O Campo em números

Crédito plantado no campo

AJUSTE
Grupo Bom Jesus tenta congelar dívida

A fim de evitar a recuperação judicial, o Grupo Bom Jesus, companhia agropecuária e de transporte com sede em Rondonópolis (MT), assinou no mês passado um acordo de suspenção das ações de execução de garantias, fora do âmbito judicial. O grupo, formado por nove empresas e faturamento de R$ 2,3 bilhões em 2015, tem dívidas de cerca de R$ 2 bilhões.

Alimento
Tyson Foods mira na BRF

A Tyson Foods, maior empresa de carne dos Estados Unidos, com faturamento de US$ 42 bilhões, pretende fechar acordos e parcerias internacionais no segmento de frango processado e de alimento industrializado. No Brasil, o alvo é a BRF, que deu sinal positivo. Para isso, os controladores da indústria brasileira já mudaram a cláusula de proteção à dispersão acionária (poison pill), que passou a ser de 33,3%. Na prática, isso amplia a fatia que investidores podem ter na companhia, sem a necessidade de uma oferta de compra aos acionistas. No ano passado, a BRF faturou R$ 32,2 bilhões.

Compra
Nova aquisição da Alltech

Uma das principais empresas globais de nutrição e saúde animal, a americana Alltech, anunciou, no mês passado, a compra da irlandesa Keenan, também do setor. Juntas, elas empregam 5,3 mil pessoas. A Alltech, que no ano passado faturou US$ 2,1 bilhões, realizou a 14a aquisição de sua estratégia de expansão mundial iniciada em 2011. O valor do negócio não foi revelado.

Agronegócio
VBP no viés de alta

No mês passado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apresentou a revisão do Valor Bruto da Produção (VBP) previsto para 2016. A cifra de R$ 508,4 bilhões é 1% superior, comparada à previsão de janeiro. No ano passado, o VBP do agronegócio foi de R$ 516 bilhões. Mesmo com leve alta, caso  a previsão se confirme, ainda há uma queda de 1,5% em relação ao ano passado.

INDÚSTRIA
Bunge quer produzir alimentos

A Bunge, multinacional americana com faturamento global de US$ 43,5 bilhões, pretende ampliar a sua presença na produção de alimentos. De acordo com Soren Schroder, CEO mundial da Bunge, nos próximos cinco anos a ideia é que a empresa dependa menos da trading e do processamento de grão e passe a ofertar produtos de maior valor.

LARANJA
Safra azeda

A Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBr), divulgou o resultado da safra 2015/2016 de laranja. Os dados da indústria reforçaram os problemas sentidos no campo por causa do excesso de chuvas. Para processar uma tonelada de suco concentrado foi preciso 302,2 caixas de laranja, 25,8% a mais que em 2014/2015. Foi o pior rendimento da história do setor. As 865,5 mil toneladas de suco processado representaram uma queda de 22,9%, com prejuízo de R$ 1 bilhão.

ESTIMATIVA


“Por mais que haja sinalização do crédito apontado para a safra 2016/2017, há desconfiança de que ele seja factível, dada a possibilidade de cortes fiscais.” Thadeu Silva, diretor de Inteligência de Mercado da INTL FCStone


amplie a imagem aqui

 

Exportação
Novozymes registra queda

Devido ao lento compasso da indústria mundial de biocombustíveis de segunda geração, a Novozymes, empresa dinamarquesa produtora de enzimas, com atuação no Brasil, informou que as vendas para a indústria de bioenergia no primeiro trimestre de 2016 caíram 6% em relação ao mesmo período de 2015. Em moeda daquele país, foi o equivalente a R$ 341 milhões.

Economia
Melhora na suinocultura

Após quedas em março e abril, o preço de suínos no mercado ganhou força em maio. A cotação de R$ 65 por arroba, registrada na terceira semana do mês, foi 12,1% maior que a registrada no início de maio. No atacado, os preços de carne suína reagiram com maior força frente aos do suíno vivo. A alta no mesmo período foi de 19,6%, com o quilo da carcaça saindo de R$ 4,6 para R$ 5,5.