Economia

O campo quer mudança

O que o setor do agronegócio espera após o afastamento da presidente Dilma Rousseff do comando do País

O campo quer mudança

FOTO: Paulo Tavares

N ão há mais saída para o governo da presidente Dilma Rousseff, diante do processo de abertura do impeachment de seu mandato. A decisão, que no dia 17 de abril passou facilmente pela Câmara dos Deputados com 367 votos favoráveis, ou 71,5% dos parlamentares da casa, foi comemorada por cerca de 18 mil produtores rurais que se reuniram em Brasília naquele dia. “Eu estava lá e esse era o desejo dos produtores e da maioria dos brasileiros”, afirma Rui Carlos Ottoni Prado, produtor rural e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato). Para a votação no Senado, neste mês de maio, o cenário é o mesmo. O deputado federal Marcos Montes (PSD/MG), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, que reúne 90 deputados, diz que o impeachment é um caminho sem volta. “A presidente será afastada por seis meses, e o presidente que entrar precisa fazer um grande governo de coalizão, buscando soluções para o País”, afirma Montes. Sem Dilma Rousseff e certamente sem a ministra da Agricultura Kátia Abreu, que defende o atual governo, o que se espera são medidas fundamentais para o setor. Entre elas estão políticas melhores para o seguro e o crédito rural, além do retorno de um plano de investimentos intermediado por uma equipe técnica qualificada para retomar a estabilidade da economia. “Existe uma crise instalada, uma falta de investimentos, o que leva a uma grande insegurança no mercado”, diz Prado. “Precisamos voltar a ter um equilíbrio econômico, algo que não vemos há muito tempo.”

Um dos maiores sonhos de Prado, produtor de soja, milho grão e pipoca, girassol e engorda de bovinos no município de Campo Novo dos Parecis (MT), era poder ver concretizados os programas de Aceleração do Crescimento (PAC), de 2007, e o de Investimento em Logística (PIL), de 2012. “As obras estão praticamente paradas”, diz Prado. Com o mesmo sentimento de frustração está o presidente da Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg) e vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Mário Schreiner. “Deixamos de aproveitar a grande oportunidade quando a economia estava bem e hoje o agronegócio também paga por esse erro.”


Todos para a rua: durante a votação do impeachment, no dia 17 de abril, 18 mil produtores rurais se reuniram na frente da Câmara. O senador Ronaldo Caiado (acima), criador de gado em Goiás, estava entre eles

A promessa de uma boa e eficiente infraestrutura logística é de longe o maior anseio dos produtores rurais. Mas é fato que esse não vai ser um problema resolvido a toque de caixa com a nova presidência da República. Para Almir Dalpasquale, produtor rural em São Gabriel do Oeste (MS), com oito mil hectares de soja e milho, e presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), o mais importante é fazer a Câmara dos Deputados e o Senado voltar a trabalhar, não deixando que apenas as pautas sobre as investigações de corrupção tomem todo o tempo dos políticos. “O Brasil tem de voltar a crescer e a trabalhar e não ficar discutindo somente essa imoralidade que está aí”, diz Dalpasquale. Entre as reivindicações do agronegócio estão assegurar a produção agrícola com maior aporte ao seguro rural e crédito aos produtores, tudo isso por pessoas tecnicamente qualificadas para os comandos de ministérios como o da Agricultura, do Meio Ambiente e do Trabalho. “Não precisamos de pessoas que criem empecilhos”, diz Schreiner. “Temos de contar com um time que trabalhe a favor do Brasil.”

Um exemplo clássico foi, por exemplo, as apresentações de crédito que sustentariam a produção do País. Mas as constantes crises do governo de Dilma mudaram todas as projeções. No Plano Agrícola e Pecuário (PAP) da safra 2015/2016, o orçamento aprovado foi de R$ 668 milhões, mas apenas R$ 368 milhões foram efetivamente oferecidos aos produtores. Para a temporada 2016/2017, o orçamento original, que era de R$ 741 milhões, acabou reduzido para R$ 400 milhões. “Há até uma proposta de ser apresentado um novo plano safra para o início de maio, mas isso nem condiz com a realidade”, diz Schreiner. “A discussão é outra. Temos de mudar o governo. Do jeito que está, não dá para ficar.”

DECEPÇÃO  A apresentação desse plano é praticamente a última ação da senadora Kátia Abreu, como ministra da Agricultura e, talvez, sua última participação como representante do agronegócio nacional, nem deixando saudades ao setor. “Para se ter uma ideia, Kátia Abreu nem tem chance de voltar à CNA”, afirma Schreiner. Segundo ele, a ministra praticamente deu às costas ao produtor rural ao não apoiar o desejo de por um fim ao governo Dilma. “Ela foi, de fato, a grande decepção para o agronegócio.”