Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Não existe só ano de preços bons na cana

Não existe só ano de preços bons na cana

Empresário que mais comprou usinas de álcool em 2007 não desanima com o cenário atual e busca novas oportunidades


Edição 01/02/2008 - nº 40

 

Sergio Thompson-Flores

Há dois anos, o ex-diplomata Sergio Thompson-Flores fundou a Infinity Bio-Energy. De lá para cá, não perde uma boa oportunidade no setor. Seu grupo foi o que mais comprou no ano passado. Ao todo, foram oito aquisições. Este ano não deve ser diferente, já que o grupo está para abrir capital na Bovespa. Mesmo frente a um cenário que aponta baixos preços para o etanol neste ano, o executivo não esmorece: “Estamos preparados para esta realidade de oscilação de mercado”. A seguir, sua entrevista à DINHEIRO RURAL.

DINHEIRO RURAL – O setor vive um momento turbulento. Muitas usinas anunciadas não saíram do papel, mas a Infinity foi à empresa que mais aquisições fez em 2007…

Sergio Thompson Flores – Eu dividiria o cenário em três grupos. Os tradicionais que souberam se organizar para esta fase nova, em que o álcool e açúcar estão se inserindo em escala mundial, cada vez mais estruturados e menos fácil para usinas menores que não têm estrutura de balanço, de capital para lidar com a realidade do agronegócio: juros e oscilações de preço. Nesta categoria, entram Cosan, Santelisa Vale, Nova América, São Martinho. O segundo grupo seria as usinas que são extensões de grupos internacionais e têm na produção de açúcar e álcool uma parte de seu negócio. São consumidoras finais, no caso de açúcar, ou intermediárias como Cargill e Bunge. A produção é matéria-prima para uma atividade, que engloba outras coisas. É parte de uma cadeia integrada de trading, não uma cadeia integrada de combustíveis. A terceira categoria são as empresas novas que nasceram com o propósito de criar um agronegócio, que é o caso nosso. Nascemos com a lógica de uma empresa integrada, verticalizada, que vai da produção até a entrega do álcool no mercado de destino, com foco muito grande no álcool, que talvez seja um fator de diferenciação nosso. Estes três grupos estão preparados para esta realidade de mercado de oscilações, sabem que vão precisar investir para criar um mercado de destino internacional.

RURAL – E as outras usinas?

Thompson Flores – Há usinas que se lançaram neste setor em 2006 com um entusiasmo enorme, que talvez não tivessem com a estrutura por trás de capital, de gestão e posições estratégicas. Isso porque é um jogo de anos bons, anos ruins, e você precisa ter balanço que sustente os anos ruins. Quem entrou pensando que só iria ter ano bom, está recaindo em seus investimentos. Mas ter uma enorme convergência de recursos para um setor em meio ao entusiasmo é comum . Em um segundo momento, você filtra e ficam aqueles que têm uma visão de longo prazo.

“A convicção de um crescimento inevitável no consumo de álcool é generalizada”

RURAL – O crescimento da produção da cana-de-açúcar não é um risco já que o mercado não está consolidado?

Thompson Flores – Não acredito nisso. Os dados apontam que a produção de álcool em 2007 cresceu em torno de 15%. Os mesmos dados apontam que o consumo brasileiro aumentou quase 25%. O que está acontecendo é um descasamento entre oferta e demanda e, se você olhar o mundo, é mais impressionante ainda. A Câmara dos Deputados Americanos aprovou uma sanção, que foi encaminhada para ser aprovada pelo Congresso, que mais que dobra a mistura de álcool na gasolina nos EUA. É difícil imaginar que este volume seja todo proveniente de milho. O mesmo DINHEIRO RURAL/040-FEVEREIRO 2008 15 está acontecendo na Europa. E o Japão, claramente, declarou que vê no álcool uma opção de segurança energética. O problema é que estamos em um ponto de inflexão, com comércio internacional resistente. Precisamos de canais de transportes e, a partir da disponibilidade destes canais, precisaremos investir em soluções próprias. Além de transportar o álcool para lá, precisamos acostumar o consumidor com esta idéia. É um processo e neste processo tem o ovo e a galinha. Você não mistura o álcool de maneira obrigatória, enquanto não tiver o álcool disponível. E não tem o álcool 100% disponível, enquanto não tiver o consumo assegurado. Mas a convicção de um crescimento inevitável no consumo de álcool é generalizada. E o Brasil tem que desempenhar um papel de liderança neste processo, porque é o País com maior capacidade de crescimento e com o custo mais baixo em nível mundial.

RURAL – O crescimento da produção da cana-de-açúcar não é um risco já que o mercado não está consolidado?

Thompson Flores – Não acredito nisso. Os dados apontam que a produção de álcool em 2007 cresceu em torno de 15%. Os mesmos dados apontam que o consumo brasileiro aumentou quase 25%. O que está acontecendo é um descasamento entre oferta e demanda e, se você olhar o mundo, é mais impressionante ainda. A Câmara dos Deputados Americanos aprovou uma sanção, que foi encaminhada para ser aprovada pelo Congresso, que mais que dobra a mistura de álcool na gasolina nos EUA. É difícil imaginar que este volume seja todo proveniente de milho. O mesmo DINHEIRO RURAL/040-FEVEREIRO 2008 15 está acontecendo na Europa. E o Japão, claramente, declarou que vê no álcool uma opção de segurança energética. O problema é que estamos em um ponto de inflexão, com comércio internacional resistente. Precisamos de canais de transportes e, a partir da disponibilidade destes canais, precisaremos investir em soluções próprias. Além de transportar o álcool para lá, precisamos acostumar o consumidor com esta idéia. É um processo e neste processo tem o ovo e a galinha. Você não mistura o álcool de maneira obrigatória, enquanto não tiver o álcool disponível. E não tem o álcool 100% disponível, enquanto não tiver o consumo assegurado. Mas a convicção de um crescimento inevitável no consumo de álcool é generalizada. E o Brasil tem que desempenhar um papel de liderança neste processo, porque é o País com maior capacidade de crescimento e com o custo mais baixo em nível mundial.

RURAL – Há a política de estocagem?

Thompson Flores – De alguns grupos, sim. Outros grupos não conseguem. Hoje você tem 340 usinas no Brasil. Enquanto 100 estocaram um volume relevante, a maior parte foi obrigada a vender à medida que produziam. Da mesma forma que a produção é concentrada em sete meses, os custos também são. Então, se caem os preços, as usinas precisam vender mais para cobrir os custos e acabam sendo obrigadas a vender mais e a vender quase toda a produção. O mercado precisa amadurecer, para que se tenha uma estabilidade de preço ao longo do ano. Com menos sazonalidade, o mercado seria mais saudável tanto para as usinas e quanto para o consumidor. Hoje, os distribuidores ganham muito quando o preço cai nas usinas, pois não repassam ao consumidor no dia seguinte, repassam com uma defasagem grande. No ano passado, a defasagem foi de mais de 30 dias e os estoques são de 10, 15 dias.

RURAL – A Infinity fechou o ano com quantas aquisições?

Thompson Flores – Oito aquisições no total entre usinas operando, usinas em construção que ficam prontas este ano e usinas em construção que ficam prontas em 2009.

RURAL – Então, finalizaram o ano com qual produção?

Thompson Flores – Um pouco mais de 200 milhões de litros e este ano produziremos quase 450 milhões de litros, pois estamos indo para 8 milhões de toneladas de moagem com uma capacidade instalada para mais de 11 milhões. Nossa preocupação nas aquisições foi de comprar ativos com capacidade de expansão, em que pudéssemos crescer em cima da base original.

“Nos mercados novos, da Ásia, o trabalho de hoje resultará logo em mais exportação”

RURAL – O foco de vocês está no mercado externo, não?

Thompson Flores – O investimento nosso é construído no mercado externo. Só que no ano passado foi o mercado interno que representou 90% do consumo da produção. Não faz sentido você produzir no Brasil e não dar prioridade ao mercado brasileiro. Mas nosso foco está na construção de estratégias no mercado internacional.

RURAL – Vocês têm contrato de estocagem em Houston, há perspectivas de novos contratos em outros portos?

Thompson Flores – Estamos olhando três portos nos EUA e dois na Europa. A gente acha que tem que deixar o álcool disponível ao europeu e ao americano para hora que eles precisarem. Isso vai ajudar a amadurecer o mercado e abrir janelas de oportunidades.

RURAL – Mas a perspectiva da Unica é que para 2012 vai sobrar álcool…

Thompson Flores – A médio prazo, eles estão certos. Você tem que construir mercado mundial, esta é a lógica. Mas uma lógica que não preocupa. A cada dia, há um crescimento das oportunidades internacionais.

RURAL – A distribuição é um entrave?

Thompson Flores – O setor produtivo brasileiro é tão eficiente que conseguiu disponibilizar álcool praticamente no País inteiro transportado por caminhão. Obviamente vai haver a construção de outros modais: barcaças, trens, dutos, que vão reduzir o custo dos transportes. Mas o álcool já está disponível no mercado brasileiro num custo baixo para o consumidor, apesar dos custos logísticos. A médio prazo, vai ter um ganha-ganha. Uma solução logística mais barata para o consumidor e uma margem um pouco melhor para usinas.

RURAL – Qual seria a solução para este dilema logístico?

Thompson Flores – Tem dezenas de grupos no Brasil vendo alternativas. Nós estamos olhando dois dutos: um para viabilizar nossa saída do Mato Grosso do Sul, outro no Espírito Santo. Também estamos conversando com operadores de barcaças no Rio Paraguai e no Rio Paraná para reduzir os custos de transporte do Paraná para São Paulo e do Paraguai para a exportação, através da descida pelo Paraguai e saída pelo porto de Nova Palmira, no Uruguai. As soluções vão ser um fator da competitividade brasileira a longo prazo e a mesma coisa vai acontecer lá fora.

RURAL – Mas a distribuição ainda não está resolvida…

Thompson Flores – Sem dúvida. Para se investir em um duto, você precisa ter 1,5 bilhão a 2 bilhões de litros de produto comprometidos com aquele duto. Isto é quase o total da exportação brasileira no ano passado. Você constrói mais logística, compromete mais volume e aumenta a capacidade para atender o fluxo de exportação. Estas três coisas vão acontecendo mais ou menos juntas. Hoje, se você fosse exportar 2 bilhões de litros a mais, faltaria álcool no Brasil.

RURAL – Este receio do mercado externo em relação ao etanol brasileiro é por conta de dúvidas sobre capacidade de dar continuidade ao abastecimento?

Thompson Flores – É uma mistura de fatores. Você precisa construir capacidade para ter volume e atender esta demanda adicional. Segundo, algumas dificuldades de mercado são barreiras protecionistas. O mercado europeu e americano tem uma realidade econômica diferente em função de padrões protecionistas, tarifas muito altas de exportação e subsídio aos produtores locais. Nos mercados novos, o que está sendo feito hoje resultará em exportação daqui a dois anos, caso do Japão e da China. Eles querem amarrar os volumes, construir soluções logísticas que otimizem custos e se preparar para optar por aqueles fluxos que estiverem disponíveis a um custo competitivo.

RURAL – Segundo analistas, este vai ser mais um ano de preços baixos. Qual a estratégia da Infinity?

Thompson Flores – Fazer a gestão de estoque que foi feita em 2007. Vender menos durante o pico da safra e concentrar a venda na entressafra, o que é bom para o mercado. Se alguns não tivessem fazendo isso, você chegaria na entressafra sem produto e os preços seriam ainda mais altos ou faltaria produto.

RURAL – A Infinity abriu capital na Bolsa de Londres e está com registro na CVM…

Thompson Flores – Pretendemos abrir este ano o capital no Brasil, no novo mercado.

RURAL – Vão usar este capital aonde?

Thompson Flores – Em investimentos em produção no Brasil. As unidades no Caribe e na América Central nos dão uma capacidade local de produção, que permite acesso ao mercado americano sem pagar tarifas, desidratando álcool brasileiro. Eles são um complemento da plataforma nossa que vai continuar sendo o Brasil.

RURAL – Um argumento constante dos ambientalistas é que o etanol não pode ser considerado um combustível limpo, já que a cana usa fertilizantes de origem fóssil…

Thompson Flores – Aqueles que não querem fazer nada dizem isso: não faça nada, pois tudo que você fizer será imperfeito. É gritante a irracionalidade dos argumentos contra o álcool do ponto de vista ambiental. Dou um exemplo: em um litro de gasolina, 2,9 quilos de carbono são emitidos para que aquele combustível seja despejado no seu tanque. No mesmo litro de álcool, você emite 250 gramas de carbono.

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.