Negócios

Segredo centenário

Ao completar 100 anos, a Laticínios Catupiry investe em novos produtos, sem abandonar a receita de sucesso que a consagrou

 

 

VILSON SANCHEZ: “O leite de qualidade é o fator crítico de sucesso da Catupiry”

Criada em 1911, no município de Lambari (MG), pelas mãos do casal de imigrantes italianos Mário e Isaíra Silvestrini, a laticínios Catupiry, se tornou referência na fabricação de requeijão cremoso, no País. Cem anos depois, a empresa não para de se reinventar e investir. Neste ano, a Catupiry trouxe às gôndolas dos supermercados novas embalagens e ampliou seu portfólio de produtos, com novidades, como a linha gourmet Sabores, em versões tomate seco, ervas finas, cheddar e azeitonas pretas. Os lançamentos fazem parte de uma nova estratégia comercial, que vai além da comemoração do centenário da empresa mineira. “Nosso objetivo é nos aproximarmos dos futuros consumidores, a exemplo, da parceria que fizemos com o McDonald’s, em uma edição especial do sanduíche de frango com catupiry, em julho deste ano”, afirma Alexandre Delmanto, superintendente comercial e de marketing da Catupiry. “O maior desafio é acertar a mão, com base numa receita que sempre funcionou no passado e de olho, é claro, nos próximos 100 anos.”

O sabor inconfundível do catupiry virou a receita de sucesso da marca, cujo nome se confunde com o requeijão cremoso, que acabou virando sinônimo de uma categoria de produto. Detalhe: a fórmula de fabricação que é a mesma desde seus primeiros dias de existência é até hoje mantida em segredo. Também é guardado a sete chaves o volume de investimentos desembolsados para a atual bateria de lançamentos, iniciada no final do ano passado. Segundo Delmanto, os novos produtos serão responsáveis por boa parte dos 25% de crescimento das vendas da Catupiry, que devem chegar a R$ 250 milhões em 2011.

Atualmente, a Catupiry mantém na cidade de São Paulo seu escritório central, que administra a comercialização da produção de quatro fábricas localizadas nos municípios de Bebedouro e Santa Fé, no interior paulista, Doverlância, em Goiás, e Santa Vitória, em Minas Gerais, onde se concentra a maior parte de seus fornecedores. Para os próximos anos, está prevista a construção de uma nova fábrica no Paraná. “Estamos de olho no Estado que mais produz leite com boa qualidade”, diz Vilson Sanchez, responsável pela política leiteira da empresa. A localização das unidades de produção não ocorre por acaso. Para a Catupiry, a qualidade do leite in natura, sua principal matériaprima, fornecida por uma rede de dois mil pequenos e médios produtores, é o fator crítico de sucesso.

ALEXANDRE DELMANTO: “Estamos de olho nos próximos 100 anos”

Hoje, a captação do leite é diária. São mais de 200 mil litros entregues a granel em sua totalidade. Nenhuma das fábricas produz o requeijão do começo ao fim, cada uma é responsável por uma fase da produção. “Ao chegar na empresa, uma das exigências quanto à matéria-prima é o teor da gordura, que deve girar em torno de 3,5% a 4% de gordura, para a fabricação do requeijão”, afirma Sanchez. De acordo com ele, outro requisito básico é a sanidade dos animais e da propriedade dos fornecedores. Muitos deles viraram parceiros da Laticínios Catupiry, que chega a pagar uma bonificação de 5% acima da média do mercado por litro. “O que eles prezam é a qualidade do leite produzido”, diz Antonio Aparecido Olivo, produtor do município de Rubineia (SP), que fornece 1.350 litros de leite por dia. Fidelizado, Olivo há dez anos entrega toda a sua produção para a empresa. Como ele, os irmãos Thiago e Lucas Moreira Vasconcelos, de Santa Vitória, a 750 quilômetros de Belo Horizonte também se tornaram fornecedores de carteirinha. Sua produção gira em torno de 2.600 litros por dia, com 250 vacas em lactação, o que os coloca entre os maiores fornecedores do laticínio em Minas. “A empresa se tornou uma parceira do produtor”, diz Thiago. “Com assistência técnica oferecida ao produtor e a bonificação diferenciada nós temos mais é que garantir uma matériaprima de primeira.”

 

TRADIÇÃO

CREMOSA

Faturamento:

R$ 200 milhões (2010)

R$ 250 milhões (2011)

Fábricas:

– Bebedouro e Santa Fé

(ambas em São Paulo),

Doverlância (GO) e Santa Vitória (MG)

Produção:

– Mais de 200 mil litros/dia

Fornecedores:

– 2 mil produtores

 

A combinação de leite fresco, creme de leite, fermento lácteo, massa coalhada e sal compõe a base da receita do requeijão que adotou fórmulas diferenciadas de existência e se reinventou ao longo dos anos, gerando uma infinidade de receitas. Na década de 1970, na tentativa de aumentar as vendas do produto, Armando Alba, um dos vendedores da empresa, inventou a pizza com catupiry, que logo ganhou um lugar de destaque entre os apreciadores de uma boa redonda. O produto clássico da marca, o requeijão cremoso, até hoje é produzido à moda original e vendido nas lojas, com rótulo nas cores vermelho, azul e branco. No mercado brasileiro, os restaurantes, pizzarias e supermercados respondem por 50% das vendas dos laticínios, que também exporta seus produtos para os Estados Unidos e o Japão.