Edição nº 170 20.06 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Temos um bom percurso para o futuro

Temos um bom percurso para o futuro

Arnaldo Jardim, secretário da Agricultura de São Paulo, diz que o impeachment pode trazer boas perspectivas ao setor

Silvia Palhares
Edição 02/05/2016 - nº 136

Osecretário de Estado da Agricultura e Abastecimento de São Paulo Arnaldo Jardim, deputado federal pelo PSDB, é muito falante e extrovertido. Para ele, anunciar aos quatro ventos as potencialidades do agronegócio paulista é muito mais do que um ofício, é uma missão. A diversificada e complexa economia paulista, que é uma grande fornecedora de bens de consumo, de capital e de serviços para as demais regiões do País, tem mostrado que o agronegócio passa por um refinamento, diz ele. Sai a produção em larga escala  e entra a produção de valor, por meio da tecnologia, da pesquisa e da inteligência. “É a partir do Estado que a cadeia de insumos organiza suas estratégias de trabalho”, diz Jardim. Em entrevista à DINHEIRO RURAL, o secretário falou da necessidade de investimentos na agroindústria, em assistência ao produtor e também dos desafios de crescimento de um setor que, em 2105, teve um Valor Bruto da Produção de R$ 61,5 bilhões, o segundo maior do País. Jardim também falou sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que tramitava no Senado no fechamento desta edição, no final de abril. Confira os principais trechos da conversa.

dinheiro RURAL – Com um cenário de impeachment dado como certo, qual será o impacto para o agronegócio da mudança de presidente?
ARNALDO JARDIM  –
A expectativa do setor é positiva. Há uma alegria unânime entre todos os representantes do agronegócio, por que essa mudança de governo pode trazer novas e boas perspectivas. Estamos vindo de um ano em que era notória a indisposição entre governo e produtores, tanto que a ministra Kátia Abreu ficou bastante isolada e a antecipação do Plano Safra 2016/2017 foi vista como uma tentativa de mostrar serviço e chamar a atenção.

RURAL – E essa expectativa positiva se estende ao governo Michel Temer?
JARDIM  –
Sim. Já estão sendo sondados nomes para os Ministérios e o que estamos pedindo para o agronegócio é que a escolha não seja apenas por critérios políticos. O setor não tem uma boa aceitação de representações que tenham apenas o conhecimento político. É fundamental que seja alguém com vivência da agropecuária, bom relacionamento com as entidades setoriais e conhecimento do campo.

RURAL – Essas exigências estão sendo pontuadas nas conversas recentes com o vice-presidente?
JARDIM  –
O Temer tem se mostrado aberto a receber sugestões e conversar com os representantes do setor, o que é importante para nós, pois temos a possibilidade de apresentar exatamente o que necessitamos e orientar como os próximos passos poderão ser seguidos. Sem dúvida, ele terá uma agenda positiva para trabalhar nos próximos anos e acredito, realmente, que temos um bom percurso para o futuro.

RURAL – Qual o papel de São Paulo no agronegócio brasileiro, desde que o Centro-Oeste passou a ser o principal ator da produção agropecuária nacional?
JARDIM  –
São Paulo realmente não tem mais o perfil das grandes áreas produtivas, embora o Estado seja o segundo em produção agrícola, no que se refere a valores. Somos uma potência agrícola, com um Valor Bruto da Produção de R$ 61,5 bilhões. Perdemos apenas para o Estado de Mato Grosso. São Paulo passou a ser o de centro da inteligência, das decisões e das negociações do agronegócio nacional. É a partir do Estado que a cadeia de insumos organiza suas estratégias de trabalho, que acontecem as negociações de produção e de onde muitos empresários rurais fazem o gerenciamento de suas propriedades.


Retrato do poder: o vice-presidente Michel Temer recebeu apoio dos empresários e Kátia Abreu ficou isolada

RURAL – Quais são os investidores interessados nesse potencial paulista?
JARDIM –
Todo o mundo olha para nós porque São Paulo oferece a sensação de estabilidade no agronegócio. Um exemplo é o banco agrícola americano CoBank, interessado em investir no Estado. Na conversa que o governador Geraldo Alckmin e eu tivemos com Thomas Halverson, diretor financeiro da instituição, deixamos claro que toda a área de agropecuária, com a qual ele se encantou, ocupa menos de 10% da área do País. No cenário internacional, isso significa que temos espaço para crescer, sem comprometer a Amazônia. Neste momento, o CoBank está apenas esperando que as disputas políticas que ocorrem no País se acalmem para iniciar as negociações.

RURAL – Como o governo pode atuar em um ambiente econômico paralisado, no qual os contingenciamentos de recursos têm sido severos?
JARDIM –
Nossos recursos foram reduzidos em até 30% para todos os contratos, de verbas para custeio a investimentos em laboratórios, o que significa deixar de gastar R$ 40 milhões neste ano. Mas, dentro do orçamento de R$ 1,1 bilhão para o setor, alguns programas ficaram a salvo, como o Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias (Microbacias II), iniciado em 2010, e o Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap/Banagro). Com eles, conseguimos manter o processo de desenvolvimento de cadeias, entre elas as da pecuária de leite, da borracha natural e da fruticultura, por exemplo. Essas atividades são importantes para a produção paulista porque geram acúmulo de conhecimento, possuem alta capacidade produtiva e necessitam de mão de obra mais refinada.

RURAL – Nesse contexto, qual a principal pauta para o agronegócio do Estado?
JARDIM  –
Para o setor, é importante a isenção dos impostos na comercialização de produtos agrícolas, no caso o Pis/Cofins. Existe a possibilidade de as empresas abaterem os impostos, desde que os valores sejam revertidos para programas como, por exemplo, o Leite Sustentável, criado
pelo Ministério da Agricultura (Mapa), para o melhoramento da bacia leiteira. Fizemos um acordo com o ministério para que ele liberasse a ação e estamos pedindo a autorização dos programas para creditar os valores arrecadados com a isenção.

RURAL – Há pautas comuns entre todos Estados? 
JARDIM –
Sim. Além do Plano Safra e do Seguro Rural, um tema que une todos os secretários é a contribuicão para fortalecer os pilares do Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas, Colhedeiras e Implementos, o Moderfrota, que hoje tem um modelo de negócio exaurido. Também pedimos remanejamento de recursos para o Moderfrota, pois outros programas têm pouca demanda e o investimento em maquinário está em queda, prejudicando o desenvolvimento do agronegócio.

RURAL – Há alguma pauta comum na pecuária?  
JARDIM –
Sim, a mudança no Sistema de Vigilância de Inspeção Agropecuária para os produtos exportados e para o consumo interno. A proposta do Mapa era ter um sistema menos presencial e sistemático, seguindo o modelo de parcerias que já ocorre em Santa Catarina. Lá, as indústrias contribuem para um fundo que contrata empresas para fazer a inspeção. Aos fiscais do Mapa ficaria a incumbência de auditar a inspeção.

RURAL – Qual a posição de São Paulo sobre esse plano?
JARDIM –
Somos a favor do processo de transferência de responsabilidade porque, assim, os fiscais teriam condições de serem mais rigorosos na auditoria. Mais do que uma questão filosófica sobre o papel do Estado, o plano traz praticidade ao setor. O Mapa e os Estados não têm funcionários suficientes para cuidar de tudo. É preciso que o Estado deixe de ser provedor para ser regulador. O projeto ficou parado no final do ano passado, em função de uma greve de fiscais, mas esperamos que o tema volte à pauta ainda neste ano devido a sua importância.


Nova inspeção: a proposta é um modelo de gestão no qual o trabalho terceirizado seria auditado pelos fiscais do Mapa

RURAL – Qual o futuro do agronegócio paulista, em vista de sua diversidade?
JARDIM –
O Estado pode agregar muito valor ao produto agropecuário e o caminho é esse. Não somos pequenos. São Paulo cultiva apenas 16% do café do País, mas processa 60% da torrefação. Detém 5% do rebanho bovino de corte, mas abate 24% dos animais. Possui a maior indústria de açúcar e etanol do País, é o maior produtor de ovos, de laranja e de suco de laranja, além de ter uma participação importante na borracha e em produtos florestais. Nas exportações do setor, a receita de US$ 15,9 bilhões representou 18% do total brasileiro, com destaque em cinco cadeias: o complexo sucroenergético, carnes, sucos, produtos florestais e o complexo soja.

RURAL – Mas há percalços, como no setor da cana…
JARDIM –
De fato. A tendência para a cana é manter a sua importância estratégica, mas diminuir relativamente a área utilizada. O fim da queimada na colheita, que ocorreu definitivamente em 2014, mudou a dinâmi-ca da produção. As regiões de declive terão de mudar para outras culturas. Isso significa redefinir a vocação agrícola de cerca de 600 mil hectares. Estamos oferecendo alternativas para os produtores ocuparem essas áreas, por exemplo, com gado, seringueira ou frutas. O Microbacias II financia até 70% dos projetos de pequenos produtores e agricultores familiares, para valores que chegam a R$ 800 mil. O Feap/Banagro financia o restante para as pequenas agroindústrias.

 Piso mínimo do frete tem que dar a adequada retribuição ao caminhoneiro

CNTA

CNTA

Piso mínimo do frete tem que dar a adequada retribuição ao caminhoneiro

Colheita da safra 2018/19 deve ser recorde, diz governo

Argentina

Argentina

Colheita da safra 2018/19 deve ser recorde, diz governo

 efeito da geada em cafezais ainda pode influenciar preço

INTL FCStone

efeito da geada em cafezais ainda pode influenciar preço

Colheita de café da safra 2019 alcança 66,40% até 12 de julho

Cooxupé

Colheita de café da safra 2019 alcança 66,40% até 12 de julho

Santa Catarina exporta 56% mais no primeiro semestre do ano

Carnes

Santa Catarina exporta 56% mais no primeiro semestre do ano

CNA

Conselho do Agro debate PL que regulamenta terras para estrangeiros

Energia

Produtor de Santa Catarina deve fazer recadastramento para garantir tarifa rural

Soja

Agricultura publica portarias com regras para zoneamento climático

São positivas prévias para resultados de JBS, BRF e Marfrig

BB-BI:

BB-BI:

São positivas prévias para resultados de JBS, BRF e Marfrig

Biocombustíveis

São Martinho coloca em consulta pública dados da Usina Iracema

McDonald’s

Empresa amplia compra de carne proveniente da pecuária sustentável

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

Recursos do Funcafé liberados na safra 2018/19 atingem recorde de R$ 3,5 bilhões

Café

Café

Recursos do Funcafé liberados na safra 2018/19 atingem recorde de R$ 3,5 bilhões

FGV

Indicador Antecedente da Economia sobe 0,9% em junho

Internacional

Países se comprometem a impulsionar economia verde no continente

Pequenos

Relatório de crédito extra eleva em R$ 80 milhões recursos ao Pronaf

BRF vai reutilizar 100% de água na fábrica de Abu Dabi

Internacional

Internacional

BRF vai reutilizar 100% de água na fábrica de Abu Dabi


Educação sem limites

Qualificação

Educação sem limites

Cada vez mais, o ensino À distância é utilizado no agronegócio, que passa a trabalhar com sofisticadas estratégias de análise e interpretação de dados

Cresce a procura por profissionais mais sêniores no agronegócio

Michael Page

Cresce a procura por profissionais mais sêniores no agronegócio

Consultoria aponta alta de 40% por executivos capazes de liderar grandes projetos


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção


Governo publica novas normas para importação de animais e genética

Mercosul

Governo publica novas normas para importação de animais e genética

Expectativa é comprovar importância da tecnologia

rallydapecuaria

Expectativa é comprovar importância da tecnologia


Grandes Feiras do Agronegócio


Grandes Feiras do Agronegócio

“Jovens brasileiros, preparai-vos!”

Luiz Tejon Megido

“Jovens brasileiros, preparai-vos!”

A importância da alimentação balanceada

Prevenção de doenças

A importância da alimentação balanceada

A tecnologia salva o produtor e o ambiente

Leandro Aranha

A tecnologia salva o produtor e o ambiente

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.