Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

O biodiesel irá para as mãos dos estrangeiros

O biodiesel irá para as mãos dos estrangeiros

O presidente da Vanguarda Agro, Bento Moreira Franco, explica por que o combustível ficou em segundo plano no País

Alécia Pontes
Edição 01/11/2011 - nº 85

 

A Brasil Ecodiesel nasceu com o biodiesel em seu DNA . Pelo menos era essa a ideia, em 2003, que sustentava o projeto do empresário Daniel Birmann, fundador e maior acionista à época. O projeto tinha um padrinho de peso: ninguém menos do que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que sonhava transformar o País em referência mundial. Mas o sonho se evaporou, Birmann saiu da empresa, que entrou em dificuldades e em setembro deixou de ter o biodiesel como cartão de visitas, ao incorporar a Vanguarda Agropecuária, um negócio de R$ 1,1 bilhão em ações. No comando da nova empresa, o economista Bento Moreira Franco disse, em entrevista à DINHEIRO RURAL , que faltam incentivos fiscais e pesquisas para o setor.

DINHEIRO RURAL – Por que a Brasil Ecodiesel, agora Vanguarda Agro, decidiu redirecionar suas operações para dentro da fazenda?

BENTO MOREIRA FRANCO – Mudamos porque a dinâmica do setor agrícola é muito mais clara do que a dinâmica do setor de biodiesel. A empresa vai para a agricultura por causa da crescente demanda global por alimentos, enquanto o mercado de biodiesel está saturado. Por outro lado, também é uma possibilidade de nos protegermos na cadeia produtiva, já que a fazenda é o começo dela.

RURAL – A Vanguarda Agro nasce de que tamanho?

MOREIRA FRANCO – Juntas, a Brasil Ecodiesel, a Maeda – empresa incorporada em dezembro de 2010 – e a Vanguarda possuem 330 mil hectares de terras na Bahia, em Mato Grosso e no Piauí, para o cultivo de soja, milho e algodão. A Vanguarda corresponde a duas Maedas e meia. Ela trouxe mais terra, produção e geração de caixa, o que torna a Vanguarda Agro a maior produtora agrícola do País. Só em soja, por exemplo, são 700 mil toneladas por safra. Há, também, ganhos de sinergia. Na compra de fertilizantes, a economia é de US$ 100 por tonelada.

RURAL – Qual a estratégia para os próximos anos?

MOREIRA FRANCO – Na agricultura há muito espaço para crescer. O esmagamento de grãos tem alguns grandes players, empresas brasileiras de excelência, mas ainda existe espaço para avançar. As maiores traders são responsáveis por 20% a 25% do esmagamento de grãos no País. O que não é o caso do setor agrícola produtivo. Essa foi uma das razões para irmos à fazenda.

RURAL – Então a empresa vai comprar mais terras?

MOREIRA FRANCO – A partir de agora vamos integrar as três empresas para que operem em conjunto. Depois, vamos às terras. Hoje, temos uma ação que é líquida no mercado de capitais e que pode ser utilizada como moeda para a compra de novas empresas. Já estamos com algumas em vista.

 

“Quase ninguém sabe como é formulado o preço desse biocombustivel”

 

RURAL – O biodiesel vai perder espaço, em função da produção de grãos?

MOREIRA FRANCO – Nossa produção de biodiesel não vai diminuir. Ele é um ativo importante, representa 40% de nossas vendas e não temos intenção de deixá-lo. A mudança que ocorre está na receita da empresa que, como um todo, aumentará muito. Com a agricultura, agregamos mais geração de caixa. Assim, de uma empresa que até 13 meses atrás obtinha 100% de suas receitas do biodiesel, com um faturamento de R$ 600 milhões, passa a ter hoje uma receita de R$ 1,5 bilhão por ano, com 60% representados pela agricultura.

RURAL – Por que o setor de biodiesel é ocioso?

MOREIRA FRANCO – Porque a demanda ainda é menor do que a capacidade de produção. Há um marco regulatório do Governo Federal que determina a mistura de apenas 5% de biodiesel no diesel mineral. Mas, hoje, poderíamos suprir o dobro dessa cota, adicionando 10% na mistura. Para que isso ocorra, precisamos de uma lei ampliando o percentual máximo.

RURAL – Em vista disso, o Brasil deveria diminuir a importação de diesel?

MOREIRA FRANCO – O Brasil é importador de diesel porque o petróleo brasileiro, quando é refinado, gera mais gasolina e menos diesel mineral do que precisamos. O Brasil é um importador de diesel mineral e um exportador de gasolina. Aliás, também é um importador de etanol de milho, o que é uma vergonha. Caso a proporção da mistura de biodiesel no diesel aumentasse, com certeza importaríamos menos diesel mineral.

 

RURAL – O Brasil é o único produtor mundial de biodiesel com capacidade ociosa?

MOREIRA FRANCO – Prefiro dizer que o único produtor sem uma capacidade ociosa grande é a Argentina. Para isso, o país montou uma enorme cadeia de incentivos fiscais para produzir biodiesel e exportá-lo. Na Argentina, quem mira o mercado externo paga menos impostos.

RURAL – O que falta para essa cadeia evoluir no Brasil?

MOREIRA FRANCO – Os pesquisadores descobrirem qual é a “cana-de-açúcar” do biodiesel. Precisamos de uma matéria-prima que não concorra com o alimento, como ocorre com o biodiesel à base de soja. As culturas de ciclo curto se enquadram muito bem em um mercado com leilões de biocombustível determinados pelo governo a cada três meses. A mamona já foi uma possibilidade de produção de ciclo curto.

RURAL – E por que não é mais?

MOREIRA FRANCO – Até 2007 existia uma especificação para a produção do biodiesel, chamada APN 42, em que era possível utilizar 100% de óleo de mamona. Mas o governo federal, encantado por alguma coisa que não sei o que é, resolveu aproximar a especificação brasileira daquela que se pratica na Europa. O que significou isso? Explico: por densidade, 80% do óleo de mamona poderia ser utilizado na fabricação de biodiesel e, por viscosidade, apenas 20%. Acontece que a viscosidade – que na química é o poder de um líquido permanecer fluido –, é uma das barreiras técnicas da mamona como matéria-prima. Com isso, o próprio governo desestimulou estudos para viabilizar seu cultivo.

RURAL – O biodiesel vai cair nas mãos do capital estrangeiro?

MOREIRA FRANCO – Atualmente, a maior parte do mercado de biodiesel está nas mãos do capital nacional. Mas uma parte considerável, provavelmente, irá para as mãos dos estrangeiros. Isso já acontece no esmagamento, que é o passo anterior na cadeia de produção. Nesse setor, a tendência é que ele seja incorporado cada vez mais pelas multinacionais. Veja que no açúcar e no álcool a presença do capital estrangeiro tem aumentado muito nos últimos cinco anos. No biodiesel, o maior expoente é a americana Archer Daniels Midland (ADM). Agora, há rumores de que a Cargill e a Bunge têm projetos de biodiesel, mas elas ainda não se manifestaram.

 

“Falta os pesquisadores descobrirem qual é a ‘canade- açúcar’ do biodiesel”

 

RURAL – Como ocorre a formação de preço do biodiesel que vai para o mercado consumidor?

MOREIRA FRANCO – Não sei e acho que quase ninguém sabe. O governo nunca divulgou claramente como isso ocorre. Os técnicos alegam ter uma fórmula de preço que leva em consideração uma série de itens. Para nós, a impressão é que eles fazem uma pequena projeção de câmbio e de preços, principalmente do preço do óleo de soja. E ultimamente, nos parece que os técnicos têm levado um pouco em consideração também o preço de sebo bovino.

RURAL – E o custo da logística não é levado em conta?

MOREIRA FRANCO – Passou a ser levado em conta recentemente. Nesses leilões de que estamos participando, para entregar o biodiesel nos meses de outubro, novembro e dezembro, pela primeira vez o governo colocou uma variável no preço, chamada de fator de ajuste logístico, algo que tenta colocar em perspectiva o valor diferenciado para a matéria-prima nas diversas regiões do Brasil. Com o fator logístico, o mercado ficou mais justo, digamos assim, para quem tem fábricas no Brasil inteiro, como nós. Tanto é verdade que conseguimos o melhor preço no último leilão de outubro.

RURAL – Quanto custa construir uma usina?

MOREIRA FRANCO – A grande questão por trás desse negócio chamado biodiesel é conseguir fazer um giro rápido da produção porque o custo da matéria-prima é bem mais relevante do que o investimento para se construir uma fábrica. Os investimentos são feitos sempre em unidades pequenas, em relação ao potencial faturamento. Por exemplo, devemos faturar próximo de R$ 200 milhões neste quarto trimestre de 2011, com mais ou menos 50 mil metros cúbicos de biodiesel produzido. Uma planta para a fabricação desse volume, a custo de reposição, necessitaria hoje de um aporte de capital entre R$ 40 milhões e R$ 50 milhões. Mas precisamos de R$ 100 milhões, pelo menos, para a aquisição de matéria-prima.

No Japão, empresas de grãos especiais fecham US$ 2,1 mi em negócios

Café

Café

No Japão, empresas de grãos especiais fecham US$ 2,1 mi em negócios

Júri de concurso de cafés especiais define 124 lotes para fase nacional

BSCA

BSCA

Júri de concurso de cafés especiais define 124 lotes para fase nacional

Asiáticos

Oferta de carne suína da China continuará restrita por anos, avalia Jefferies

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

General Mills registra lucro líquido de US$ 520,6 milhões no 1º tri fiscal

Alimentos

Alimentos

General Mills registra lucro líquido de US$ 520,6 milhões no 1º tri fiscal

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.