Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

O que pode ajudar o setor da cana-de-açúcar agora é o retorno da racionalidade econômica

O que pode ajudar o setor da cana-de-açúcar agora é o retorno da racionalidade econômica

Gabriel Baldocchi
Edição 02/08/2016 - nº 139

A tempestade perfeita que atingiu as usinas de cana-de-açúcar nos últimos anos deixou marcas irreparáveis no setor, com unidades desativadas e fuga de investimentos. A sombra criada entre os empresários é hoje mais difícil de ser dissipada e justifica a desconfiança diante dos primeiros sinais de retomada, após a recente mudança de política do etanol.  Em entrevista à DINHEIRO RURAL, Elizabeth Farina, presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), repetiu várias vezes a palavra previsibilidade. “O que pode ajudar agora é o retorno da racionalidade econômica”, diz Farina. “É importante que essa nova abordagem seja vista como uma regra que veio para ficar.” Ela explica o que falta para as usinas acreditarem numa fase mais positiva e mostra porque uma política estável pode colocar o setor num novo patamar. Atualmente, há 379 usinas ativas no País, das quais 305 estão na região Centro-Sul. A previsão da safra 2016/2017 é de 691 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, novo recorde de produção nacional.

DINHEIRO RURAL – A crise dos últimos anos provocou o fechamento de mais de 85 usinas. O setor da cana-de-açúcar foi superdimensionado no País?
ELIZABETH FARINA –
O controle de preços da gasolina, o ciclo de baixa do açúcar, mais um problema climático geraram a tempestade perfeita que se concretizou no elevadíssimo endividamento das usinas e na queda de produtividade. Elas estavam alavancadas pelas respostas positivas de investimento diante da própria postura do presidente Lula, que fez marketing pelo mundo dizendo que o Brasil seria a Arábia Saudita do combustível verde. Mas a pergunta é difícil porque é contrafactual. Seria diferente se não fosse como foi? A questão é que naquele período não se pensava só o mercado interno, mas também o internacional de maneira importante. Com a crise financeira global, vários programas de incentivo a combustível limpo começaram a ser revistos. 

RURAL –Como está o setor hoje? 
FARINA –
O ano de 2015 foi melhor porque a política mudou, com a retomada da tributação sobre a gasolina, o aumento da mistura de etanol na gasolina e a política de vários Estados de aumentar o ICMS sobre a gasolina.

RURAL – Já dá para falar em recuperação em 2016? 
FARINA –
Houve melhora, inclusive com a recuperação do preço do açúcar no mercado internacional, mas não foi o suficiente para resolver o endividamento. Ele ainda é bastante elevado para cerca de 30% das usinas. Tem mais umas 30% delas, em que é elevado, mas parece caminhar para ser equacionado. Outras 30% que estão melhores e aproveitando o momento. A perspectiva de instabilidade continua apavorando o setor. Passamos um período de bastante intervencionismo, de políticas públicas difíceis ao setor privado, que espantou o investidor. O que pode ajudar o setor da cana-de-açúcar agora é o retorno da racionalidade econômica. É importante que essa nova abordagem seja vista como uma regra que veio para ficar.

RURAL – O que é preciso para o investimento voltar?
FARINA  –
Se o governo sinalizar que, passando por turbulências, ele mantém as principais regras do jogo em funcionamento, será importante. Leva tempo para construir a confiança, mas é muito fácil perder. Retomar depois é mais desafiador ainda. O presidente Michel Temer, mesmo sendo interino, tem se colocado de maneira muito respeitosa ao agronegócio. Levou uma pessoa do setor para o Ministério da Agricultura, foi à Frente Parlamentar da Agropecuária. Isso é uma sinalização importante, eu nunca havia visto um presidente na frente do agronegócio.


Energia limpa: devido a entraves regulatórios, apenas 40% das usinas geram eletricidade para o sistema nacional

RURAL – Na agenda fiscal do governo atual, há planos para elevar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) na gasolina, hoje um tributo de R$ 0,10 o litro. Qual seria o nível ideal ao setor?
FARINA –
  Nosso embasamento do imposto decorre de um estudo com parâmetros da EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) sobre preço de carbono. A metodologia consiste em calcular quanto custa para a sociedade consumir gasolina, geradora de emissões de gases do efeito estufa. O cálculo é de R$ 0,60 por litro, para compensar as externalidades positivas do etanol que não aparecem como competitividade na bomba. Não quer dizer que tem de ser R$ 0,60 ou nada, mas pode-se fazer um cronograma de aumentos. A Cide tem de ser vista como um imposto ambiental e é necessária do ponto de vista da correção de preços relativos.

RURAL – A crise provocou uma série de recuperações judiciais. Essa onda já acabou?
FARINA –
Temos 72 casos atualmente. A recuperação decorre de vários fatores e um deles é a rentabilidade corrente, que nem sempre é aproveitada por todas as usinas. Várias delas não se beneficiaram da melhora do ano passado porque já tinham vendido a produção antes desses benefícios chegarem. Embora ainda fosse safra, a necessidade muito grande de caixa acabou fazendo com que muitas vendessem a produção antecipadamente ou para produzir logo em seguida. Por isso, pode haver novos casos. Muitas se endividaram em dólar e há a questão da liquidez, que não permite o benefício da melhora. Para estancar o fechamento de usinas, teria de preservar essa situação de 2015 e as regras do jogo. 

RURAL – Há risco de que essa recuperação seja curta como um voo de galinha?
FARINA –
Somos muito sensíveis à política pública. O que acontece se a política dá uma guinada, com inflação dois dígitos, por exemplo, e precisa congelar o preço da gasolina? Precisamos de previsibilidade das regras.

RURAL – As usinas que pararam de operar vão voltar? Como ficará o setor? 
FARINA –
Em grande parte, o setor passou até por uma racionalização da produção. Como se explica 85 usinas paradas, entre 2008 e 2015, e recorde de produção no ano passado? Se explica porque a parte industrial foi fechada, mas a agrícola foi transferida para outra usina em funcionamento. Portanto, pudemos ter um processo de fechamento de usinas sem queda na produção de etanol. Agora estamos começando a bater no limite da capacidade e, portanto, uma expansão da produção vai depender também de uma expansão das novas usinas. Algumas terão condições de ser retomadas.


Parque reduzido: a crise do setor forçou 85 usinas a desativarem a produção entre os anos de 2008 e 2015

RURAL – Dá para antever um novo ciclo de investimentos?
FARINA –
Ciclo de investimento só se a gente tiver uma sinalização muito firme de que a matriz prevista nos documentos internacionais vai ser perseguida e serão adotadas políticas nessa direção. 

RURAL – Qual será o impacto no setor dos compromissos ambientais assumidos pelo Brasil na COP-21?
FARINA –
Os biocombustíveis devem passar a ser 18% da matriz e, na parte de energia, haverá um crescimento de renováveis para 23%. No programa, também tem uma parte de recuperação de terras degradadas e o setor de etanol pode contribuir com isso. Será preciso um planejamento adequado para 2020 e 2030. Considerando que levamos ao menos cinco anos para implantar uma nova usina, estamos atrasados. A estimativa é que o Brasil vá produzir 54 bilhões de litros de etanol em 2030, ou seja, quase dobrar o nível de hoje. Mas temos de começar ontem porque o tempo é curto.

RURAL – Hoje, qual o principal tema internacional do setor das energias renováveis?
FARINA –
Estamos em meio a uma troca de ofertas entre Mercosul e Europa e não foram incluídos nem o açúcar, que nunca esteve, e nem o etanol, que foi retirado. O pleito é para adicionar ambos. Com a tarifa da Europa para o açúcar, de 98 euros por tonelada, simplesmente não vamos exportar nada para lá. Nos Estados Unidos, conseguimos preservar a participação do combustível avançando nas exigências de compra pelas distribuidoras, que inclui o nosso etanol. A manutenção é importante porque havia risco de redução e o mercado americano é o nosso maior importador.

RURAL – Como a senhora avalia as políticas para a bionergia?  
FARINA –
Precisa melhorar muito a política e os leilões, para reconhecer as externalidades positivas da biomassa. Atualmente 170 usinas, ou 40% do total, colocam bioeletricidade na rede nacional, mas poderia ser mais. Não houve estímulo nos leilões para que as usinas fizessem os investimentos necessários. Um leilao A-5 (energia para cinco anos), por exemplo, dá cinco anos para começar a produzir, com um contrato de fornecimento de até 25 anos. Esse contrato ajuda a reduzir o custo de financiamento.

RURAL – Precisa de um aprimoramento regulatório, então.
FARINA –
Sim, precisa de um bom aprimoramento. Segundo nossos técnicos, há uma Itaipu adormecida nos nossos canaviais. Falta uma sinalização de regras e mais uma vez é a questão da previsibilidade: o Brasil é um País que quer energia de baixo carbono ou quer explorar o pré-sal, os fósseis, e pronto?

RURAL – O crédito presumido de PIS/Confins concedido ao setor vence em dezembro. O que Unica tem conversado com o governo?
FARINA –
Se houver o fim do crédito presumido, haverá nova perda de competitividade do etanol. Pediremos para prorrogar ou compensar com outro imposto, como a Cide.

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.