Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Onaur Ruano

Onaur Ruano

“O agricultor familiar é um ator econômicosocial importante”

Vera Ondei
Edição 01/07/2014 - nº 116

Há um marco na agricultura familiar que a livra do sentimento de ser identificada como um setor menor na economia do País? 

Até o início dos anos 2000, a única política estruturada para esse setor era o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Hoje, há 15 políticas no governo federal voltadas para subsidiar o setor. O Plano Agrícola Familiar, criado há 12 anos, também ajudou bastante. Na próxima safra, serão alocados R$ 24,1 bilhões para o setor, ante R$ 2 bilhões em 2001-2002. Também está sendo criada uma agência nacional para a assistência técnica e a extensão rural, com R$ 1 bilhão nesta safra. Isso tudo representa um conjunto de ações por deliberação política, porque de tudo o que o brasileiro põe na mesa 70% ou mais vem da pequena propriedade agrícola. 

O que mudou, de fato, além do dinheiro a mais para o setor?

Atualmente, há uma visão horizontal da agricultura familiar. Nesse modelo de processo produtivo questiona-se a ideia de que agricultor não sabe nada, o cientista sabe tudo e o extensionista só transfere conhecimento. Existe saber no agricultor familiar, há saber na academia. É preciso qualificar essa transição de conhecimento de um lado a outro. 

É possível aumentar a autoestima do agricultor familiar, sempre tão distante do padrão do grande empresário rural? 

O setor já vive uma outra realidade. Até pouco tempo atrás, o produtor tinha vergonha de ser agricultor familiar porque era a visão do atraso. Hoje é chique, é importante, tem política pública voltada para ele. O agricultor familiar passou a ser um ator econômico-social importante.  

Mas ainda há muitas reivindicações no campo…

Sim, apanhamos muito, ainda, mas no interior de um processo participativo. Quando apanhamos, há a seguinte mensagem: “avançamos, mas queremos mais”. O Plano Agrícola, por exemplo, foi  construído ouvindo as associações de classe. 

Para o agricultor ter mais renda é melhor estar em todo o processo produtivo, indo até o consumidor, ou se aliar a outros elos da cadeia? 

Depende da cadeia. No leite, por exemplo, a maior parte da produção vem da agricultura familiar. Mas, pela sua complexidade, a indústria é importante porque o produtor não consegue fazer todo o processo sozinho. Nela, a formação de preços passa a ter muitos atores. Mas, nas cadeias em que domina todo o processo, o agricultor familiar está indo até o fim. E quem determina o preço é ele, na sua relação com o mercado. 

A política de preços mínimos do governo federal tem sustentado essas cadeias? 

As compras públicas colocaram um elemento novo para a formação de preços no mercado de alimentos como um todo. Com elas se eliminam os atravessadores, não é sustentação. O agricultor familiar produz e entrega o alimento para a Conab, ou no local de consumo, processado ou in natura. Os preços mínimos se baseiam em metodologias de mercado para o arroz, o feijão, etc. 

Mas essas políticas públicas podem afetar o preço de mercado?

Os preços não são tabelados, estatizados ou governamentais, são de mercado. Um Estado responsável não pode estimular a produção sem preço mínimo. O preço mínimo é uma garantia. O produtorsabe que, se o mercado ficar desfavorável, haverá uma saída.

Há outros estímulos de mercado, além do preço mínimo?

Um dos mais importantes programas é o Mais Gestão, criado há cinco anos com viés gerencial da propriedade e que ensina o produtor a ser um homem de negócio. Hoje, de 1,1 mil cooperativas com a DAP Jurídica, a Declaração de Aptidão ao Pronaf, 457 estão recebendo o Mais Gestão. Nessas cooperativas estão 455 mil famílias. 

Há cadeias produtivas mais abertas a receber esse tipo de assistência?

Não é novidade para ninguém a diversidade do Brasil. Não dá para comparar um agricultor familiar do oeste do Paraná ou sudoeste de Santa Catarina, com um agricultor da Amazônia ou do Semiárido. São culturas completamente diferentes. No Sul, o associativismo e o cooperativismo fazem parte da cultura, enquanto no Norte e Nordeste não. Por isso, são necessárias as políticas públicas. Depois eles vão com as próprias pernas. Mudam-se posturas. 

As mudanças passam, necessariamente, pelo bolso do produtor?

Quando não é cultural, completamente. Porque o produtor não só vende coletivamente, ele compra coletivamente. Uma coisa é comprar um saco de milho semente, outra coisa é comprar mil sacos. Ganhos de escala servem para todo mundo.

 

OIE notifica 507 novos focos da peste suína, para total de 9.491 surtos no mundo

Área atingida

Área atingida

OIE notifica 507 novos focos da peste suína, para total de 9.491 surtos no mundo

ANTT terá economia de R$ 590 milhões com desburocratização

Simplificando processos

Simplificando processos

ANTT terá economia de R$ 590 milhões com desburocratização


4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio tem foco em gestão

Movimento no campo

4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio tem foco em gestão

O movimento feminista do agro é por poder

A nova onda

O movimento feminista do agro é por poder

Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio mostra o caminho que elas estão traçando


Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central

Embrapa

Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central


Saúde Animal

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Congresso Latino-americano de Avicultura mostra o potencial do setor

Futuro em pauta

Futuro em pauta

Congresso Latino-americano de Avicultura mostra o potencial do setor

Evento que acontece em Lima, no Peru, reúne 600 empresas e um público de 5 mil pessoas por dia

GenesisGroup e AgroSafety associam-se para fortalecer a segurança agroalimentar na cadeia produtiva

Fusão

Fusão

GenesisGroup e AgroSafety associam-se para fortalecer a segurança agroalimentar na cadeia produtiva

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi


Agroindústria


Agroindústria

Debêntures incentivadas em biocombustível somam R$ 4,1 bi em investimentos

Campo produtivo

Campo produtivo

Debêntures incentivadas em biocombustível somam R$ 4,1 bi em investimentos


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.