Negócios

Floresta sustentável

Criadores de gado do norte do Mato Grosso mostram como garantir lucros com a pecuária e, ao mesmo tempo, preservar o ecossistema

Afirmar que o boi protege as matas parece ser uma heresia. Nas duas últimas décadas, a pecuária ganhou fama de destruidora da natureza. A atividade foi acusada de promover o desmatamento das florestas, ao avançar sobre o bioma amazônico em sua marcha rumo ao Norte do País. No entanto, hoje conta-se uma história diferente em Alta Floresta, município no norte de Mato Grosso, na divisa com o Estado do Amazonas. Até 2012, Alta Floresta figurava na lista suja do Ministério do Meio Ambiente, surgindo como um dos principais desmatadores do País. Agora, o boi ajuda a preservar matas e nascentes de águas. É o projeto Novo Campo, que reúne pecuaristas, ONGs, frigoríficos e entidades. “Produção de carne, renda no bolso do produtor e floresta são perfeitamente complementares, e ditam as regras do nosso futuro”, diz Francisco Militão Matheus Brito, pecuarista há 29 anos no município, onde cria bois em 538 hectares da fazenda São Matheus.

A região de Alta Floresta é uma das maiores fornecedoras de gado para a indústria frigorífica mato-grossense. Do total de 28,6 milhões de animais criados no Estado, 5,6 milhões, ou 19,5%, estão nessa área. O projeto de intensificação na criação bovina, defendido pelo Novo Campo, aponta para o casamento perfeito entre boi e floresta. Outra vantagem é que essa combinação garante a sustentação econômica ao produtor. Com ele, até a safra 2021/2022 será possível ampliar o rebanho em 46%, elevando o plantel das atuais 4,1 milhões de cabeças para seis milhões. A produção de carne poderá aumentar em 158%, saltando das atuais 235 mil toneladas em equivalente-carcaça para 607 mil toneladas. Pelo modelo que vinha vigorando até agora, isso só seria possível com a derrubada de vastas áreas de floresta, exterminando centenas de animais silvestres e pássaros. “Nada disso vai acontecer”, diz Brito. “Eu sou um exemplo de fazendeiro no caminho certo.”

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DE ABRIL, EM TODAS AS BANCAS DE REVISTA OU NO IPAD.

ASSINE A REVISTA DINHEIRO RURAL

CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ASSINANTE:

(11) 3618-4563, de 2ª a 6ª feiras, das 9h às 22h30

Outras capitais 4002-7334. Demais localidades 0800-888-2111 (exceto ligações de celulares)

WWW.ASSINE3.COM.BR