As Melhores da Dinheiro Rural

Uma história de gente grande

A Agropecuária Naviraí completa meio século apostando na raça do nelore e na sua produtividade

Uma história de gente grande

Foto: Marco Ankosqui

Há 50 anos, época em que questões ambientais, bem estar animal, produtividade, consumo de carne premium e o Brasil no papel de celeiro do mundo ainda eram temas distantes da agenda do produtor rural, nascia no interior de Minas Gerais, em Uberaba, a Agropecuária Naviraí, um projeto que hoje é a mais fiel tradução dessas tarefas colocadas para toda a cadeia produtiva. Nesse meio século, o melhoramento genético da raça nelore, promovido pelo criador da Naviraí, o produtor rural Cláudio Sabino de Carvalho, que faleceu em 2012, se tornou um dos trabalhos mais respeitados no País. Hoje, a administração dos negócios está com o herdeiro Cláudio Sabino Carvalho Filho e o genro Alan Ventura Pfeffer.

Pelo desempenho na seleção de animais superiores, a Agropecuária Naviraí é a campeã na categoria REBANHO NELORE entre os Destaques da Pecuária, no prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2015. O rebanho melhorador é de 3,6 mil animais divididos entre a fazenda mineira e uma outra no município de Naviraí (MS). “No melhoramento genético seguimos o caminho escolhido por meu pai, que é o de selecionar um biotipo funcional e não se desviar dele”, afirma Carvalho Filho.  O rebanho de fêmeas em reprodução é de dois mil animais, entre mochas e com chifres. Contando os partos naturais e os de fertilização in vitro (FIV) nascem cerca de 1,8 mil bezerros por ano. Para Pfeffer, o desafio é selecionar fêmeas cada vez mais férteis, que emprenhem por volta de um ano de idade e voltem a emprenhar no ano seguinte. “Não é fácil, mas é o que perseguimos”, diz Pfeffer. Na seleção de machos, o desafio é produzir pais que gerem filhos pesados


Carvalho Filho Administrador e herdeiro da fazenda  Naviraí

A obstinação dos herdeiros de Cláudio Sabino de Carvalho pode ser traduzida em números que impressionam. A fazenda participa de dois programas de melhoramento, o do PMGZ/ABCZ e o ANCP, e já registrou 30 mil animais na Associação Brasileira de Criadores de Zebu. Anualmente a Naviraí organiza quatro leilões e vende 600 touros, incluindo o comércio direto na fazenda. No leilão realizado em agosto deste ano, 200 reprodutores saíram por R$ 21 mil, o dobro a média de mercado. Além disso, a Naviraí possui nove touros entre os 25 melhores no ranking da Associação de Criadores de Nelore do Brasil e 40 estão em centrais de inseminação artificial para o comércio de material genético. Na última década foram vendidas dois milhões de doses de sêmen.