Negócios

No cocho, desde o princípio

Para driblar os altos custos do boi magro e do milho, os pecuaristas estão confinando bezerros. O modelo americano de produção de carne ganha adeptos no Brasil

No cocho, desde o princípio

Divulgação

N os Estados Unidos, a criação de gado funciona assim: após a desmama do bezerro, ele vai direto para o confinamento, onde permanece até o abate. Seguir essa receita, que elimina a recria do gado no pasto, sempre pareceu inadequado em um país farto de pastagens e com grandes áreas de pecuária como o Brasil, que destina à boiada 170 milhões de hectares. Porém, confinadores brasileiros estão quebrando esse paradigma: o bezerro, por aqui, também começa a ir para o cocho. Uma das experiências em andamento é a da fazenda Captar West Bahia Farm, em Luís Eduardo Magalhães (BA), que pertence ao pecuarista Almir Francisco Moraes Filho. Na propriedade, 20 mil animais, entre machos e fêmeas, com idade de seis a oito meses, devem ir para o confinamento até o final do ano. O volume de bezerros representa 40% do total previsto para a engorda intensiva em 2016, de 50 mil animais. “Fiz um teste em 2014, no ano passado foi feita a primeira experiência em grande escala e neste ano estamos ampliando nossa aposta no modelo”, afirma Moraes Filho. 

A Captar adotou o sistema de recria no confinamento motivada pela oferta irregular de animais no Oeste Baiano, região forte na agricultura, mas, ainda, com pouca criação de gado. “Quem tem uma estrutura de confinamento, em que a escala ganha importância, não pode parar quando não encontra animais de boa qualidade, porque o custo fixo da atividade é muito alto”, diz o pecuarista. “Para ter lucro, é preciso comprar o animal que fecha a conta”. Isso não é uma tarefa fácil, mas é possível. O resultado obtido no ano passado, com a engorda de bezerro no confinamento, mostra que a aposta da Captar foi lucrativa. Os animais cruzados de nelore com angus, que foram para o cocho pesando até 198 quilos, ganharam dez arrobas de peso, ao custo de R$ 108 por cada uma. E foram vendidas a R$ 143, com um lucro de R$ 270 por animal. Na comparação com os animais que entraram como boi magro, com até 235 quilos, o custo de produção foi menor, de R$ 98 por arroba. Porém, como Moraes Filho pagou mais pelo boi magro do que pelo bezerro, o lucro líquido foi menor, de R$ 254. “O bom resultado foi possível porque os animais eram de alta genética”, afirma o criador. “Além disso, tem sido fundamental usarmos tecnologia de ponta em todas as etapas.”


Em expansão:  Bruno Andrade, gerente executivo da Assocon, diz que a engorda de animais jovens deve crescer por causa da demanda por carne premium

O que tem levado fazendas como a Captar a buscar uma alternativa de engorda é o aumento do preço do boi magro, que representa até 60% do custo de produção nos confinamentos tradicionais. Nos últimos 12 meses, o aumento de preço dessa categoria animal foi de 7,65%, para R$ 151,38 por arroba, segundo dados da consultoria Agroconsult. No mesmo período, a arroba do boi gordo, pronto para o abate, subiu 4,5%, e a do bezerro 7%. Além disso, o preço da saca do milho, que é o principal insumo na engorda intensiva, aumentou 45% entre janeiro de 2015 e janeiro deste ano, criando um cenário desfavorável para os confinadores tradicionais.  De acordo com o gerente executivo da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon), Bruno Andrade, a engorda de animais mais novos sempre vai exigir um cuidado maior nas contas da fazenda. “É preciso estar atento, porque um período mais longo no confinamento implica em um maior gasto com nutrição”, afirma Andrade. “Mas, o confinamento de bezerro vai crescer entre os produtores, porque o sistema atende nichos de mercado que demandam por carne de qualidade superior.”

Marco Guidolin, sócio e diretor comercial da Premix, empresa de nutrição animal, está de olho nessas mudanças.  A Premix tem entre seus clientes pecuaristas que respondem por 800 mil bovinos confinados por ano, 21% do total previsto para esta safra em todo o País, que é de 3,7 milhões de animais. “Confinar bezerro é uma tendência que vai se fortalecer muito daqui para a frente”, afirma Guidolin, que, no mês passado, recebeu seus clientes no Rio de Janeiro para o 3º Encontro de Confinadores. “Tudo caminha para que essa seja uma realidade dominante no segmento”, diz Guidolin.


Tendência: “Antecipação da entrada dos animais no confinamento veio para ficar na pecuária brasileira” Marco Guidolin, diretor comercial da Premix e um dos donos da empresa

Para quem faz o ciclo completo na pecuária, do nascimento ao abate, confinar bezerro permite abrir espaço no pasto para ampliar a criação com mais fêmeas na base do plantel. Chegando mais cedo ao cocho, os animais também saem mais cedo para o abate, permitindo a produção de um novilho precoce que terá uma remuneração mais alta na negociação com o frigorífico. Confinado e precoce, o gado destinado aos programas de carne de qualidade estão recebendo bônus de até 8% da arroba. Foi essa possibilidade de ganho adicional na venda dos bovinos, aliado ao aumento da lotação na propriedade, que levou o criador Ricardo Pinto Coelho, da fazenda São José, em Talismã (TO), a confinar bezerros. Ele começou a testar o modelo há oito anos. Hoje, confina 500 bezerros, com um lucro de até R$ 500 por animal, entregues a frigoríficos como o JBS, da holding J&F, e indústrias regionais que atuam no mercado de carne premium. A JBS, por exemplo, precisa de gado jovem para suprir dois programas de carne premium: o Swift Black, para animais angus, e o Gran Reserva, para as demais raças de sangue europeu.


Gado na engorda:o Brasil sempre confinou animais no modelo tradicional (ao lado). Eles são levados ao cocho com peso médio de  12 arrobas

O veterinário Marcelo Dominici, responsável técnico pelo confinamento na São José, diz que a adoção do sistema de engorda intensiva de bezerros permitiu que a propriedade aumentasse a rentabilidade em 20% ao ano. “Desmamamos um bezerro mais pesado, em um sistema mais eficiente de cria”, afirma Dominici. “Com isso, aumentamos o número de animais na propriedade e, automaticamente, a receita e o lucro líquido por hectare.” Do confinamento saem machos das raças braford, angus e pardo suíço, entre 12 e 14 meses, com 18 arrobas. As fêmeas saem com 15 arrobas. Os animais são levados ao abate entre 20 e 24 meses, se tudo correr bem.

Durante o evento da Premix, a americana Tania Covery, diretora de pesquisa do OT Feedyard and Research Center, em Hereford, no Texas, uma das mais regiões que mais confinam gado nos Estados Unidos, disse que engordar bezerros requer atenção especial à sanidade animal.  “Há um potencial de queda na produção, caso os bezerros não sejam saudáveis”, afirmou. “Afinal, quando vão para o confinamento estão sob o estresse do afastamento da mãe e da troca do leite por outro tipo de alimentação.” Nos dias seguintes ao evento, onde a pesquisadora falou com os pecuaristas sobre sanidade, ela visitou confinamento no País e também fazendas que estão se preparando para investir nesse modelo de engorda intensiva. “Creio que os confinadores brasileiros podem ter êxito no sistema.”