Estilo no Campo

A terra de peão voador

Calgary Stamped, a mais importante festa de rodeio do Canadá, recebe 1,2 milhão de visitantes todos os anos. Os prêmios aos cowboys podem chegar a US$ 2 milhões

MALABARISMO: o cowboy Clif Cooper na prova de tie down roping do rodeio de 2011, laça o bezerro em poucos segundos

SADDLE DOME: a arena em forma de sela de cavalo abriga o que é considerado o maior espetáculo ao ar livre da terra

O cowboy Clif Cooper voa no ar. No rodeio de Calgary Stampede, em Alberta, no Canadá, cavalo, cavaleiro e bezerro travam uma luta para mostrar suas habilidades. Em poucos segundos, montado em um quarto de milha, Cooper mira o pescoço do bezerro, lança sua corda já com o laço feito, desmonta do cavalo e amarra com um único nó as três patas do adversário. Tudo no melhor estilo “The Flash”, em poucos e imperceptíveis segundos. Sem saída, o animal se aquieta. Não há mais o que fazer, o bezerro está dominado. Cooper tira o chapéu e o aperta contra o peito, um sinal entre os vaqueiros de respeito e reverência aos animais. Da arquibancada da arena de rodeio, uma multidão aplaude o cowboy. O dia 11 de julho do ano passado foi mais um daqueles momentos que Cooper vai guardar como especiais.

Calgary Stampede, o mais famoso rodeio do Canadá, é anunciado pelos organizadores como “o maior espetáculo ao ar livre na terra”. Exageros à parte, a festa que se estende por nove dias, todos os anos sempre em julho, é um dos mais bonitos eventos do mundo para mostrar os vaqueiros e seus animais, touros e cavalos, em provas de habilidade de lida no campo. Neste ano, entre 6 e 15 do mês que vem, mais do que nunca vai pairar sobre o rodeio canadense o espírito country do país: criado em 1912, o Calgary Stampede está completando 100 anos. A ideia do rodeio nasceu do encontro de quatro vaqueiros. O mais famoso deles, à época, era o americano Guy Weadick, cowboy e artista de shows itinerantes de vaudeville, um gênero teatral do início dos anos 1880. Hoje, o rodeio é comandado por um único homem, o advogado Michael Casey. Desde 1975 ele atuava como voluntário da equipe organizadora da festa e, em 2011, assumiu a responsabilidade de presidir o rodeio deste ano. De chapéu panamá enterrado até o meio da testa, Casey é responsável por organizar uma estrutura para receber as 1,2 milhão de pessoas esperadas para a edição de 2012. “No ano passado, assumi com humildade a tarefa de preparar a nossa celebração do centenário”, diz Casey. “Vai ser uma festa inesquecível.”

Calgary Stampede até pode ser comparado à Festa de Peão de Boiadeiro de Barretos, no interior de São Paulo, mas guarda peculiaridades só encontradas no Canadá. Nos dias da festa, a cidade se transforma em um cenário de filmes western. Seus habitantes e a legião de turistas que invade a cidade trocam as roupas do dia a dia por chapelões, botas e cintos com fivelas douradas. No arena Saddle Dome, estádio em formato de sela de cavalo, os cowboys se apresentam em seis modalidades: saddle bronc riding, bareback riding, tie down roping (a preferida do cowboy Cooper), steer wrestling, ladies barrel racing, bull riding. Os prêmios podem somar ao final do evento US$ 2 milhões.

CALGARY EM FESTA: enquanto os vaqueiros domam touros na arena, o público se diverte nos restaurantes e salões de dança. “Atividades há aos montes. Fica parado quem quer”, diz o presidente do rodeio, Michael Casey, na entrada do Stamped Park

Neste ano, dois cowboys brasileiros estarão disputando prêmios por lá: Fabiano Vieira e Robson Palermo vão montar em touros. Devem ser uma sensação à parte. Em meados abril, o paranaense Vieira foi o campeão da etapa de Indianápolis e assumiu a liderança do circuito de rodeio americano. No final do mês foi a vez do mato-grossense Palermo. Ele foi o campeão da etapa de Dês Moines, também nos Estados Unidos, e levou US$ 52 mil.

Quando não está no Saddle Dome, o público que comparece ao rodeio para vibrar com os cowboys, pode ser encontrado no Stampede Park, cidade construída para abrigar as demais atrações. Shows, por exemplo, são organizados aos montes. No dia 12 de julho, o cantor de música country Garth Brooks sobe ao palco. O americano é um dos mais famosos cantores do gênero no mundo. Só nos Estados Unidos, ele já vendeu mais de 128 milhões de discos. Outras atrações no Stampede Park são as corridas de carroças, a exposição de ovelhas e gado bovino, como das raça angus e holandês. Bares, restaurantes, salões de dança e um imenso parque de diversões são as opções. “Atividades têm aos montes”, diz Casey. “Fica parado quem quer.”

Mas ao visitar o principal rodeio canadense é só a porta de entrada para conhecer Calgary, cidade fundada em 1875, localizada ao sul do Estado de Alberta. Hoje, a cidade que abriga uma população de um milhão de habitantes, é um importante centro financeiro e comercial. É lá que estão concentradas as sedes das principais empresas petrolíferas do país e a riqueza se espalha por todos os lados. No Bankers Hall, um shopping cheio de bons restaurantes, estão as torres mais altas do Canadá. Para os apreciadores da boa comida, o melhor programa é se sentar em uma mesa e pedir ao garçom um “Alberta beef”, steak do angus à moda da casa. “Perde quem não pedir um”, diz Casey.