As Melhores da Dinheiro Rural

A arte do ofício

Com 38 anos de profissão, o leiloeiro João Gabriel mostra que vender animais exige técnica e sensibilidade

A arte do ofício

Rei das marteladas: Gabriel chega a comandar até 150 leilões por ano Divulgação

O lugar para onde o leiloeiro rural João Antonio Gabriel, 61 anos, gosta de retornar, após um dia de trabalho, é uma pequena fazenda em Taquarituba, interior paulista. Filho e neto de agropecuaristas, Gabriel é um devotado criador de muares, jumentos pega, cavalos da raça quarto de milha e algum gado nelore. Mas, entre os animais que cria, sua paixão são as mulas e os jumentos. Na fazenda, é ele que ajusta a tropa, escolhe os melhores reprodutores e matrizes para os acasalamentos e orienta a doma. Em leilões, entra montado para mostrar as qualidades do animal à venda.  São nesses momentos que os dois mundos do leiloeiro se encontram. Gabriel é um dos profissionais mais respeitados no mercado dos leilões rurais, um segmento que movimenta bilhões por ano, em cerca de 1,5 mil eventos realizados em todo País, nos quais são comercializados gado comercial e de elite, equinos, caprinos e ovinos. Atualmente, Gabriel chega a comandar até 150 leilões por ano, um a cada dois dias e meio, mas houve época em que chegou a coordenar 250. Pela sua história, ele foi escolhido o homenageado no prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2015, em PERSONALIDADE DO SETOR DE LEILÕES.

Gabriel começou a leiloar animais em 1975, mesma época em que esse tipo de evento ganhava força na pecuária. Ele faz parte de um grupo pioneiro que, naquela época, trouxe o modelo de venda de gado do Rio Grande do Sul e começou a utilizá-lo nas praças fortes de criação de gado, primeiramente em São Paulo e Minas Gerais, e em seguida para o restante do País. Gabriel afirma que a história dos leilões rurais pode ser contada através da vida de personalidade como Antônio Carlos Pinheiro Machado, Trajano Silva e Sérgio Piza, empresários que atuaram na formatação desse tipo de venda. “Aprendi com eles os fundamentos para esse trabalho, como conhecer os animais, ter autoridade, humildade, transparência no comando das vendas e tratar compradores e vendedores com a mesma intensidade”, diz ele. A experiência do leiloeiro o levou a ser o personagem principal de eventos tradicionais, como os realizados na Expozebu, a maior exposição mundial de gado zebu, que acontece em Uberaba (MG). Há 29 anos é ele que comanda leilões como o Noite dos Campeões, que tem entre os seus promotores Alberto Laborne Valle Mendes, da construtora Mendes Júnior, e Pedro Novis, ex-diretor da construtora Odebrecht; e o Elo da Raça, no qual são vendidos animais de criadores como Jonas Barcellos, Jaime Pinheiro, Sylvio Propheta de Oliveira e José Carlos Prata Cunha. Gabriel também já comandou leilões no Paraguai, Bolívia e Argentina e em locais de difícil acesso no País. “Já leiloei em locais em que os animais foram levados de avião, como ocorreu certa em vez em Manaus, no Amazonas”, afirma.  “Hoje, com a internet e a televisão, os leilões se modernizaram e a se tornaram mais dinâmicos, mas eles continuam, na essência, o jeito mais democrático de ofertar ao mercado um animal de qualidade.”