Negócios

Gôndola Vitaminada

O arroz fortificado da americana Path ganha as prateleiras das redes de supermercados

Depois de ganhar um lugar cativo no cardápio das creches e da rede municipal de ensino no Ceará, em Mato Grosso do Sul e São Paulo, e enriquecer a nutrição de mais de 60 mil crianças, a partir de 2010, o arroz vitaminado da Path, uma organização americana sem fins lucrativos, com sede em Seattle, mostrou a que veio. O produto tomou as gôndolas dos supermercados do País no mês passado. A primeira a lançá-lo foi a beneficiadora Urbano, de Jaraguá do Sul, no norte de Santa Catarina, em pacotes de cinco quilos e um quilo.O produto, certificado pela Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz) e pela Universidade Federal de Viçosa, pode ser identificado com o selo de qualidade Arroz Vitaminado – A Opção Inteligente para uma Vida Saudável, estampado no canto inferior, do lado direito do pacote. Para Mário Pegorer, presidente da Abiarroz, a parceria com a Path e a universidade dá mais credibilidade ao produto. “Queremos conquistar a confiança do consumidor”, diz.

Segundo Eric Cohen, representante no Brasil da Global Alliance for Improved Nutrition (Gain), aliança global responsável por apoiar as parcerias, o arroz vitaminado, nos supermercados, custa entre 5% e 10% a mais do que o arroz convencional. Isso porque a tecnologia da fortificação do arroz consiste no desenvolvimento de grãos à base de farinha de arroz, com adição de vitaminas e minerais. A formulação do superarroz foi criada em 1989 pela empresa Bon Dente, com sede também em Seattle – e depois doada, em 1997, à Path. De 1990 até o arroz vitaminado ser acrescentado à merenda escolar, foram investidos cerca de R$ 16 milhões em pesquisas. O produto é fabricado por meio de extrusão a frio, técnica que permite moldar uma massa feita com a farinha de arroz, no formato do grão que é cultivado na agricultura. “Esses grãos são misturados em pequenas proporções ao arroz tradicional”, diz. Ainda de acordo com Cohen, eles já estão em negociação com outras beneficiadoras e algumas redes varejistas, interessadas em lançar suas próprias marcas fortificadas. “Isso deve ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano.”