Economia

Salles: agro que exporta e se preocupa com imagem deveria colaborar com Amazônia

Crédito: Reprodução/Natura

Segundo Salles, o proprietário de terras na Amazônia só pode explorar economicamente 20% de sua área, em muitos casos, tornando inviável a sua sobrevivência (Crédito: Reprodução/Natura)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta terça-feira, 25, ser fundamental que a iniciativa privada participe da conservação da Amazônia. Em videoconferência promovida pela Sociedade Nacional da Agricultura (SNA) sobre a ocupação da região, Salles destacou que o agronegócio exportador, que se beneficia da Amazônia e quer preservar sua imagem de sustentabilidade frente ao mundo, deveria “partilhar parte de sua receita com exportações” para ajudar a preservar a região.

Segundo Salles, o proprietário de terras na Amazônia só pode explorar economicamente 20% de sua área, em muitos casos, tornando inviável a sua sobrevivência. Para ele ter incentivo de manter intacta a floresta, a iniciativa privada deveria colaborar. E não só o setor agropecuário, conforme o ministro. “Quem não vive na Amazônia mas dela se beneficia deveria colaborar com essa preservação”, enfatizou.

+ Bradesco, Itaú Unibanco e Santander criam o conselho consultivo da Amazônia
+ Mourão defende ‘alavancagem’ do setor agropecuário na região da Amazônia

De outro modo, ele disse que o sistema até então vigente de atuação na região de verbas estatais e do terceiro setor “claramente não deu certo e não reduziu a pobreza na região”. “Muita gente fez palestra, viajou (em função das ações na Amazônia), mas a região continuou pobre.”

Assim, para Salles, qualquer plano que se fizer sobre a Amazônia, além de se respeitarem as particularidades de cada região dentro do bioma, deve levar em conta o reconhecimento do papel da iniciativa privada no desenvolvimento e na conservação da Amazônia. “Vivemos muitos anos com visão de planejamento estatal e destinação de recursos estatais ou de captação internacional (como o Fundo Amazônia) mas, mesmo assim, geridos por governos”, lembrou o ministro. “E houve uma espécie de desconsideração, na prática, do papel do setor privado na Amazônia.”

Segundo ele, para atrair o capital privado à região, deve-se garantir inicialmente a segurança jurídica quanto à questão fundiária da região, regularizando a posse de terra. “Em segundo lugar, deve-se remunerar a reserva legal por meio do pagamento por serviços ambientais, e isso está num programa recentemente lançado pelo governo, o Floresta Mais”, disse, e mencionou novamente a necessidade de quem se beneficia do bioma mas nele não reside, contribuir. “Se o Brasil como um todo e o resto do mundo se beneficiam da Amazônia, nada mais natural do que pagar por isso; porque estão usufruindo”, finalizou.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais