Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Antonio Camardelli

Antonio Camardelli

Com um produto diferenciado - carne do boi "verde" -, o Brasil investe as exportações e em novos clientes para aumentar sua participação no mercado externo

Eduardo Savanachi
Edição 01/02/2011 - nº 76

 

Nos próximos meses a agenda de Antônio Camardelli prevê uma série de churrascos em países como Egito, Emirados Árabes e Alemanha. Não são simples celebrações. Os eventos fazem parte da estratégia para abrir novos mercados da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carnes (Abiec), da qual Camardelli se tornou presidente há poucos meses. Em entrevista à DINHEIRO RURAL , Camardelli fala da sua missão à frente do cargo: promover uma reestruturação completa na cadeia produtiva da carne para fazer com que o País continue competitivo no mercado externo.

“O Brasil pode ser mais competitivo lá fora”

Dinheiro Rural – Quais as perspectivas do setor da carne para o mercado internacional em 2011?

Antônio Camardelli – Voltamos a vender para o mercado americano depois do constrangimento imposto por conta dos problemas na aplicação de produtos no gado. Isso fez com que o setor fosse à luta e, na obrigação de manter volumes que não eram mantidos, tivemos que mudar cardápios de ofertas, com produtos diferenciados e acessar mercados abertos. Chegamos ao maior volume de países de vendas de carne industrializada. Esse acréscimo, mais a volta dos EUA e o retorno de quatro estabelecimentos que estavam com impedimentos na Rússia nos dão um cenário positivo. Se em 2010 exportamos 1,864 milhão de toneladas de carne e faturamos US$ 4,8 bilhões, a expectativa é de crescer entre 8% a 10% em vendas externas.

Rural – Quais são as prioridades da Abiec para 2011?

Camardelli – O desafio é criar um ambiente novo para negócios e adequar as legislações para esse ambiente competitivo. No modelo de gestão passado, tivemos uma legislação muito apertada e com intervenções que hoje são desnecessárias.

Rural – É necessário melhorar os processos de fiscalização…

Camardelli – O mercado americano trabalha com 100% de controle do processo. Lá a inspeção é feita em três níveis: análise de risco, controle de redução de patógenos e os processos de registros, controles e supervisões. O modelo brasileiro tem uma interferência burocrática direta. Isso foi necessario no passado, mas atualmente a indústria está muito mais avançada do que a estrutura de governo. Portanto, temos que fazer uma adequação de regras e adaptar o ambiente de negócio para sermos competitivos. Estando em condições de igualdade, o nosso produto, que é verde, com proibição de utilização de hormônios, passa a ter um diferencial verdadeiro.

 

Rural – Mudança de estrutura aumenta a competitividade?

Camardelli – Sim, porque não existe mais vantagem de preço. Antes nós tínhamos volume e preço e o custo de produção era diferenciado. No cenário atual, com a harmonização global do animal, temos o boi numa linha de preço praticamente na mesma média. Então temos que buscar o diferencial em uma melhor adequação de legislação compatível para regular esse ambiente moderno. O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, recebeu a incumbência de adequar o Mapa à modernização desse ambiente de negócios.

“O ministro Rossi está adotando medidas para modernizar os processos do Mapa, o que beneficiará os setores da carne”

Rural – E a burocracia?

Camardelli – A burocratização em excesso liquida o processo de ganho. Hoje o preço do contêiner é o mesmo em todo o mundo. O que diferencia é o custo de colocá-lo dentro do navio. Precisamos trabalhar para que esse processo de chegada do contêiner no porto seja otimizado para que sejamos competitivos em relação à eficiência dos concorrentes.

Rural – A internacionalização dos frigoríficos brasileiros pode acelerar esse processo de adequação?

Camardelli – As aquisições feitas pelos frigoríficos no Exterior estão encurtando a cadeia do lucro. Antes, o frigorífico vendia para um agente, que vendia para uma trading externa, que comprava o corte e vendia para um fracionador, que o colocava em pedaços e vendia para um distribuidor, que vendia para o varejo. As aquisições permitem que Marfrig, Minerva e JBS exportem para eles mesmos, otimizando o lucro.

Rural – A reestruturação da cadeia da carne e um maior rigor na qualidade dos produtos podem levar o Brasil a ocupar mercados que hoje são da Argentina e do Uruguai?

Camardelli – Aumentamos a oferta porque, quanto mais você aumenta o status sanitário de um país e quanto mais ele entra no grupo de elite, mais acesso tem aos mercados com os melhores preços. O Uruguai vendia muito para a Argélia e o Egito; quando começou a exportar para o México, Japão e EUA, obteve um preço melhor e teve que trocar seu ambiente antigo por esse novo mercado. O Brasil tem condição de suprir volume e qualidade e se aproveitar desse espaço.

Rural – E hoje como está a abertura de novos mercados?

Camardelli – Se você dividir o mundo importador em 100%, o Brasil não tem acesso a 45% desse mercado. Estou falando de todo o Nafta – EUA, México, Canadá, Japão, Coreia, Taiwan, etc – que são os mercados que remuneram melhor, mas impõem barreiras comerciais transvestidas de medidas técnicas. Nestes também temos que entrar. Nosso foco agora é arrumar uma alternativa para a Europa, hoje, nossa única alternativa para cortes nobres. Ou o Brasil vende um filé para a Europa a US$ 20 ou vende para outro país a US$ 10. E a alternativa que precisamos encontrar está em um desses mercados que estão fechados.

 

Rural – Como isso vem sendo feito?

Camardelli – Estamos levantando o status sanitário de cada país para focar nos que são mais fáceis de trabalhar e mais rápidos de abrir. Também estamos focando nos mercados já abertos que têm potencial de compra, como Cuba, Marrocos e China. Na China, temos apenas três frigoríficos habilitados para exportar. Precisamos aumentar para 20, 25. O potencial da China é de 400 mil toneladas e nossa participação é de apenas 1,2 mil toneladas/ano. Já Cuba compra 70 mil toneladas/ano. Todos esses mercados foram identificados com a possibilidade de aumentar as vendas. Portanto, temos apenas que resolver os problemas que emperram o avanço nesses mercados.

Rural – E a relação com a Europa?

Camardelli – A Europa impinge ao Brasil uma condição ímpar em relação a tudo o que é preconizado dentro do regramento da OIE, que é o braço sanitário da OMC. Não existe equivalência. O Brasil é o único país do qual ela exige limitação do número de propriedades, na verdade, é uma limitação de volume. A Europa comprava US$ 1,4 bilhão e hoje não compra nem US$ 400 milhões. Nós temos que fazer a Europa enxergar o conceito técnico, que é o conceito de risco. Quando houve casos de febre aftosa no Uruguai e na Argentina, eles não fecharam o Rio Grande do Sul. Então por que quando houve incidência de aftosa em Mato Grosso do Sul eles fecharam São Paulo e Paraná? O princípio técnico está promíscuo.

Rural – Também temos problemas com a Cota Hilton…

Camardelli – O Brasil vendia 120 mil toneladas de carnes para a Romênia e Bulgária, sem nenhum tipo de licença e com o custo específico da legislação de cada país. Como esses países são tradicionais produtores de embutidos, eles compram muitas partes do boi que são interessantes para nós, como coxão duro, coxão mole, dianteiro. Mas, com a entrada desses países na União Europeia, o Brasil passou a pagar uma licença que eleva em 170% o custo de exportação. Dessa forma, o País foi procurado para fazer um acordo de compensação, em que a UE ofereceu ao Brasil cinco mil toneladas de Cota Hilton, e nós que já tínhamos cinco mil ficamos com dez mil toneladas.

“Cuba compra 70 mil toneladas de carnes/ano. São 11 milhões de pessoas que importam todo tipo de produto”

Rural – Então este acordo não foi vantajoso… Camardelli – Não estamos conseguindo mandar animais para a Cota Hilton porque a UE não nos deixa suplementar e não é qualquer animal que pode ser vendido dentro dessa cota. Ele tem que ter conformidade de carcaça, gordura compatível e, se não fizer uma terminação, não podemos chegar nesse nível de qualidade. Na prática não estamos compensando o acordo que foi feito e, se não estamos compensando, o acordo não está sendo cumprido e tem que ser denunciado. Hoje, a Europa é um problema para o Brasil e esse tipo de procedimento visa apenas limitar o nosso acesso em relação ao volume.

Rural – O Brasil pode ir à OMC?

Camardelli – A primeira visão da reunião do conselho da Abiec deu indicativos de que o Brasil tem viabilidade, caso se abra esse processo, de vencer. Estamos maturando isso com o governo, com a missão do Brasil em Genebra, que já tem parecer jurídico sobre o tema. Será uma decisão conjunta do setor com o governo, pois é um processo tardio e muito caro.

 

 

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.