Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

José Galló

José Galló

O presidente da Lojas Renner nunca plantou nem colheu nada no campo.


Edição 01/04/2010 - nº 66

Dinheiro Rural – Desde quando o sr. atua no conselho da SLC?

– Desde que a empresa estudava a abertura de capital eu já era consultado. A partir da venda das ações na bolsa em 2007, passei a integrar o conselho como consultor independente.

Rural – E qual é exatamente a atribuição do sr. no conselho?

Galló – Participo das decisões estratégicas, opinando do ponto de vista do mercado. Coloco sempre a visão de como o mercado pode receber tais operações ou investimento.

Rural – O sr. já tinha atuado na agricultura?

Galló – Não. Mas é um setor como qualquer outro, em que é preciso gerar ganhos, ter responsabilidade fiscal e transparências nas operações.

Rural – Esses são os pontos em que o sr. contribui?

Galló – Com certeza. A Renner tem uma longa história no mercado acionário, sendo uma das empresas mais pulverizadas do País. Conheço bem como operar nessa área e essa visão mais profissionalizada é impo r tant e para que a empresa seja bem-sucedida, esteja ela atuando no ramo que for.

O agronegócio é muito competitivo e ao mesmo tempo uma atividade de riscos grandes. Para ter bons resultados é preciso uma administração eficiente. O conselho pode ajudar muito nesse sentido, desde que não seja apenas jogo de cena.

Rural – O que o sr. chama de “jogo de cena”?

Galló – Ao se formar um conselho é preciso formalizá-lo e estar pronto para aceitar e respeitar suas decisões. É importante buscar bons nomes e ter visões diferenciadas.

Rural – Nesse ponto é importante ter pessoas que não são exatamente da área…

Galló – Exatamente. Ter profissionais diferenciados traz uma visão mais global de mercado, o que contribui para o negócio como um todo. Não é porque alguém nunca plantou soja que não pode ser importante para o mercado. O plantio é apenas uma etapa.

Rural – E as empresas agrícolas estão enxergando isso?

Galló – Sem dúvida. Cada vez mais vemos as agroindústrias bem estruturadas administrativamente. Os grandes produtores já funcionam como empresas rurais e isso deve ser uma tendência.

Rural – O sr. acredita que esse conceito de conselho de administração também pode ser aplicado nas pequenas e médias propriedades?

Galló – É mais difícil porque a formação de um conselho requer uma certa formalização que as fazendas, em sua maior parte, não estão acostumadas. Mas é, sim, algo que pode contribuir para o negócio. Não deixar as decisões apenas com os membros da família, que às vezes possuem uma visão apaixonada do negócio, pode ser muito vantajoso e até mesmo estratégico.

Rural – O custo para formar um conselho é alto?

Galló – A dificuldade está mais na questão burocrática. Os trâmites legais não necessitam de grandes investimentos. O gasto está eventualmente no salário do membro independente do conselho, que é sempre um profissional mais experimentado do mercado.

Rural – Mas é um investimento que vale a pena…

Galló – Com certeza. Ao profissionalizar e estruturar a gestão, você consegue ganhos operacionais, redução de custos, melhora nas tomadas de decisões. Sem falar que passa a enxergar novas possibilidades de mercado.

“Não é porque nunca plantei soja que não posso contribuir com o campo. O plantio é apenas uma etapa desse imenso mercado”

 

EUA impõem novo revés ao Brasil ao manter veto à carne e frustram governo

Exportações

Exportações

EUA impõem novo revés ao Brasil ao manter veto à carne e frustram governo

Doria oficializa transferência de local da Ceagesp e concessão de entrepostos

Mudança

Mudança

Doria oficializa transferência de local da Ceagesp e concessão de entrepostos


Recorde de estudantes no Vacathon, o hackathon do movimento Ideas For Milk

Inquietos

Recorde de estudantes no Vacathon, o hackathon do movimento Ideas For Milk

O movimento feminista do agro é por poder

A nova onda

O movimento feminista do agro é por poder

Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio mostra o caminho que elas estão traçando


Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central

Embrapa

Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL


Ligados pelo Araguaia

Movimento

Ligados pelo Araguaia

Na região de Mato Grosso, que já foi chamada de “vale dos esquecidos”, fazendeiros unem forças para provar que produçãocombina, sim, com conservação,intensificação e novos negócios

Aqui não tem carne

Revolução na mesa

Aqui não tem carne

Começou uma verdadeira revolução na produção de alimentos. Carnes vegetais, hambúrguer à base de ervilha, filés feitos com células de boi. Estamos na era dos alimentos sem abates de animais, um negócio que pode movimentar mais de US$ 1 trilhão


Associativismo

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Angus Beef Week terá agenda em São Paulo, Porto Alegre e Curitiba em 2019

Pecuária

Pecuária

Angus Beef Week terá agenda em São Paulo, Porto Alegre e Curitiba em 2019

Prejuízo líquido  cresce 130% no 3º tri para R$ 53,337 milhões

Terra Santa

Terra Santa

Prejuízo líquido cresce 130% no 3º tri para R$ 53,337 milhões

Sementes e agroquímicos

Corteva registra prejuízo líquido de US$ 494 milhões no 3º trimestre

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça

A transformação digital e o agronegócio

Antonio Carlos de Oliveira Freitas

Antonio Carlos de Oliveira Freitas

A transformação digital e o agronegócio

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”


Agroindústria


Agroindústria


X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.