Especial GIRO DO BOI

Meritocracia para a carcaça

JBS lança a primeira unidade do Brasil habilitada a tipificar 100% dos animais e remunerar produtores com base no Farol da Qualidade*

Meritocracia para a carcaça

Divulgação

Um modelo de classificação e remuneração de carcaças similar ao utilizado na Europa, EUA e Austrália começará a ser aplicado no Brasil pela primeira vez em abril. Unidade da JBS em Nova Andradina, MS, foi habilitada a tipificar 100% dos abates para atrelar a remuneração do pecuarista ao escoamento da carne por diferentes canais de venda.

Os parâmetros para o pagamento são explicados no livro de classificação de carcaça bovina pelo acabamento, que foi supervisionado pelo professor Pedro de Felício, do FEA/Unicamp. O livro foi lançado em 2014 em parceria com 16 entidades representantes do setor produtivo. Acabamento, sexo, maturidade e faixa de peso são critérios para a avaliação. “Classificar ou tipificar cria padrões que facilitam transações, seja no mercado interno ou externo. Isto é desejável para aperfeiçoar negociações e implementar tecnologias de compra e venda”, descreve Felício.

Tipificação pelo mundo

Desde 1926, os EUA estabelecem quais carcaças têm mais chances de valorização por qualidade e rendimento de cortes de maior valor. Os frigoríficos tipificam em Prime, Choice, Select e No Roll. Prime e No Roll representam 4 a 5% do total dos abates cada. Choice e Select até 45%, volume que varia conforme demanda, seja para marcas premium ou varejo. Um animal Prime significa bônus de até US$ 150,00/cab ao produtor. Já os No Roll sofrem penalização de até US$ 200,00. “O produtor entende isto como natural e se preocupa somente em engordar o gado”, explica Marco Sampaio, chefe da mesa de commodities da JBS nos EUA.

Na Europa, desde 1981 é utilizado o método Europ grid. O valor pago ao produtor é calculado multiplicando o peso do animal pela sua classificação. Esta definição leva em conta critérios de sexo, idade, conformação da carcaça e cobertura de gordura.

Já na Austrália, um programa do MLA (Meat and Livestock Australia) funciona desde 1996 com o objetivo de envolver e dar feedback à cadeia produtiva. Os cortes são tipificados entre três e cinco estrelas conforme maciez. Segundo McLean McNabb, responsável por vendas e marketing da JBS na Austrália, o modelo de pagamento se baseia em idade, peso e sexo, semelhante ao que será adotado no Brasil. “Os pecuaristas sabem para onde a carne irá. Uns trabalham somente com animais a pasto, ou dentro do programa do MLA e há os que trabalham com confinamento. Isso é bom para o cliente, que sabe o que vai receber quando abrir a caixa com nosso produto”, complementa.


clique aqui para visualizar a imagem original

Para produtores brasileiros, a novidade significa remuneração adequada por animais que forneçam diferentes tipos de carne. Segundo Nei Canziani Filho, produtor de São Gabriel do Oeste, MS – cujo Farol da Qualidade entre 2013/2014 apontou média de 60% de animais desejáveis – remunerar seguindo critérios de classificação é mais justo. “Por participar de um programa de bonificação da JBS, eu tenho preocupação em atingir acabamento. Isto requer investimentos, mas consigo chegar próximo ao ideal. Tenho alcançado índices interessantes no Farol da Qualidade”, aprova. “O protocolo não premia apenas o produtor, mas o consumidor, que tem carne de qualidade em sua mesa. A atitude é louvável”, classifica Francisco Maia, presidente da Acrissul. “Fico muito feliz em ver o protocolo saindo do papel. É um grande estímulo aos produtores que tem que ser estendido para todo o estado”, indica a deputada federal e pecuarista Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias.

A novidade começa por Nova Andradina, mas se estenderá para todo o MS nos próximos meses. O projeto visa implantar a tipificação para todas as unidades da companhia no Brasil. “O mercado sinaliza a virada de chave, mas ninguém será pego de calças curtas. Vamos atender a demanda do consumidor. Por isso, daremos tempo para que os produtores se adequem. Essa virada de chave será de planta a planta”, aponta o diretor executivo de originação da JBS, José Luiz Medeiros.

Cada carne na sua gôndola

Nos Estados Unidos, segundo o USDA, seu Departamento de Agricultura, a diferença atual entre o preço de balcão pago por animais de corte e o pago por vacas de descarte está atualmente próxima de US$ 9,93 por arroba, cerca de 20% de deságio. Já no Brasil, a diferença histórica entre boi e vaca é de 7 a 10% do preço da arroba. A distinção entre EUA e Brasil é que no país norte-americano há maior segmentação de mercado, em que é possível valorizar mais os melhores animais, consequentemente penalizando de acordo os que não fornecem carne de qualidade. No Brasil, a remuneração pela média trava a valorização de carcaças com mais chances de capturar valor, situação que a JBS busca reverter. Para Eduardo Riedel, secretário de Produção do MS, o modelo comercial da unidade da JBS em Nova Andradina representa grande avanço. “Você não pode nivelar os produtos a um único padrão. Em mercados menos maduros você faz isso, mas ao passo que as demandas ficam cada vez mais específicas, deve-se distribuir melhor o valor de cada tipo de carcaça ao longo da cadeia”, esclarece Riedel.

Brasil – um País maravilhoso

Quando terminei meus estudos na Irlanda, em meados da década de setenta, resolvi tirar alguns anos para conhecer o mundo. Sem rumo definido, uma mochila nas costas e pouco, muito pouco dinheiro, segui primeiro para o Oriente. Passei um ano na Índia e visitei mais que 30 países no caminho. Tendo “conquistado” o Oriente, decidi então conhecer as Américas. Decidi iniciar a viagem pelo Brasil por ter conhecido alguns brasileiros exilados em Londres na época que me transmitiram grande simpatia pelo país.  Aportei em São Paulo dia 15 de março de 1979, no dia em que João Batista Figueiredo assumiu a presidência da República como o ultimo dos presidentes militares. Também naquela data, Paulo Maluf assumiu o governo do Estado de São Paulo. Uma data marcante.

Sem falar uma palavra de português, decidi explorar a cidade e as oportunidades de trabalho, já que cheguei na reserva, tendo pago uma fortuna para PanAm me deixar aqui. Em poucos dias, estava dando aulas de inglês e aprendendo português de todos que encontrava nas ruas e nos bares de São Paulo. Apesar da barreira do idioma, me senti em casa desde cedo. Foi então que decidi ser brasileiro. Já se passaram 36 anos e essa mesma paixão pelo Brasil perdura até hoje.


Jerry O’Callaghan, diretor de relações com o investidor da JBS

Passei pelo plano Funaro, o plano Bresser, o plano Collor, o plano Real, a Constituinte de 1988 e tantos outros momentos no amadurecimento do País e sinto que a conquista dessas três décadas foram tantas que hoje vejo Brasil bem mais maduro e pronto para administrar seus traumas e seus momentos de crises sem ter que reinventar sua estrutura democrática. Conheço vários países que demoraram um século ou mais para conquistar o que nós conquistamos em tão pouco tempo. Sinto que estamos nos questionando bastante neste ano sobre o momento atual da nossa democracia. Nestes momentos, a frase de John Fitzgerald Kennedy, ex-presidente dos Estados Unidos, dito no seu discurso inaugural em 1961, vem a mente: “não pergunte o que seu país deve fazer por você, mas o que você deve fazer pelo seu país”.

Posso criticar muitos aspectos dos serviços públicos prestados a nós em muitas esferas, particulares e profissionais. Sei que temos muito a fazer para sermos uma sociedade mais justa, mas não devemos esquecer o quanto andamos nas conquistas destas mais que três décadas que eu tenho tido o privilegio de estar aqui. Como brasileiro adotado, vou continuar a torcer pelo país, pela seleção e por tudo que é verde e amarelo, pedindo desculpas apenas quando a Irlanda é o oponente, quando torcerei pelos dois lados.

ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO 

JBS inaugura duas unidades de abate em MS e TO

E m fevereiro aconteceram duas inaugurações de unidades da JBS. A primeira foi em Iguatemi, MS, próxima às fronteiras com Paraguai, SP e PR. Pecuaristas de ao menos dez cidades poderão vender gado para a planta. Mais de 500 produtores cadastrados nas cidades de Amambai, Coronel Sapucaia, Eldorado, Iguatemi, Japorã, Mundo Novo, Novo Horizonte do Sul, Paranhos, Sete Quedas e Tacuru já estão abatendo animais. Pecuaristas não fornecedores da JBS estão sendo convidados a conhecerem e se tornarem parceiros da empresa. A indústria abaterá 800 cabeças/dia e irá gerar 800 empregos diretos. Em Araguaína foi lançada a primeira unidade da companhia no TO, que poderá receber animais das microrregiões do Bico do Papagaio, Dianópolis, Gurupi, Jalapão, Miracema do Tocantins, Porto Nacional e Rio Formoso. A capacidade de abate é de 600 animais/dia com geração de 500 empregos diretos e mais de três mil indiretos. Os municípios ao sul de Gurupi continuam sendo atendidos pela JBS em Mozarlândia, GO.

EXPOGRANDE 2015

Friboi será carne oficial

A Expogrande 2015, a ser realizada em Campo Grande, MS, entre 23/04 e 03/05, terá a Friboi como sua marca oficial de carne. Os cortes servidos dentro da maior exposição agropecuária do estado serão provindos do 6º Show da Carcaça, abate técnico anual realizado em parceria entre Novilho Precoce MS e a JBS que acontece também neste mês. Durante a Expogrande, no dia 28 às 10h será realizado um fórum de pecuária de corte com destaque para um painel sobre castração. A feira acontece no Parque de Exposições Laucídio Coelho, sede da Acrissul.

“O bezerro não está caro. Ele está leve. Se a gente comparar com os Estados Unidos, o bezerro que tem no Brasil entre 8 e 12 meses é desmama­do em torno de 180 kg. Nos EUA, são
270 kg e com a mesma idade”. Adolfo Fontes, porta-voz do Rabobank para proteína animal, sobre a oportunidade para intensificar a pecuária de corte

“Na verdade não existe problema da água. O que existe é um problema do solo. Se você está com problema de água é porque alguém usou mal o solo e permitiu que esse solo fosse carregado, assoreando córregos, nascentes”.Maurício Velloso, presidente de Comissão de Bovinocultura da Faeg, sobre os efeitos da crise hídrica na pecuária brasileria

“Em geral, a gente tem perda de qualidade com o animal inteiro. A gente tem perdas na maciez, carne mais escura, cortes comerciais menos valorizados, principalmente devido à menor deposição de gordura subcutânea e intramuscular”. Rodrigo Gomes, pesquisador da Embrapa Gado de Corte, comparando boi castrado e boi inteiro

“O boi recicla a água. Ele urina, defeca, sua. Essa água volta ao ciclo. O pessoal só conta –eu imagino que seja desinformação e não má-fé – um lado da questão: o quanto ele consumiu. Que esta água voltou ao ciclo e fez chover ninguém conta”. Eduardo Castanho, pesquisador do Instituto de Economia Agropecuária (IEA), sobre parte da sociedade e da mídia não especializada que culpa a agropecuária pela crise hídrica


“A ideia de muita gente é que se diminuíssemos o consumo de carne reduziría­-mos a emissão de gases de efeito estufa. Nós demons-tramos que não é verdade”. Luiz Gustavo Barioni, pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária, sobre estudo do centro de pesquisa sobre a pecuária de corte no Cerrado

GIRO PELO MUNDO

Estados Unidos

Nos EUA, diferencial de base entre físico e futuro é componente fundamental do preço das commodities, como carne bovina. Esse basis é influenciado por fatores como armazenagem, frete, oferta e demanda e margem de lucro.  A média histórica do basis nos EUA é de US$ 1 a US$ 2 negativos (físico desvalorizado em relação ao futuro), mas a relação tem sido mais volátil devido a movimentos bruscos no mercado futuro.
participação de Marco Sampaio, chefe da mesa de commodities da JBS nos EUA

Itália

O Brasil exportou 33 mil toneladas de carne para a Itália em 2014, 85% dos quais in natura. Os principais cortes enviados são contrafilé, filé mignon, filé de costela, coxão mole e lagarto. Estes dois últimos são usados para fazer bresaola, alimento à base de carne curada típico dos Alpes italianos, que é procurado por atletas por ser alimento magro e com alto teor de proteína, portanto saudável.
participação de Juliano Jubileu, gerente de exportação da JBS para a Europa

ACRIMAT EM AÇÃO 2015

Começou no dia 20 de março o 5º Acrimat em Ação, projeto realizado pela Associação dos Criadores do Mato Grosso que conta com o apoio da JBS. Ao todo, 30 cidades do estado receberão a expedição, que percorrerá quatro rotas. Em destaque neste ano está a palestra “Manejo pré-abate: como evitar perdas econômicas mantendo o bem-estar animal”. O encerramento está agendado para o dia 25 de maio na capital Cuiabá.

INDICADORES

Reposição segue valorizada em relação ao boi gordo; relação de troca entre a arroba e a saca de milho diminui, mas ainda é oportunidade

No início de março, a relação de troca entre bezerros por boi gordo apontou novamente para a casa de 1,7, como se observou no mesmo período de fevereiro. Momento pode ser positivo para a entrega de animais mais pesados, com melhor acabamento, aproveitando todo o potencial de carcaça oferecido. A relação de troca entre sacas de milho por arroba de boi gordo, que já rompeu a casa das 6 sc/@ no ano passado, segue próxima de 5, indicando que pode ser oportuno o uso do insumo para a engorda em cocho ou confinamento a pasto. No comparativo de base 100 entre carnes suína, bovina e de frango, desvalorização de 1,5 ponto para o suíno, valorização de 9,78 pontos para o frango e alta de 10,51 pontos para o boi.

 


clique aqui para vizualizar a imagem original