Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Resolver o seguro rural é um marco que quero deixar no próximo governo

Wenderson Araujo

Resolver o seguro rural é um marco que quero deixar no próximo governo

Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, futura ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Fábio Moitinho
Edição 18/02/2019 - nº 165

Mal completou nove meses na presidência da Frente Parlamentar da Agropecuária, a deputada federal Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias (DEM-MS) aceitou, no início de novembro, um desafio ainda maior: comandar o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), na gestão do presidente eleito Jair Bolsonaro. Aos 64 anos, a agrônoma campo-grandense tem larga experiência no setor. Entre 2007 e 2014, foi a secretária de Estado de Agricultura de Mato Grosso do Sul. No Mapa, ela terá uma missão monumental: reunir sob sua guarda tarefas que não mais pertenciam à pasta.
O Mapa volta a ter como atribuições as políticas para a agricultura familiar, a extensão rural, a pesca e a reforma agrária — neste último caso, um assunto que esteve, por 46 anos, sob a batuta do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). “A busca é aprimorar o que já está bom e melhorar o que ainda é deficitário”, afirma Tereza. “A ideia é fazer com que o agricultor perca menos tempo do lado de fora da porteira e ganhe mais tempo dentro dela, produzindo com mais tecnologia e obtendo produtividade cada vez maior.” Na entrevista exclusiva à DINHEIRO RURAL, a futura ministra fala sobre os seus planos para o próximo governo.

DINHEIRO RURAL – Que projetos continuam inalterados no próximo governo e quais deles devem ser reestruturados?
TEREZA CRISTINA – O Ministério da Agricultura é uma casa antiga e bem organizada. Temos alguns trabalhos que daremos continuidade e outras políticas que devem ser reestruturadas. O Blairo Maggi fez uma boa gestão, especialmente com a abertura e a busca de novos mercados para a agropecuária. Vamos dar continuidade a isso, sem dúvida alguma. Entretanto, há algumas coisas que eu gostaria de mudar um pouco. Quero trabalhar bastante com a reorganização da Secretaria de Defesa Agropecuária. Hoje, ela é um ponto nevrálgico. Foi pela falta de atenção a essa secretaria que aconteceram episódios como as operações Carne Fraca e Trapaça.
A estratégia será mostrar que o nosso serviço de inspeção sanitária animal e vegetal e o próprio empresariado brasileiro estão recuperados desses episódios e corrigindo as suas práticas.

RURAL – O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou em sua campanha que daria mais celeridade ao agronegócio. Como pretende fazer isso?
TEREZA – O ministério da Agricultura começou um projeto muito interessante: o Agro Mais. Ele busca diminuir a burocracia e facilitar o ambiente de negócio de vários empreendimentos do setor. Tudo isso, sem tirar a segurança dos processos. É um assunto que a gente tem de seguir, pois não é uma tarefa para apenas um governo.

RURAL – O que representa a volta da agricultura familiar sob o cuidado do Mapa?
TEREZA – Representa o desejo do governo. Porque, seja o produtor pequeno, médio ou grande, no final das contas a agricultura é uma só. E por isso precisamos tratá-la como uma só entidade. É claro que cada classe de produtor tem os seus problemas e especificidades. Quero acompanhar pessoalmente a temática da agricultura familiar, participando das discussões e da criação de programas de governo.

RURAL – Quais são as prioridades na reforma agrária?
TEREZA – A prioridade é dar a garantia de titulação de terras a quem realmente tem esse direito. Isso garante que esse produtor tenha efetivamente sua liberdade para pegar crédito e trabalhar a terra, estabelecendo seus processos produtivos e a sua independência no campo. Para isso acontecer, será necessário o apoio da assistência técnica. Não adianta somente dar o título da terra. É preciso dar a oportunidade de uma assistência de qualidade.

RURAL – Para o campo, qual o reflexo imediato dessas novas medidas?
TEREZA – Isso vai refletir num produtor que entende a sua atividade de maneira mais econômica. A agricultura familiar não é uma atividade de subsistência. É preciso deixar de lado esse conceito. Precisamos fazer com que seja desenvolvida para vender seus produtos, fomentando uma agricultura comercial e que atenda ao mercado.

RURAL – Como fazer o Mapa trabalhar nesse sentido?
TEREZA – Cada vez mais, nós do ministério teremos de exercitar a inteligência e a estratégia na agricultura. Isso vai ser importante para esse produtor, como também será para toda a agropecuária. Mas não é somente isso. É muito importante estarmos atentos ao cenário mundial. Isso pode direcionar algumas políticas. A cultura do milho, por exemplo. Quanto o País tem de produzir desse cereal em determinado ano? Temos de ficar sempre alavancados nessa produção? Para responder a essas questões, pessoas dentro do ministério devem conhecer o mercado nacional e internacional, para definirmos as propostas de políticas agrícolas. Isso servirá como uma base sólida para a tomada de decisão dos produtores.

RURAL – Quais mercados são mais importantes para o sucesso desse tipo de política?
TEREZA – Estaremos focados em todos os mercados. Nos que ainda não estamos presentes, vamos prospectar.
A agropecuária é muito grande e pujante. Por isso, temos de garantir o crescente fluxo das exportações do setor.

RURAL – Mas a senhora tem dado declarações de que seria preciso rever o Mercosul.
TEREZA – Sim. Isso quer dizer que é necessário um rearranjo das negociações entre todos os países que fazem parte desse bloco. Porque o Mercosul, para o agronegócio, tem criado uma série de problemas. No setor de lácteos, por exemplo, há uma entrada ilimitada de produtos, especialmente de leite em pó. Isso derruba os preços dos produtos nacionais. O mesmo acontece com o arroz. Praticamente acabamos com a produção do grão no Rio Grande do Sul, porque recebemos altos volumes vindos de países do Mercosul. Isso cria um mercado interno altamente instável, para o qual não conseguimos definir políticas de proteção de preços aos pequenos produtores. Não queremos que isso continue.

RURAL – O novo Governo já tem uma proposta para o crédito rural??
TEREZA – Sim. A proposta é trabalhar não somente pensando no Governo como fonte exclusiva para o crédito ao produtor. É preciso encontrar alternativas com a ajuda da iniciativa privada, para que a agropecuária tenha mais linhas de crédito para investimento e custeio.

DINHEIRO RURAL – Como criar um maior envolvimento da iniciativa privada nesse novo projeto do Governo que vai assumir?
TEREZA – Já temos algumas ferramentas consagradas, como é o caso das Letras de Crédito do Agronegócio e dos Certificados de Recebíveis do Agronegócio. Mas gostaria de propor um cardápio com mais linhas de crédito para fortalecer o campo, ajudar o agricultor. A agropecuária brasileira cresceu muito e precisa de recursos para mais investimentos, custeio e cobertura de riscos. Se conseguirmos definir, por exemplo, uma política de seguro rural que seja mais abrangente, efetiva e que comporte um número maior de produtores rurais, os bancos privados passam a ingressar com mais volumes de recursos. Teríamos instituições financeiras, como, por exemplo, Bradesco, o Santander e o Itaú, colocando bem mais dinheiro na agropecuária. O grande problema é que o nosso seguro ainda é muito caro.

RURAL – Qual sua estratégia para baratear o seguro rural?
TEREZA – Ainda não temos essa estratégia. Isso porque é uma política a ser discutida entre o Governo e as empresas de seguro e resseguro. Não será uma tarefa fácil. Todos os gestores que passaram pelo Mapa não conseguiram resolver esse problema. Quero por foco nisso. O plano é nos debruçarmos sobre esse assunto e resolvê-lo o mais rapidamente possível. Os produtores dos Estados Unidos têm seguro. Os europeus, também. Precisamos ter o nosso. Resolver o seguro rural é um marco que quero deixar no próximo Governo e uma das minhas metas.

RURAL – Para o produtor, um dos maiores entraves é a logística, que não tem andado nos últimos anos.
TEREZA – A logística também está dentro do pacote dos principais desafios. Temos a ferrovia Ferrogrão, na região Norte, além de rodovias fundamentais para o escoamento da produção no Norte e no Sul do País que precisam ser resolvidas. Mas acredito que, com o novo Governo, haverá mais Parcerias Público-Privadas (PPPs) para injetar capital, sanando a logística que continua sendo um dos grandes gargalos para o aumento de produção e para a expansão das novas fronteiras da agropecuária.

RURAL – O que é necessário para que essas PPPs se concretizem?
TEREZA – Será necessário o Brasil consolidar sua credibilidade frente aos investidores internacionais. Se o País passar para o mundo que vai cumprir contratos e dispor de leis que assegurem o capital investido, estou certa de que vem capital de fora para dinamizar projetos em hidrovias e rodovias.

RURAL – E como resolver o tabelamento do frete, um desafio que passa de um governo para o outro sem que um consenso seja formado?
TEREZA – Desde o princípio, eu havia me posicionado contra o tabelamento do frete. Sempre achei que era um tiro no pé. E é realmente o que isso está se mostrando. Mas vejo uma movimentação para que o atual governo resolva essa questão antes mesmo de terminar este ano.

 

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.