Tecnologia

Agricultura muito além da vista

Conheça a nanotecnologia, ciência que desenvolve produtos microscópicos que podem revolucionar a agricultura brasileira

DIFÍCIL DE VER: as nanopartículas ao lado, no tamanho “real”, são 70 mil vezes menores que um fio de cabelo

Quem já pisou numa fazenda sabe que agricultura se faz nos mínimos detalhes e não há produtor que se preze que contradiga essa “verdade”. Mas agora alguns cientistas brasileiros resolveram levar esses “detalhes para o microscópio”. Essa é a nanotecnologia, um tipo de ciência que desenvolve produtos tão pequenos que correspondem à espessura de um fio de cabelo dividido em 70 mil partes. Esse tipo de procedimento é usado em larga escala nos Estados Unidos, que descarregam um caminhão de dinheiro todos os anos: US$ 1 bilhão. Os métodos criados a partir dos conhecimentos “nanométricos” podem gerar uma infinidade de produtos usados em praticamente todos os ramos de atividade. E a agricultura não fica fora disso. O Brasil começa a dar os seus primeiros passos no terreno dessas medidas para lá de milimétricas. Entre 2006 e 2007, foram aportados cerca de R$ 74 milhões em pesquisas de nanotecnologia. E no foco desses investimentos está justamente o agronegócio.

Ainda neste semestre, deve ser inaugurado o primeiro Laboratório Nacional de Pesquisa em Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio. O centro, que funcionará nas instalações da Embrapa Instrumentação Agropecuária, localizada em São Carlos (SP), consumiu mais de R$ 4 milhões e quer ampliar as pesquisas nesse setor. “Junto com o laboratório, criamos a rede de pesquisa em nanotecnologia, que engloba uma série de especialistas. Com a participação de 17 unidades da Embrapa, que estarão junto com 13 universidades brasileiras e universidades dos EUA e da França”, afirma o Coordenador da rede de pesquisa em nanotecnologia aplicada ao Agro, Luiz Henrique Capparelli Mattoso.

Mas, afinal, o que essa partícula praticamente invisível – para se ter uma idéia, um fio de cabelo mede cerca de 70 mil nanopartículas – pode fazer pelo agronegócio brasileiro?

Algumas dessas possibilidades já podem ser vistas na Embrapa Instrumentação, que já há alguns anos vem desenvolvendo aparelhos a partir da nanotecnologia.

Foi a partir dessa tecnologia que os cientistas da unidade desenvolveram um papel-filme protetor para frutas, que possibilita aumentar o seu tempo de prateleira, além de ser comestível. Segundo o pesquisador da Embrapa e um dos responsáveis pelo desenvolvimento do produto, Odílio Assis, no caso da maçã, o tempo de conservação aumenta de 25 dias a um mês. “Em condições controladas, com refrigeração ela pode durar até um ano a mais”, diz.

O filme é uma película feita à base de enzimas animais e vegetais, que são transformadas em um líquido. Após a aplicação, as partículas dessa solução se agregam aos poros da fruta, alterando sua respiração e retardando sua decomposição. “A grande vantagem é que a camada é comestível e não altera o sabor nem a textura da fruta”, comenta o cientista, que acredita que no prazo de dois anos o produto já esteja em uso pela indústria. “O mercado de frutas exóticas brasileiras cresce muito. Esse filme é ideal para garantir a qualidade do produto no caso de exportações.” Agora, o desafio dos cientistas é tornar o produto comercialmente viável. “A tecnologia ainda tem um custo alto. O Brasil perde quase 40% da sua produção de frutas no manuseio e transporte, mas ainda tem um lucro grande. O produtor acha mais fácil perder do que investir.”

PROVADORES – Outra invenção promete facilitar a vida dos provadores, a princípio, o de cafés e vinhos. Tratase da língua eletrônica. O equipamento, que funciona por meio de sensores desenvolvidos com nanopartículas, consegue classificar a bebida quanto a sua qualidade. “A língua foi desenvolvida para café, mas futuramente pode ser usada para água, sucos e até gasolina e biodiesel”, conta Mattoso, considerado o “pai da língua”.

LUIZ HENRIQUE MATTOSO, da Embrapa, desenvolveu uma “língua” eletrônica para classificar café

De acordo com o pesquisador, a língua funciona de maneira semelhante ao sistema gustativo humano, com uma diferença: os sensores são capazes de analisar as características de cada molécula das bebidas e classificá-las de acordo com um padrão determinado.

Na mesma linha de pesquisa foi desenvolvido o nariz eletrônico, que também utiliza o sistema de sensores com nanopartículas para determinar, não através do paladar, mas sim do olfato, o tempo de amadurecimento da fruta. A pesquisa está em andamento com bananas e os resultados são positivos, como conta o pesquisador responsável pelo aparelho, Paulo Sérgio de Paula Herrmann. “Através de sensores, é possível captar os gases emitidos pela fruta quando ela está em fase de amadurecimento. Assim sabemos o momento exato da colheita.” O sistema ainda está em fase de aperfeiçoamento, mas o pesquisador já aponta o baixo custo como a grande vantagem do modelo. “O Brasil perde 40% da sua produção de banana durante a colheita. Com esses sensores, o produtor poderá se programar melhor e evitar prejuízos. Até porque o custo desses sensores, se produzidos em larga escala, deve ser de centavos”, afirma.

Além dessas pesquisas, a unidade já trabalha no desenvolvimento de novos usos para produtos da agropecuária. Nesse sentido, os mais avançados são os plásticos biodegradáveis, feitos a partir de materiais como amido de milho e fibras de coco. “Através de nanopartículas podemos reforçar a resistência desses materiais, que são ambientalmente sustentáveis”, pondera Mattoso. É a nanotecnologia pronta para mudar o agronegócio, justamente nos mínimos detalhes.

PRODUÇÃO EM NANÔMETROS

Como projetos de nanotecnologia poderão ajudar a desenvolver o agronegócio nos próximos anos

NA PECUÁRIA Cientistas estão desenvolvendo um sistema de diagnóstico de doenças, que, com uso de nanopartículas, serão mais rápidos do que os convencionais. Além de partículas inteligentes que liberam o remédio de forma controlada no organismo do animal

NO SOLO Através de nanopartículas será possível fazer a aplicação de insumos como fertilizantes e nutrientes, de forma controlada, no solo. Assim, essas substâncias seriam liberadas na medida da necessidade da planta, trazendo ganhos para o meio ambiente e para o produtor

DEFENSIVOS Para eliminar os resíduos de defensivos, está em desenvolvimento uma nanopartícula que acelera as reações químicas e que, em contato com as partículas desse produto, causam uma reação química, acelerando a decomposição dos resíduos de defensivos no meio ambiente