Edição nº 169 15.05 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

O Brasil tem como dobrar a produção de etanol

O Brasil tem como dobrar a produção de etanol

Vice-presidente da americana Coskata revela como a empresa pretende ganhar bilhões com sua tecnologia que produz etanol a partir de biomassa

EDUARDO SAVANACHI
Edição 01/09/2008 - nº 47

Wes Bolsen é um dos homens que estão à frente da Coskata, empresa americana criada há pouco mais de dois anos e que pretende revolucionar a produção de etanol. Ele garante que sua companhia desenvolveu a tecnologia capaz de produzir o combustível a partir dos mais variados materiais, como bagaço de cana, madeira, pneus, lixo, entre outros. Tudo a um custo de US$ 1 por galão (3,8 litros). Durante rápida passagem pelo Brasil, ele concedeu entrevista exclusiva à DINHEIRO RURAL e falou dos planos da empresa para produzir 100 milhões de galões de etanol por ano, a partir de 2011.

DINHEIRO RURAL – Como funciona a tecnologia desenvolvida pela Coskata?

WES BOLSEN – Basicamente nós pegamos a biomassa, que pode vir de pneus, lixo, milho, bagaço de cana, madeira, etc. Enfim, qualquer material que tenha como componente o carbono. Esse material é introduzido em um equipamento chamado de gaseificador e nele é gerado um gás que é levado para um biorreator, onde ficam os microorganismos que desenvolvemos. Esses microorganismos respiram esse gás e produzem o etanol de uma forma eficiente e barata.

RURAL – E qual o custo de produção?

BOLSEN -Estimamos que o custo para se produzir esse etanol é US$ 1 por galão. Além disso, do ponto de vista ambiental também há vantagens, já que esse etanol feito a partir da biomassa emite menos gases prejudiciais. Em relação à gasolina a emissão é 96% menor e chega a 20% menos do que o etanol de milho.

RURAL – Essa tecnologia já está totalmente dominada ou ainda precisa ser aperfeiçoada?

BOLSEN – A pesquisa já foi melhorada em 600 vezes desde que começamos a desenvolvê- la, há dois anos. Hoje, a bactéria que gera o etanol está totalmente desenvolvida e o processo de produção também está totalmente dominado. Só falta juntar tudo e iniciar a produção em larga escala.

RURAL – Então ainda não há produção comercial desse tipo de etanol? BOLSEN – Ainda não é algo comercial. Já temos uma produção piloto na cidade de Chicago (EUA) com ótimos resultados. Estamos construindo junto com a GM uma usina na Pensilvânia, que deve entrar em operação no primeiro trimestre de 2009, em princípio como demonstração da tecnologia. Mas nossa expectativa é que, a partir de 2011, poderemos ser capazes de produzir 100 milhões de galões por ano.

RURAL – O negócio da Coskata é comercializar a tecnologia ou produzir etanol?

BOLSEN – Na verdade pretendemos atuar nas duas pontas. Nós iremos licenciar a tecnologia para empresas que se mostrem interessadas e pretendemos também produzir etanol. Ainda estamos estudando a melhor forma de fazer isso.

RURAL – O Brasil está na rota desses novos investimentos?

BOLSEN – Certamente. Viemos visitar o País a convite do presidente da União das Indústrias Canavieiras (Unica), Marcos Jank, que já esteve nos visitando na nossa sede, no Estado de Illinois (EUA). A idéia é conhecer de perto o modelo de produção do etanol brasileiro e apresentar nossa tecnologia para empresas brasileiras. Conversamos com grandes usineiros como o Rubens Ometto, da Cosan, com representantes da Refinaria Costa Pinto, e estive no Rio de Janeiro para encontrar com diretores da Petrobras. Trata-se de uma grande empresa que poderia ter seu excedente de gás usado para produção de etanol, através da nossa tecnologia. Na verdade não pretendemos investir 100% no País, mas sim criar joint ventures com empresas como essas que visitamos e outras companhias que sejam interessantes.

RURAL – E já há algum negócio fechado?

BOLSEN – Não, ainda não há nada de concreto. Na verdade estamos em fase de analisar possibilidades e de mostrar a tecnologia para essas empresas. Mas vejo o Brasil como o número 1, fora dos EUA, para utilizar essa tecnologia. Muitas empresas químicas do País estão interessadas em dar o segundo passo e produzir o etanol de segunda geração. Como o açúcar complementa o etanol, o bagaço será outro complemento.

RURAL – Qual a sua impressão sobre o modelo de produção do etanol brasileiro?

BOLSEN – Fiquei impressionado, pois o País tem uma produção extremamente consolidada. É muito fácil dobrar a produção de etanol no Brasil. Porque aqui existem excedentes produzidos nas próprias usinas, como o bagaço de cana, que pode ser usado para a geração de etanol. Além disso, o País possui uma grande infra- estrutura de transporte, de logística, com o consumo do álcool bem disseminado e praticamente todos os postos com bombas para o álcool.

RURAL – Comparando com os Estados Unidos…

BOLSEN -Esse tipo de infra-estrutura ainda é um problema nos EUA. Sem dúvida o Brasil é o país com o maior potencial de expansão da produção e com as maiores oportunidades no mundo como exportador de etanol. Porque já tem uma produção estruturada, tecnologia bem dominada, e o mais importante: capacidade de produzir a um custo muito baixo.

RURAL – E como as empresas brasileiras receberam essa nova tecnologia? BOLSEN – Os produtores se mostraram interessados e percebo uma grande oportunidade de utilizar essa tecnologia no Brasil. A produção é feita através de um processo conjugado, ou seja, não há necessidade de nenhuma transformação na estrutura que já existe, pois as operações são feitas simultaneamente. Nossa estimativa de investimento para a implantação de um projeto de produção com a tecnologia que desenvolvemos é de aproximadamente US$ 200 milhões. Mas isso é um valor que varia muito, pois algumas usinas já possuem alguma estrutura, como gaseificador, o que reduz esse investimento.

RURAL – Esse investimento não pode ser considerado alto e inviabilizar essa tecnologia economicamente?

BOLSEN – Acredito que não. Como falei, esse valor é uma estimativa, que permitiria acrescentar 30 milhões de galões por ano à produção da empresa. Além disso, o custo de produção reduziria drasticamente, uma vez que estipulamos que o custo para produzir o etanol seria de US$ 0,25 por litro.

RURAL – Mas e a parte técnica…

BOLSEN – Tecnicamente também a tecnologia é totalmente viável para ser produzida em larga escala. Há 20 anos eu não poderia dizer isso, mas hoje, com toda a pesquisa que desenvolvemos, é totalmente possível. A Coskata foi criada para desenvolver essa tecnologia e conseguimos isso mais rapidamente do que esperávamos e por isso conseguimos ampliar a capacidade de melhoramento da tecnologia. Por isso, faz todo sentido dizer que podemos produzir em larga escala de maneira econômica e tecnologicamente viável.

RURAL – Para chegar nesse estágio, quanto foi investido?

BOLSEN – Tivemos aportes de capital de várias empresas importantes como Khosla Ventures, que é uma das que mais investem na produção de etanol no mundo. Também contamos com a GM que hoje é uma das sócias da Coskata. Então o capital investido veio de um grupo de empresas que acreditam na nossa pesquisa. Por contrato não podemos revelar o total nem a participação de cada empresa. Mas, para se ter uma idéia, acabamos de receber US$ 50 milhões em novos investimentos. Esse é o ultimo aporte antes de iniciarmos nossa abertura de capital nos Estados Unidos. O que deve acontecer em breve.

RURAL – Hoje, a empresa vive de que tipo de receita?

BOLSEN – Na verdade não temos faturamento. A empresa funciona como um centro de pesquisa privado. A partir do ano que vem, quando começarmos a licenciar a tecnologia e iniciar os projetos de produção do etanol, começaremos a contabilizar ganhos.

RURAL – Então, foi nesse ponto que a General Motors entrou como parceira… BOLSEN – Nós anunciamos essa parceria em janeiro de 2008. A GM procura fornecedores para combustíveis alternativos, principalmente em relação ao etanol de segunda geração. Como o etanol nos Estados Unidos é produzido a partir do milho, a empresa acredita que é preciso ter um etanol que permita outras possibilidades. Ela seleciona fornecedores e encontrou a Coskata e hoje a GM é uma das sócias da empresa. Fazemos um trabalho conjunto para não colocar no mercado etanol feito a partir de alimentos e sim de outras formas. Não só nos Estados Unidos, mas também em outros mercados importantes como China e Europa.

RURAL- Além disso, a GM domina a tecnologia flex…

BOLSEN – Sem dúvida a tecnologia flex implantada nos automóveis abriu grandes oportunidades para alavancar o mercado de álcool. Nós acreditamos que até 2012 metade da frota de veículos zero-quilômetro dos Estados Unidos será flex. Esse é um grande mercado e essa é a nossa expectativa. Trabalhamos com a previsão de que os EUA sigam o modelo adotado pelo Brasil e que isso será uma grande oportunidade.

RURAL – Se o etanol brasileiro é tão superior, por que insistir no álcool de milho?

BOLSEN – Acho que isso é mais uma questão de oportunidade. Nos Estados Unidos a produção de milho ocupa uma área pequena e existe espaço para expandir essa produção, tanto para o milho usado como alimento como para o milho destinado exclusivamente ao etanol. Assim como no Brasil, os Estados Unidos dispõem de bastante terra para a produção de alimentos e de energia. Nós estimamos que os Estados Unidos produzam cerca de 1 bilhão de toneladas de biomassa por ano, ou 100 bilhões de galões de etanol por ano, através do processo da Coskata.

RURAL – Existe hoje uma grande discussão para definir padrões e tornar o etanol uma commodity. Como avalia essa questão?

BOLSEN – Acho que o etanol de fato precisa ser mundialmente padronizado e acredito que se tornará uma commodity. Na minha opinião, é algo inevitável e acredito que a nossa tecnologia até contribua para isso. A coisa mais importante da Coskata é que essa tecnologia possibilita produzir etanol onde a biomassa está. Esse na verdade é o pulo do gato. Com o etanol feito a partir da biomassa será possível desconcentrar a produção mundial de etanol, o que é um dos pontos importantes para tornar o produto uma commodity. Além disso, ela pode fazer com que os países fiquem menos dependentes de regiões como a Arábia Saudita, no caso do petróleo.


Política

MP de Bolsonaro mantém demarcação de terras indígenas na Agricultura

China manterá tarifas sobre importação de ração para gado dos EUA

Proteína animal

Proteína animal

China manterá tarifas sobre importação de ração para gado dos EUA


Brasil aciona OMC contra barreiras impostas pela Indonésia

Carne de frango

Brasil aciona OMC contra barreiras impostas pela Indonésia

ANP define critérios para metas compulsórias de redução de emissões

RenovaBio

ANP define critérios para metas compulsórias de redução de emissões

USDA

EUA vendem 75,1 mil fardos de algodão da safra 2018/19 na semana

IBGE

Aquisição de leite sobe 3,0% no 1º trimestre ante 1º tri de 2018

Ovos de galinha

Produção cresce 6,0% no 1º trimestre ante 1º tri de 2018

Órgãos reguladores pretendem flexibilizar regras para fintech

Nova Economia

Nova Economia

Órgãos reguladores pretendem flexibilizar regras para fintech

Recursos

Contratação de crédito rural até maio chega a R$ 158,7 bilhões

Caminhoneiros

Petrobras vai rever periodicidade de reajustes de diesel

Pequenos

Relatório de crédito extra eleva em R$ 80 milhões recursos ao Pronaf

São Martinho firma protocolo para nova unidade de produção de etanol de milho

Usina

Usina

São Martinho firma protocolo para nova unidade de produção de etanol de milho

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Cooperativa Santa Clara vai abrir terceira fábrica no Rio Grande do Sul

Produção

Cooperativa Santa Clara vai abrir terceira fábrica no Rio Grande do Sul

Impasse

Mercado não acredita em capacidade de defesa da Bayer, diz executivo do Berenberg


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

CNA, Abiec e Abrafrigo assinam memorando de compra de carnes no Bioma Amazônia

Regras

Regras

CNA, Abiec e Abrafrigo assinam memorando de compra de carnes no Bioma Amazônia


Importância do agronegócio brasileiro marca abertura da Digital Agro 2019

Paraná

Importância do agronegócio brasileiro marca abertura da Digital Agro 2019

Girolando fará promoção para novos associados

Megaleite 2019

Girolando fará promoção para novos associados

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

Tortuga apresenta:

Tortuga apresenta:

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

As 11 etapas da 4ª edição do Tour DSM registram 2,5% de retorno ao mês de rentabilidade no confinamento e confirma decisão pelo investimento em tecnologia

“Jovens brasileiros, preparai-vos!”

Luiz Tejon Megido

“Jovens brasileiros, preparai-vos!”

A importância da alimentação balanceada

Prevenção de doenças

A importância da alimentação balanceada

A tecnologia salva o produtor e o ambiente

Leandro Aranha

A tecnologia salva o produtor e o ambiente

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.