• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Sustentabilidade08/04/2022

Renda no reflorestamento

MATA NOVA
O programa RS+Renda auxilia e fomenta a recuperação de áreas degradadas por meio de incentivos financeiros

(Créditos: Fabiano Panizzi)
Renata Duffles
Texto por:Renata Duffles08/04/22 - 22h08min - Atualizado em 08/04/22 - 22h08min

Segundo o IBGE, a produção agrícola do Rio Grande do Sul está distribuída em quase 22 milhões de hectares e cerca de 365 mil propriedades rurais, e apenas 4,3% delas são dedicadas à silvicultura. Para a CMPC Brasil, esses números representam uma oportunidade de expansão da bioeconomia. A empresa de papel e celulose, que tem unidade industrial na cidade gaúcha de Guaíba, quer aumentar em 60% sua área plantada com eucalipto no estado, passando de 25 mil para 40 mil hectares ainda este ano. Essa meta é parte de um projeto maior da companhia, o RS+Renda, iniciativa de fomento florestal que tem o intuito de estimular o desenvolvimento da silvicultura e agregar valor para os produtores.

Uma vantagem para quem decidir entrar na parceria com a CMPC é a oportunidade para diversificar a renda com suporte técnico e garantia de compra da madeira, já com valor mínimo pré-estabelecido para a produção. A empresa assume o compromisso de fornecer mudas de eucalipto, prestar assistência necessária no desenvolvimento da silvicultura, colher e transportar a madeira. O produtor entra com a área para o plantio e tem a responsabilidade de obter e manter o licenciamento ambiental. Mesmo nessa etapa, que exige conhecimento mínimo de procedimentos e processos, a companhia também se dispõe a apoiar o agricultor, inclusive no que diz respeito ao Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD).

PRODUÇÃO AGRÍCOLA

Rio Grande Do Sul:
365 mil propriedades agropecuárias apenas
4,3% investem em silvicultura

Na opinião do diretor-geral da empresa, Mauricio Harger, o RS+Renda é uma contribuição sustentável para o sistema agroflorestal combinada ao cultivo. “Estão no foco do programa produtores rurais e proprietários de terra que irão investir na produção de eucalipto, matéria-prima renovável e biodegradável”, afirmou. Em relação aos investimentos iniciais para a implantação do sistema, caso o dono da propriedade não tenha recursos disponíveis, há a possibilidade de fazer um financiamento diretamente com a CMPC. O valor negociado vai sendo abatido do montante final que o parceiro teria a receber da empresa. A quantia a ser descontada pode variar de acordo com o perfil do solo, os recursos necessários para implementar o sistema de silvicultura e recuperar áreas degradadas, além do índice de produtividade do ano.

ETAPAS

TAMANHO CERTO Para abraçar os diferentes perfis e interesses dos produtores, a CMPC dividiu o programa nas seguintes modalidades: parceria, parceria com compras antecipadas, fomento e fomento social. A primeira delas funciona como uma sociedade, na qual a empresa realiza todas as atividades do plantio à colheita mais o transporte da madeira, e o parceiro tem 50% do produto colhido. Ou pode optar por antecipar a compra da madeira pela CMPC, que pagará 70% adiantados e os 30% restantes no final do processo.

Aqui vale um esclarecimento: nesses dois formatos de parceria, em que o produtor apenas cede a área para que a CMPC realize o plantio e as demais atividades, não há necessidade de tomar crédito, por isso o financiamento não estará disponível. Diferentemente das demais, as categorias de fomento e fomento social, em que o agricultor é quem planta. A iniciativa possibilita a participação tanto de pequenos produtores quanto de proprietários com áreas de médio e grande porte. Dessa forma, a companhia diversifica sua base produtiva. Para Harger, “o programa promove um valor compartilhado, inserindo as populações das regiões rurais na bioeconomia e conservando os biomas”.

"O programa promove um valor compartilhado, inserindo as populações das regiões rurais na bioeconomia e conservando os biomas”

Além disso, a silvicultura não sofre tanto o impacto das mudanças climáticas e nem de variações de preços. “É uma atividade muito competitiva a longo prazo”, disse o diretor-geral da CMPC. Para o executivo, o RS+Renda chega não só para apoiar produtores na recuperação das áreas degradas de suas propriedades e instruir em como torná-las produtivas e sustentáveis, mas também para oferecer uma possibilidade de agricultores com idade mais avançada garantirem um suporte financeiro. “Chega uma fase em que se perde um pouco a capacidade de força laboral e o programa acaba sendo uma boa alternativa de apoio”, afirmou.