Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

André Carioba, vice-presidente da AGCO para a América do Sul

André Carioba, vice-presidente da AGCO para a América do Sul

“Não temos do que reclamar”


Edição 01/06/2014 - nº 115

Depois de registrar o maior volume de vendas da história no ano passado, com 82 mil tratores e colhedeiras comercializados, o setor de máquinas agrícolas deve amargar uma queda de pelo menos 15% em 2014, estima André Carioba, vice-presidente para a América do Sul da multinacional americana AGCO. Além de mercado interno mais devagar, as exportações do setor também devem ser um pouco menores no ano. Entretanto, Carioba diz que os resultados esperados para 2014 não são ruins para os fabricantes. “O que deve ocorrer nesta temporada é uma fase de ajustes nas vendas”, afirma. Para Carioba, crescimentos anuais superiores a 20%, como acontecia desde 2008, tendem a ficar no passado, mas isso não significa que o setor não seguirá em plena expansão nos próximos anos. Entre outros temas, Carioba falou à Dinheiro Rural sobre o papel do governo federal no incentivo às indústrias brasileiras e sobre a legislação para o licenciamento de máquinas agrícolas. 

DINHEIRO RURAL – No primeiro trimestre, as vendas de máquinas agrícolas caíram 21% ante o mesmo período do ano passado. Essa deve ser a tendência para 2014? 

ANDRÉ CARIOBA – O primeiro trimestre não foi muito bom mesmo. Acredito que o ano fechará com queda nas vendas de tratores e colhedeiras, mas não espero um revés tão acentuado como o dos primeiros meses. Minha expectativa é de que o setor feche 2014 com uma queda de 15% nas vendas ante 2013, ano de recorde histórico de vendas do setor, com 82 mil unidades comercializadas. O desempenho deste ano deve ser bem parecido com o patamar registrado em 2012. Acredito que vamos vender 70 mil máquinas, o que ainda é um resultado muito bom. Não temos do que reclamar.

RURAL – Qual segmento agrícola contribuiu para esse resultado negativo no trimestre? 

CARIOBA – Na comparação com 2013, parte das complicações vem do setor sucroalcooleiro, que vive uma de suas piores crises. Muitas usinas estão encerrando as suas atividades. Nós estamos sentindo esse impacto. Com o preço da gasolina congelado, o valor do etanol também não subiu, e com a alta dos impostos, salários e insumos, a pressão sobre o setor está muito grande. Os produtores de cana não estão investindo tanto em máquinas, quanto no passado. 

RURAL – A alta dos juros para financiamento atrapalhou as vendas? 

CARIOBA – Um pouco. A taxa de juros para financiamento, através do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), estava em 2,5% em 2011, passou para 3% em 2012, 3,5% no ano passado e agora está em 4,5%. Essa taxa ainda é bastante razoável, mas é relativamente alta se comparada ao início do programa. Com isso, muitos agricultores acabam não investindo na troca do maquinário antigo, por acharem que não vale a pena. 

RURAL – Qual é a expectativa de vendas daqui em diante?

CARIOBA – Olhando para a frente, de 2015 em diante, acredito que o mercado continuará bom, seguindo os fundamentos da agricultura. O setor agrícola brasileiro será o grande responsável pelo crescimento da produção dinheiro rural/115-Junho-2014 19 mundial de alimentos. Então, não vejo razões para o setor de maquinários não seguir essa tendência. 

RURAL – É correto dizer que o setor está, enfim, encontrando um volume ajustado de vendas?

CARIOBA – O mercado está se ajustando, sim, e isso deve se estender ao longo de 2015. A tendência é de que deixemos de crescer a taxas tão altas, entre 20% e 30% ao ano, mas sigamos crescendo. Para isso, o produtor necessita de apoio de instituições governamentais para contar com ferramentas financeiras atrativas que facilitem a aquisição de máquinas cada vez mais tecnológicas.

RURAL – Quais são as suas preocupações em relação ao futuro do setor de máquinas agrícolas? 

CARIOBA – Justamente, a disponibilidade de recursos financeiros, principalmente os do Financiamento de Máquinas e Equipamentos (Finame) do BNDES. É preocupante o grau de burocracia no processo. Fica difícil para a indústria atender sua carteira de pedidos com a agilidade que o produtor necessita. Além disso, os agentes financeiros estão apertando o cerco contra a inadimplência e, por isso, exigem muitas garantias do agricultor.

RURAL – O Brasil tem chance de se tornar um grande exportador de máquinas agrícolas?

CARIOBA – Depende muito da competitividade do País daqui para a frente. Desde 2008 sofremos muito por causa do câmbio, que chegou a R$ 1,70. Esse valor tirava a competitividade do Brasil lá fora, porque as máquinas têm um alto custo de produção. Hoje, como não vejo possibilidade nenhuma de o real ficar abaixo dos atuais R$ 2,20, conseguimos competir no mercado externo. Se continuar assim, acredito que as empresas vão aproveitar para vender mais.

RURAL – O que atrapalha as exportações brasileiras, que também estão menores neste ano? 

CARIOBA – Para o Brasil se tornar um grande exportador é preciso que o governo reduza os tributos sobre os produtos terminados vendidos ao Exterior. Atualmente, as atuais taxas estão levando à desindustrialização do País. Não só da indústria de maquinários, mas em todos os setores. O País tem chance de construir uma grande plataforma exportadora, mas são necessárias condições macroeconômicas para se chegar a patamares competitivos.

RURAL – Como o governo deveria agir para dar melhores condições à indústria? 

CARIOBA – O País deveria seguir o exemplo de seus competidores no mercado internacional e retirar qualquer tributo para exportações de produtos com mais de 80% de conteúdo nacional. Os altos custos brasileiros impedem que as vendas cresçam a uma velocidade maior que a atual. Para piorar, a indústria nacional concorre em desigualdade com as importações, que entram com mais competitividade do
que os produtos fabricados aqui. 

RURAL – A idade média das máquinas agrícolas brasileiras é aceitável? 

CARIOBA – A frota brasileira está relativamente renovada. Depois de 2008, as vendas de máquinas novas foram crescentes, inclusive durante a crise econômica mundial, em 2009. No restante do mundo, o movimento foi o contrário, com empresas fechando unidades de fabricação pelo baixo movimento de vendas. 

RURAL – O agricultor brasileiro entende a importância das novas tecnologias para ganhos de produtividade?

CARIOBA – O agricultor, com certeza, está buscando novas tecnologias que lhe assegurem uma maior produtividade. Novos maquinários podem gerar um ganho de tempo precioso no campo, reduzindo parcialmente as perdas geradas pelos gargalos logísticos que oneram a agricultura. Por isso, o Brasil continuará a ser alvo para as indústrias globais de equipamentos agrícolas. 

RURAL – Mas há segmentos, como o da cana, que têm enfrentado dificuldades com esses novos maquinários.

CARIOBA – Temos um desafio a enfrentar. É preciso mais preparo, treinamento e conhecimento do conecessionário em relação às maquinas, que estão cada vez mais sofisticadas. Não adianta vender apenas, é preciso saber se o comprador está fazendo o uso correto de toda a tecnologia. Antigamente, os tratores eram fabricados com um motor, quatro rodas e muito metal. Hoje não, parecem verdadeiros aviões, com GPS e funções inteligentes e tudo mais.

RURAL – Como resolver o problema da falta de mão de obra qualificada?

CARIOBA – O governo brasileiro, com o apoio das indústrias de máquinas, precisa criar cursos técnicos para preparo desses profissionais. Em fevereiro, a AGCO inaugurou um novo centro de treinamento em Campinas (SP), para oferecer um curso técnico aos concessionários. Nesse centro, serão abordados temas como funcionamento do sistema hidráulico, transmissão, ajustes finos e administrativos. Seria ideal criarmos parcerias com o Senai e passarmos a oferecer cursos técnicos nas próprias regiões agrícolas. Muitas vezes, os concessionários menores, de municípios distantes dos grandes centros, não conseguem enviar seu único técnico para outro Estado, por uma semana inteira, para treinamento.

RURAL – O governo estava preparando uma lei que obrigava o produtor a registrar e licenciar seu maquinário, mas há um movimento contra ela. Essa lei ajuda ou atrapalha?

CARIOBA – Acho ruim não haver um controle do que há no campo. Diferentemente de outros países, o maquinário agrícola brasileiro não é licenciado e não possui uma placa de identificação. Com o registro e o licenciamento haveria mais estatísticas confiáveis do setor. Os números da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) referem- se somente a veículos novos. Mesmo se os revendedores estiverem com o pátio cheio, os números da entidade constarão como vendas realizadas. Tem muito chute nos números revelados. Com um departamento nacional de trânsito voltado às máquinas agrícolas, o setor seria mais transparente. 

OIE notifica 507 novos focos da peste suína, para total de 9.491 surtos no mundo

Área atingida

Área atingida

OIE notifica 507 novos focos da peste suína, para total de 9.491 surtos no mundo

ANTT terá economia de R$ 590 milhões com desburocratização

Simplificando processos

Simplificando processos

ANTT terá economia de R$ 590 milhões com desburocratização


4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio tem foco em gestão

Movimento no campo

4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio tem foco em gestão

O movimento feminista do agro é por poder

A nova onda

O movimento feminista do agro é por poder

Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio mostra o caminho que elas estão traçando


Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central

Embrapa

Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central


Saúde Animal

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Congresso Latino-americano de Avicultura mostra o potencial do setor

Futuro em pauta

Futuro em pauta

Congresso Latino-americano de Avicultura mostra o potencial do setor

Evento que acontece em Lima, no Peru, reúne 600 empresas e um público de 5 mil pessoas por dia

GenesisGroup e AgroSafety associam-se para fortalecer a segurança agroalimentar na cadeia produtiva

Fusão

Fusão

GenesisGroup e AgroSafety associam-se para fortalecer a segurança agroalimentar na cadeia produtiva

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi


Agroindústria


Agroindústria

Debêntures incentivadas em biocombustível somam R$ 4,1 bi em investimentos

Campo produtivo

Campo produtivo

Debêntures incentivadas em biocombustível somam R$ 4,1 bi em investimentos


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.