Estilo no Campo

Estréia campeã

Sem fazer alarde, o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia está se transformando no maior comprador da pecuária brasileira. Conheça seus planos e sua estratégia

QUÉRCIA, AO LADO DE ALAÍDE: Casal já tem dois mil animais PO no interior de São Paulo

Na noite do sábado 22 de setembro, a pecuária brasileira viveu um momento inesquecível. Quando o leilão Mata Velha, em Uberaba, já se aproximava do encerramento, veio o ápice. Ao fim da disputa pelo lote da bezerra Nalisha, do criador Marco Paulo Carneiro, nem mesmo os leiloeiros pareciam crer no que viam. Depois de uma briga acirrada, chegou-se ao preço de inacreditáveis R$ 2,9 milhões, em 14 parcelas de R$ 210 mil. Recorde mundial na pecuária. Depois, quando foram anunciados os compradores, a surpresa foi ainda maior. Entre os vencedores, estava o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia, que comprou a bezerra em parceria com os tradicionais criadores Jonas Barcellos, organizador do leilão, e João Carlos Di Genio, do grupo Objetivo. Cada um irá desembolsar parcelas de R$ 70 mil e os três dividirão as receitas com a venda de embriões. O fato de Quércia já fazer parte do time dos grandes compradores do nelore no País chama a atenção por uma razão básica: ele começou a adquirir animais puros de origem, os chamados PO, há menos de um ano. “Sempre mexi com pecuária, mas agora decidi aperfeiçoar meu negócio”, disse ele à DINHEIRO RURAL. “Comecei a comprar animais da elite do nelore e observei que suas crias eram muito melhores; depois, troquei todo meu rebanho de leite por gado PO.” Hoje, Quércia tem dois mil animais de elite na sua fazenda em Pedregulho, no interior de São Paulo.

O ex-governador decidiu ingressar no mundo dos leilões no início do ano, quando adquiriu a vaca Açucena, líder do ranking nacional. À época, Quércia pagou R$ 1,5 milhão pelo animal, naquela que havia sido a maior compra do ano. “Ele entrou com tudo no nelore de elite e está muito entusiasmado com os resultados”, diz o criador José Murillo Procópio de Carvalho, da Fazenda Guará, em Minas Gerais. Carvalho é dono de Ganza, mãe de Açucena, e vê com bons olhos a chegada de Quércia. “Em breve, ele começará a organizar grandes leilões da família Açucena, como existem hoje os Ópera- Bilara”, diz ele. Na verdade, Quércia até já fez seu primeiro leilão, que ocorreu no dia 27 de agosto, em São Paulo, no Citibank Hall. Com seu selo ‘Nelore Top da Raça’, o empresário entrou como sócio do leilão ‘Obras-primas do Nelore’, quando vendeu quatro novilhas de grande potencial – todas arrematadas por valores acima do esperado. “Foi meu primeiro leilão e cheguei a vender um animal por R$ 84 mil”, diz ele.

“APOSTEI ALTO NO NELORE, MAS JÁ ESTOU TENDO RETORNO”

ORESTES QUÉRCIA: pecuarista e ex-governador de São Paulo

A grande dúvida é saber se ele conseguirá recuperar o investimento. Até agora, o ex-governador revela que já aplicou mais de R$ 5 milhões em animais da raça nelore. Apesar do montante, ele diz que tem valido a pena. “Só com as 18 prenhezes da Açucena que vendi, foi possível recuperar o investimento da matriz”, diz ele. Quércia, que também investe seu dinheiro em café, se diz muito empolgado com o agronegócio, com o qual já faturou mais de R$ 2 milhões nos últimos anos. “É um investimento que parece hobby, mas que deve ser tratado como negócio para que o empresário não jogue dinheiro fora”, diz o ex-governador. Quanto ao nelore de elite, ele ainda se coloca como um principiante. “Ainda tenho muito o que aprender antes de chegar ao topo dos criadores”, admite. Mas pelo que se viu nos últimos leilões, é apenas questão de tempo.