As Melhores da Dinheiro Rural

Pé no acelerador

Com investimentos pontuais e uma gestão refinada, a Anaconda se consolida como uma empresa robusta na indústria do trigo

Pé no acelerador

Divulgação

Nos últimos dois anos, poucas empresas brasileiras conseguiram passar sem sustos pela crise econômica. Cortes de investimentos, receitas em queda, demissões, revisão de estratégias, fechamento de unidades produtivas, tudo isso fez parte da rotina de companhias de diversos setores que tiveram que se adequar às novas realidades do mercado. Em um cenário tão desencorajador é ainda mais surpreendente a performance da Anaconda, vencedora do prêmios AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2015 no setor de MOINHOS, MASSAS E PÃES. Dona de dois moinhos, um em São Paulo e outro no Paraná, a Anaconda não só sobreviveu ao caos financeiro do País como tem números consistentes para apresentar. 

Projeções mostram que, em 2015, seu lucro deve chegar a R$ 118 milhões, um salto de 8% sobre 2014 – ano em que o resultado líquido já havia avançado 26%. Desde 2013, quando o declínio da economia brasileira começou a ganhar velocidade, a Anaconda investiu R$ 40 milhões na modernização de suas duas unidades (principalmente na substituição de máquinas), mais do que a maioria das empresas do setor. Como não tirou o pé do acelerador, a empresa se consolidou como uma das  líderes da indústria do trigo, com farinhas e pré-preparados para pães, posicionando-se no mercado nacional com 5% de participação nos negócios do setor. “Apesar de todas as dificuldades impostas pela conjuntura, continuamos a alcançar boas margens”, diz José Honório de Tófoli, presidente da companhia. “Mesmo assim, estou bastante preocupado com a gestão política do País, que parece piorar a cada dia.”  

 

Uma das explicações para a solidez na Anaconda está no seu conservadorismo. “Nós não fazemos loucuras”, diz Tófoli. Por loucuras entenda-se recorrer a empréstimos bancários ou realizar investimentos que a empresa não terá condições de arcar. Outra estratégia vitoriosa é o controle obsessivo de estoques, o que posiciona a Anaconda sempre um passo à frente da movimentação da concorrência. Como o trigo é uma matéria-prima que sofre forte oscilação de preços, principalmente em anos de instabilidade do dólar, ter dinheiro para comprar à vista nos momentos de baixa da cotação pode significar uma grande vantagem. Nessas ocasiões, a Anaconda chega a adquirir estoques para um período de até quatro meses. Se o dólar sobe muito, a companhia está protegida e pode trabalhar sem sobressaltos. Se cair, acelera a produção, de modo a se preparar para uma nova rodada de aquisições. Atualmente, a Anaconda importa 40% do trigo de que precisa, de dois mercados: Argentina (35%) e Estados Unidos (5%). Esses números podem variar de acordo com a qualidade e quantidade das safras dos países. 

Em um relatório divulgado recentemente, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimou que a produção nacional de trigo será de 6,2 milhões de toneladas em 2015, alta de 4,3% ante a safra anterior. É pouco perto do consumo no Brasil, que deve chegar a 10,6 milhões de toneladas. Apesar do espaço para crescimento, o setor enfrenta muitos desafios. Além do clima inapropriado (quanto mais frio, melhor a produção), o hábito de consumo dos brasileiros (a mesa nacional ainda é baseada no feijão e arroz) é uma barreira para avanços mais expressivos. Mesmo assim, empresas bem estruturadas como a Anaconda mostram que as crises existem para serem superadas.

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro