédito:Pedro Ladeira/Folhapress)

RURAL – Mas há defensores do atual modelo, em oposição à participação da iniciativa privada.

ALVES – Mas a iniciativa privada é bem vista pelo importador. Quando sai um navio do País, o comprador nomina uma controladora privada, mesmo tendo um agente da fiscalização brasileira e uma controladora por parte do vendedor. São controladoras acreditadas por organismos internacionais. Há dois importantes, o The Grain and Feed Trade Association (Gafta) e a Federation of Oils, Seeds and Fats Associations (Fosfa). São protocolos internacionais, como no Brasil há os do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O Inmetro audita produtos que ele precisa controlar.

RURAL – O mundo pode intensificar as barreiras sanitárias ao agronegócio?

ALVES – Nas cadeias de alimentos acho que não. Porque há duas potências em crescimento, no caso Índia e China, com quase três bilhões de habitantes. Para esses países, segurança alimentar é garantir o alimento. Então, elas precisam desenvolver países produtores. O Brasil é um deles. Talvez, o que tenha mais tecnologia e condições de produção a preços para disputar o mercado mundial. Com todas as dificuldades, com a infraestrutura logística mais cara do mundo, o País está ganhando espaço. Não vejo barreira não tarifária, eu vejo ajuda. Mas o Brasil precisa ser transparente. O agronegócio não pode aparecer a cada dia nos noticiários tendo sua imagem denegrida, no caso atual, a da indústria. Nas commodities, as tradings fizeram um bom trabalho. Há quantos anos não se escuta que um navio de soja ou de milho brasileiro teve problema no destino? Eu não me lembro da última vez. A indústria precisa passar por isso também, ser transparente.

RURAL – Transparente em processos?

ALVES – Sim, cada vez mais transparente em processos. A indústria tem de olhar para os processos e falar abertamente para o varejo e para o consumidor o seguinte: “quem está dizendo que os meus filhos são lindos não sou eu, é uma terceira parte”. Não sou eu que falo que o meu produto é o melhor. Rastreabilidade e certificação não são para inglês ver, são para se provar.

Volume processado em janeiro em MT cresce 7,25%, diz Imea

Soja

Soja

Volume processado em janeiro em MT cresce 7,25%, diz Imea

Média diária de exportação está 24,2% maior

Carne bovina

Média diária de exportação está 24,2% maior

Incidência na safra de café pode reduzir produção

Ferrugem asiática

Incidência na safra de café pode reduzir produção

Abiove e Aprobio querem aumento de biodiesel

Preços

Abiove e Aprobio querem aumento de biodiesel

Contratação de crédito agropecuário tem alta de 13%

Mais recursos

Mais recursos

Contratação de crédito agropecuário tem alta de 13%

Crédito agropecuário será, no mínimo, igual a 2018

Financiamento

Crédito agropecuário será, no mínimo, igual a 2018

Inflação está em níveis “confortáveis”

Copom

Inflação está em níveis “confortáveis”

Índice volta para patamar positivo depois de um ano

Clima Econômico

Índice volta para patamar positivo depois de um ano

Nestlé vê melhora, mas progresso está precificado

Alimentos

Alimentos

Nestlé vê melhora, mas progresso está precificado

Friboi faz parceria e adota Protocolo Nelore Natural nas unidades

Carne de qualidade

Friboi faz parceria e adota Protocolo Nelore Natural nas unidades

Preços da rede americana sobem após pressão dos fornecedores

Whole Foods

Preços da rede americana sobem após pressão dos fornecedores

Minerva habilita três unidades para exportar ao Japão

Boi

Minerva habilita três unidades para exportar ao Japão


Uma corrida pela igualdade

Mulheres no agronegócio

Uma corrida pela igualdade

As mulheres, que já administram 35% das propriedades rurais do País, avançam na organização desse estrato social

I-UMA abre inscrições em pós no agronegócio para 2019

Ensino

I-UMA abre inscrições em pós no agronegócio para 2019


Animais mais precoces no abate

Circuito Nelore de Qualidade 2018

Animais mais precoces no abate

Em 2018, número de etapas cresceu 37,5% e o de animais avaliados saltou 49,1% ante 2017

Cesb lança livro sobre  produtividade

Soja no Brasil

Cesb lança livro sobre produtividade

Comitê ajudou os produtores a atingirem recordes de produção no período


Entrevista

"Resolver o seguro rural é um marco que quero deixar no próximo governo"

Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

As 11 etapas da 4ª edição do Tour DSM registram 2,5% de retorno ao mês de rentabilidade no confinamento e confirma decisão pelo investimento em tecnologia

Como a Europa está tentando erradicar a doença

Diarreia Viral Bovina (BVD)

Como a Europa está tentando erradicar a doença

Junto com o produtor

Antonio Galvan

Junto com o produtor

Jerusalém e o agronegócio brasileiro

Rafael Marconcini

Jerusalém e o agronegócio brasileiro

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.