Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

O importante é buscar a alta produtividade com tecnologia e uma dieta de baixo custo

O importante é buscar a alta produtividade com tecnologia e uma dieta de baixo custo

Marcela Caetano
Edição 01/11/2015 - nº 131

Ao longo de seus 55 anos, o argentino Ariel Maffi, vice-presidente da DSM no Brasil para a área de ruminantes, acompanhou diversas crises econômicas nos vários países latino-americanos em que viveu. Por isso, o executivo que está à frente da Tortuga, marca da gigante holandesa que produz suplementos e ração para animais, diz não se intimidar com a situação do Brasil. “Tenho mestrado em crises.” Nos últimos 11 anos, ele trabalhou em países como a Argentina, a Venezuela e o Equador, comandando a área de nutrição animal da DSM na América Latina. “No caso da criação de animais, a crise estimula o uso de suplementação, porque os produtores precisam aumentar a produtividade de seus rebanhos.” Prova do otimismo da companhia, que faturou US$ 10,1 bilhões em 2014, é o investimento de US$ 30 milhões na ampliação da unidade de Mairinque (SP) para atender a toda a América Latina. No final do mês passado, Maffi recebeu a DINHEIRO RURAL na sede da empresa, em São Paulo, para uma entrevista exclusiva.

RURAL – Do ponto de vista da nutrição, qual o principal desafio na criação de bovinos?
ARIEL MAFFI –
O principal desafio na pecuária é enfrentar o período de seca. É uma fase estratégica para a produção, na qual a suplementação com produtos energéticos e proteicos permite balancear uma dieta e manter o ganho de peso dos animais. Isso é muito diferente do passado, quando era comum a perda de peso por falta de suplementação. O período pós-parto das vacas também é crítico. Quando o bezerro está mamando, há uma alta demanda energética por parte dessas fêmeas na pecuária leiteira e também na de corte. Somente uma vaca bem nutrida volta a ovular 75 dias depois do parto, condição para que ela consiga gerar um bezerro por ano.

RURAL – A nutrição de precisão é um caminho sem volta na pecuária?
MAFFI –
A melhor forma de responder a esta pergunta é explicar o motivo que levou a DSM, que é uma empresa com foco em micronutrientes, a comprar a Tortuga em 2013. Isso porque a empresa aposta em uma intensa incorporação de micronutrientes na nutrição bovina de leite e de corte. Neste ano, nós começamos esse movimento com o conceito de OVN (optimum vitamin nutrition) incorporado às formulações dos produtos da marca. Exemplos são as enzimas, como a amilase e os óleos essenciais.

RURAL – Na criação de gado no pasto, sistema em que o Brasil se sobressai como produtor de carne, qual o espaço que a nutrição de precisão pode ocupar?
MAFFI –
A grande oportunidade está em expandir a suplementação na pecuária extensiva. Hoje, estimamos que 60% dos animais recebam uma dieta suplementada no pasto, desde o nível mínimo ao altamente especializado. Há um espaço muito grande para o crescimento da nutrição de precisão e a atual rentabilidade da pecuária estimula o produtor a incorporar tecnologias para encurtar o período até o abate dos animais. O desafio é como fazer isso. Hoje, nas pastagens brasileiras a lotação média é de 0,5 Unidade Animal por hectare (uma UA equivale a 450 quilos de peso vivo), com ganho diário de peso de 400 gramas, por animal. Isso ainda é pouco. Nas fazendas mais especializadas, por exemplo, a lotação pode chegar a quatro UAs por hectare, com ganho de peso superior a um quilo, por dia.


Bom retorno: a rentabilidade na pecuária vem estimulando um maior investimento na fase de recria dos animais

RURAL – A nutrição de precisão na bovinocultura pode alcançar a mesma amplitude já empregada na criação de suínos e aves?
MAFFI –
Nós observamos uma evolução em grandes estabelecimentos de gado de leite, principalmente naqueles que utilizam alta tecnologia. E também um incremento no confinamento, o que, consequentemente amplia o uso da nutrição de precisão. Acreditamos em um crescimento de 10% ao ano, com o Brasil confinando nove milhões de bovinos na safra 2020/2021. Sobre o total do rebanho, de 212 milhões de bovinos, o volume em sistema intensivo ainda seria pequeno. Mas isso já é suficiente para aumentar a procura pela nutrição de precisão. Ainda é preciso levar em conta o crescimento do semiconfinamento, com a suplementação animal no pasto. Estamos falando,
portanto, de até cinco quilos de ração a mais, por animal, de forma a encurtar o período até o abate.

RURAL – Como sistema de engorda, as taxas de crescimento do gado confinado têm sido pouco significativas. O que impede uma expansão mais acelerada?
MAFFI –
Embora a terminação em confinamento permita um ciclo mais curto na pecuária, o Brasil ainda dispõe de muita área para engordar gado. Assim, o confinamento não é intenso porque a produção no pasto é competitiva e permite a produção de bois de alta qualidade e de forma rentável. Isso explica o motivo de 90% da produção ser neste formato e também mostra porque o Brasil nunca chegará ao patamar de confinamento dos Estados Unidos ou México, países nos quais o gado é todo terminado em cocho.
RURAL – Que tecnologias são necessárias para encurtar o período de recria?
MAFFI –
O uso do creep feeding, que é a suplementação do bezerro ainda ao pé da mãe, no período de lactação, permite um rápido ganho de peso adicional no desmame. Esta é a chave do êxito para encurtar o ciclo da pecuária de corte. Hoje, o abate de animais destinados à produção de carne ocorre entre os 36 meses de vida, até 40 meses, em média. Com a incorporação de suplementação é possível fazer essa média baixar para 24 meses, até o máximo de 30 meses. Isso significa um ano a menos no ciclo bovino para animais comerciais. 

RURAL – O que é fundamental em um bem sucedido programa de nutrição?
MAFFI –
O tema abrange todos os componentes de uma dieta, como proteína, micronutrientes e macronutrientes. Por isso, é importante entender a produção de cada propriedade para que se possa complementar a alimentação dos animais. Por exemplo, em uma fazenda de pecuária extensiva, é preciso saber qual é o tipo de pasto, o que está faltando ao animal e em que momento deve ser realizada a suplementação estratégica.


Apoio na engorda:  alimentar o bezerro no período de lactação traz ganhos para toda a vida do animal

RURAL – Quais são as tendências em nutrição animal?
MAFFI –
Para o pecuarista, o importante é aumentar os seus lucros por meio de uma maior produção de carne por hectare. Isso é possível adicionando tecnologias às dietas, como as enzimas, que melhoram a digestão, e os óleos essenciais, que garantem o bom funcionamento do rúmen. O importante, assim como ocorre com aves e suínos, é buscar uma alta produtividade na pecuária com uma dieta de baixo custo. Isso não significa utilizar matérias primas de menor preço, mas aumentar o ganho de peso com uma dieta que incorpore tecnologia.

RURAL – Até quando vai durar a boa fase financeira que a pecuária atravessa?
MAFFI –
A bovinocultura de corte tem um bom momento confirmado para os próximos meses, e talvez para todo o ano de 2016. Especialistas apontam preço firme e sustentado para a arroba do boi gordo, e a disponibilidade de bezerro seguirá limitada. Isso é o resultado do intenso abate de fêmeas nos anos de 2013 e 2014. Agora, está começando um ciclo de retenção de fêmeas para a reprodução. Caso isso se confirme, em 2017 o setor deve encontrar um equilíbrio entre a demanda por bezerro e a oferta.

RURAL – Quais são as perspectivas para a exportação de proteína animal?
MAFFI –
Acredito que a situação atual do dólar estimula as empresas exportadoras e faz o Brasil ser mais competitivo. A abertura para a exportação de carne bovina in natura aos Estados Unidos, por exemplo, pode trazer um alto impacto aos negócios da pecuária. Embora ainda não esteja regulamentada, há expectativa de que o Brasil possa capturar parte do mercado americano quando os embarques começarem. Além disso, a China, apesar de crescer a taxas menores atualmente, na comparação com anos anteriores, segue como um mercado atrativo para o Brasil.

Rural – Até 2025, é possível atingir a projeção feita pelo governo federal de produzir, anualmente, 34 milhões de toneladas de carne bovina, suína e de frango?
MAFFI –
Do ponto de vista tecnológico e de disponibilidade de terras, o Brasil pode alcançar essa meta facilmente. A grande questão é se a demanda interna vai acompanhar o volume esperado de produção, porque essa projeção foi realizada em um outro momento de mercado. Acredito que o aumento das exportações não deve ser suficiente para compensar uma possível redução do consumo interno. Em todo o caso, a experiência que temos mostra que quando há crises, o que ocorre não é a redução do consumo de carnes, mas a migração de produtos mais caros, como a carne bovina, para proteínas mais baratas e o frango é o maior exemplo.

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.