Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Se a Embrapa for privatizada, o Brasil perde

Se a Embrapa for privatizada, o Brasil perde

O presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Pedro Arraes, diz que a instituição não visa o lucro, mas que recursos privados seriam muito bem-vindos

Cristiano Zaia, de Brasília
Edição 01/06/2012 - nº 92

Ao mesmo tempo que se entusiasma com novos flancos de atuação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), como o estudo de novas técnicas geoespaciais ou o vasto potencial para pesquisas em cana-de-açúcar e fertilizantes, o engenheiro agrônomo Pedro Arraes, presidente da estatal há quase quatro anos, defende fervorosamente que a empresa continue 100% pública. “O nosso objetivo não é o lucro imediato”, afirma Arraes. Mas ele não desconsidera a importância dos recursos privados no aumento da autonomia da empresa. “Como empresa pública, é lógico que temos de arrecadar, isso nos dá flexibilidade”, afirma em entrevista à DINHEIRO RURAL .

DINHEIRO RURAL – O orçamento da Embrapa é suficiente para as suas pesquisas?

PEDRO ARRAES – Estamos com problemas no orçamento, por conta do contingenciamento de verbas do governo, que cortou R$ 140 milhões em emendas parlamentares da nossa previsão de R$ 2 bilhões. Mas acabamos de receber uma liberação de recursos, que deve resolver até o meio do ano. A Embrapa teve um orçamento bastante ampliado nos últimos três anos. Mas, para pesquisa, sempre há carência de recursos.

RURAL – Há recursos suficientes para investir em negócios que tragam mais receita para a empresa?

ARRAES – Fizemos em abril uma reformulação da Secretaria de Negócios. Obviamente que nosso maior negócio está na pesquisa. Hoje, temos projetos com a Vale, Petrobras, Bunge e pequenas queijeiras do Nordeste. Nosso negócio é muito mais amplo que o da Petrobras, por exemplo. Mas também há o papel da Embrapa como empresa pública: temos uma participação fundamental em tecnologias de qualidade; em não deixar o Brasil alheio a pesquisas de ponta no Exterior; e em criar diversidade na indústria do agronegócio. A concentração que existe em algumas áreas do agronegócio não é boa para o Brasil, e temos um envolvimento fundamental do fortalecimento da empresa nacional.

A contenção de verbas, pelo governo, tirou da pesquisa R$ 140 milhões em 2012

NANOTECNOLOGIA: pesquisador analisa frutas no laboratório da Embrapa Sudeste, em São Carlos (SP)

RURAL – Quanto do orçamento da Embrapa é destinado a pesquisas?

ARRAES – Cerca de 70% do nosso orçamento é para pagamento de pessoal. Cerca de R$ 100 milhões a R$ 150 milhões são aplicados diretamente em pesquisa. Outros R$ 70/80 milhões vêm de agências do governo para fomento científico como Finep, Faperj, Fapesp e CNPq, bem como de fundos setoriais. Ainda recebemos o pagamento de royalties, que geram em torno de R$ 30 milhões. Esse valor às vezes cai, mas é praticamente estável. Esperamos aumentar a receita com a Secretaria de Negócios. Se chegarmos a 5% do nosso orçamento total, nos próximos três anos, seria bastante interessante. Como empresa pública, é lógico que temos que arrecadar, isso nos dá flexibilidade.

RURAL – A Embrapa tem sido muito criticada por ter perdido participação no mercado de sementes.

ARRAES – Acho que a Embrapa não pode mais ter 70% de participação no mercado de sementes de milho, algodão e soja, como tínhamos há 15 anos, quando não havia mais ninguém além de nós. As empresas que estão aí têm todo um arcabouço genético que foi desenvolvido pela Embrapa. Não podemos nos abster de ser marca de qualidade e inovação. Temos é que fazer Parcerias Público Privada (PPPs). Nosso objetivo não é o lucro imediato. Se for assim, não fazemos inovações estratégicas, um investimento de longo prazo. Então, teremos de trabalhar mais em ativos de inovação em nanotecnologia, biotecnologia, de onde podemos ganhar para ter flexibilidade de orçamento.

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.