Negócios

O melhor amigo do homem é… O porco

Na Europa, microporcos viram sensação entre celebridades e uma ótima fonte de negócios para criadores

Moda: em Londres, animais passeiam pelas ruas

Nada de cachorro, gato ou periquito. O cargo de “melhor amigo do homem” agora é do porco. Isso pelo menos em países da Europa, principalmente na Inglaterra, onde a nova moda é sair passeando com miniporcos e tê-los como fofos animais de estimação. No Brasil, a novidade ainda não chegou, mas na terra da rainha os “porquinhos”, como são chamados, viraram mania entre celebridades e endinheirados que enfrentam até fila de espera para adquirir o bicho. Nomes ilustres como o jogador de futebol David Beckham e a patricinha Paris Hilton são alguns célebres donos de porcos de estimação. “São animais fantásticos e divertidos.

Eles são extremamente inteligentes e adoram contato humano”, garante a criadora Jane Croft, uma inglesa que há dez anos mantém a “The Little Pigs Farm”, ou a Fazenda dos Porquinhos, em português. Como o próprio nome diz, a propriedade é especializada na criação dos microporcos. “Tratase de animais obtidos por meio de cruzamento das menores raças suínas. Eles vivem em média 18 anos, podem pesar de 18 a 30 quilos e não passam de 18 centímetros de altura quando adultos”, explica Jane. Na fazenda, localizada a cerca de 200 quilômetros de Londres, os animais são tratados como membros da realeza. Além de terem a cama limpa ao menos duas vezes por semana e ração diferenciada, os porquinhos ganham mimos como lotes de brinquedos, sessões de abraço e até um canal de música clássica nos alojamentos. “Isso resulta em animais mais dóceis e saudáveis”, revela a criadora. “Temos um miniporco chamado Moonpig, que tem 18 meses e apenas 12 centímetros de altura. É o menor registrado até hoje”, comemora.

Para a criadora, o sucesso desses animais se dá por eles serem uma alternativa diferente aos tradicionais bichos de estimação. “Você pode treiná-los para que eles sentem no seu colo enquanto assiste à tevê e eles até respondem quando falamos com eles”, garante Jane.

Se para os consumidores os bichos são graciosos, para os criadores eles se transformaram em lucrativo negócio. Cada animal não sai por menos de R$ 2 mil e a recomendação é de que sejam comprados aos pares, para que eles não se sintam sozinhos. “Hoje a fila de espera por um par de porquinhos chega a nove meses”, ressalta Jane, explicando que, além do dinheiro, quem adquire os bichos precisa provar que tem condições de criá-los. “Qualquer um que queira adquirir esse tipo de animal precisa garantir todas as condições de infraestrutura e sanidade para os porcos”, ressalta.

 

 

Bichinho valioso: um exemplar do porquinho pode custar R$ 2 mil

 

 

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro