Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Dez Perguntas Rodrigues Roberto

Dez Perguntas Rodrigues Roberto

”Seremos a nação responsável pelo fim da fome no mundo”

Fábio Moitinho
Edição 31/08/2014 - nº 117

O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, atualmente coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getulio Vargas em São Paulo, e embaixador especial da FAO para as Cooperativas, tem uma posição firme sobre a estabilização da moeda brasileira  e a sua influência sobre o agronegócio. Para ele, as 20 safras agrícolas pós-Plano Real deixam um legado de aprendizado, mas também de desafios.

O Plano Real foi a grande sacada no jogo econômico das últimas décadas?
Sem dúvida que sim. Domar a inflação foi de vital importância. Mas o Plano Real também ganhou importância com os programas sociais desde o governo FHC, ampliados no governo Lula e continuados no governo Dilma Rousseff.

Em que medida o campo se beneficiou dessa nova realidade?
A estabilização da moeda obrigou os produtores a buscarem tecnologia e gestão para competir. Com isso, a produtividade agrícola cresceu.

Em quais setores do agronegócio houve maior aporte de investimentos?
Houve um grande movimento na aquisição de máquinas e equipamentos modernos, que ajudaram a melhorar o desempenho tecnológico.

Qual é a melhor definição sobre o uso de tecnologias no campo?
Em geral, houve muito investimento em tecnologia. Mas um dado que define bem o seu uso é que a área plantada com grãos cresceu 41% e a produção saltou 220%. Essa revolução é incontestável no Centro-Oeste.

O aumento das exportações foi uma consequência direta do Plano Real?
O saldo comercial do País tem sido sustentado pelo agronegócio há muitos anos. Em 2013, foi de US$ 83 bilhões, enquanto o saldo total nem chegou a US$ 3 bilhões. Parte disso está ligada, indiretamente, à estabilização da moeda e ao crescimento de mercados nos países emergentes.

Qual é o caminho para aumentar ainda mais as exportações do agronegócio?
É preciso uma ampla estratégia, capaz de gerar investimentos em logística e infraestrutura, uma nova política de renda no campo, mais investimentos em tecnologia, desburocratização e agilidade nos registros de novas moléculas de defensivos e regras comerciais mais claras.

O Plano Real influenciou, de fato, o consumo de alimentos no País?
Sim, porque aumentou a confiança dos produtores. Isso fez o PIB do setor, ou seja, as riquezas do campo, responderem por 23% do PIB nacional.

A economia, como um todo, pode tirar alguma lição da evolução do campo?
O campo fez um gigantesco ajuste, maior do que em outros setores. Quem não se ajustou, perdeu a vez. Os que ficaram, foram levados a implementar conceitos de cadeia produtiva ou se organizar em cooperativas, principalmente os pequenos  produtores.

Como o sr. avalia o Plano Real perante as crises econômicas mundiais, como as de 1998 ou 2009, por exemplo?
Todas as crises impactaram negativamente o agronegócio, mas um pouco menos do que a indústria. Foram os ajustes feitos após o Plano Real que permitiram ao País suportá-las.

O que se pode esperar do agronegócio brasileiro nos próximos 20 anos?
Estudos da FAO sinalizam que até 2020 a produção de alimentos precisa crescer 20%. Está claro que o mundo só terá essa oferta maior, caso o Brasil cresça o dobro, ou seja, 40%. Portanto, há uma demanda sobre nós. Se conseguirmos montar uma estratégia adequada, nas próximas duas décadas seremos a grande nação responsável pelo fim da fome no mundo.

 

OIE notifica 507 novos focos da peste suína, para total de 9.491 surtos no mundo

Área atingida

Área atingida

OIE notifica 507 novos focos da peste suína, para total de 9.491 surtos no mundo

ANTT terá economia de R$ 590 milhões com desburocratização

Simplificando processos

Simplificando processos

ANTT terá economia de R$ 590 milhões com desburocratização


4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio tem foco em gestão

Movimento no campo

4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio tem foco em gestão

O movimento feminista do agro é por poder

A nova onda

O movimento feminista do agro é por poder

Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio mostra o caminho que elas estão traçando


Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central

Embrapa

Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central


Saúde Animal

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Congresso Latino-americano de Avicultura mostra o potencial do setor

Futuro em pauta

Futuro em pauta

Congresso Latino-americano de Avicultura mostra o potencial do setor

Evento que acontece em Lima, no Peru, reúne 600 empresas e um público de 5 mil pessoas por dia

GenesisGroup e AgroSafety associam-se para fortalecer a segurança agroalimentar na cadeia produtiva

Fusão

Fusão

GenesisGroup e AgroSafety associam-se para fortalecer a segurança agroalimentar na cadeia produtiva

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi


Agroindústria


Agroindústria

Debêntures incentivadas em biocombustível somam R$ 4,1 bi em investimentos

Campo produtivo

Campo produtivo

Debêntures incentivadas em biocombustível somam R$ 4,1 bi em investimentos


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.