Negócios

Uma academia para a carne

Depois popularizar a marca Friboi, JBS quer despertar os chefs que existem em seus consumidores

Uma academia para a carne

Divulgação

Nos últimos anos, a JBS, da holding J&F, gigante com faturamento anual de R$ 130 bilhões, montou uma forte estratégia de marketing para fidelizar o consumidor de carne bovina. A empresa levou para  praticamente todos os canais de mídia a sua marca Friboi, tornando-a referência no setor. Mas, para a JBS, isso não foi o suficiente. Por isso, no mês passado, a emprsa apresentou o projeto Academia da Carne Friboi. Com ele, a JBS quer chegar até a cozinha do consumidor e instruí-lo na preparação de cortes, iniciativa que abre mais uma porta para entender que tipo de produto atrai o público ávido por proteína animal. “Nosso contato com o consumidor sempre foi nas fases de pré-compra e compra da carne”, diz Renato Costa, presidente da divisão de carnes da JBS. “Mas esse cliente tem muitas inseguranças no momento do preparo dos pratos. Foi daí que nasceu a proposta da Academia da Carne.”

A ideia da JBS não é nova. Nos Estados Unidos, por exemplo, o The Marbled Meat Club tem como meta orientar o consumidor. No Brasil, a Minerva Foods começou há cerca de dois anos um projeto experimental para guiar o comprador de carne em pontos de venda, no qual é possível calcular a quantidade ideal de produtos e levar para casa sugestões de receitas. O que impressiona na iniciativa da JBS é a sua dimensão.


ANA MARIA BRAGA: a apresentadora é uma das personalidades  contratadas para o projeto

A Academia da Car-ne, uma plataforma digital (www.academiadacarnefriboi.globo.com), nasce com um conteúdo de receitas sugeridas por 12 chefs de cozinha, entre eles o francês Olivier Anquier e o alagoano Guga Rocha, ambos com programas de TV, além da apresentadora Ana Ma- ria Braga. São inicialmente 700 peças, entre vídeos, receitas e infográficos.

De acordo com Costa, o projeto pretende levar o consumidor de carne bovina a se tornar mais crítico, o que exigirá da empresa uma retaguarda cada vez mais eficiente na compra de matéria prima. A JBS abate 46 mil bovinos por dia no País, o que significa nove mil toneladas de carne em equivalente carcaça. “Comprar boi, de acordo com a demanda do consumidor, será cada vez mais uma necessidade para a indústria”, afirma Costa. “Nós estamos trabalhando para repassar isso ao campo.” Para a gerente de marketing da divisão de Carnes da JBS, Maria Eugênia Rocha, a Academia Friboi também pode ser uma ferramenta de compras justas. “Quando o consumidor conhece os cortes e o melhor modo de prepará-los, em vez de comprar um filé de R$ 28 o quilo, por exemplo, ele pode levar outro corte, mas de R$ 16”, diz Maria Eugênia. “Para nós, o importante é contribuir para que o consumidor economize seu dinheiro e que continue a comprar carne.”


“Comprar boi, de acordo com a demanda do consumidor, será cada vez mais uma necessidade para a indústria” Renato Costa,presidente da divisão de carnes da JBS