Porteira Aberta

COP 21 Mobiliza agropecuária

CAR
Acesso mais fácil

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) e a Bolsa de Valores Ambientais (BVRio) desenvolveram o Portal de Regularização Ambiental da Abiec (www.abiec.bvrio.com) para facilitar a inscrição dos produtores no Cadastro Ambiental Rural (CAR).O cadastro reúne informações sobre as propriedades rurais brasileiras em processo de regularização, conforme o novo Código Florestal. O prazo para a inscrição no CAR termina no dia 4 de maio de 2016.

O incentivo à adesão faz parte de um acordo firmado entre a Abiec, o Ministério Público Federal e o Ministério do Meio Ambiente.

Crédito
Mais recursos

A contratação de crédito para o custeio das lavouras da safra 2015/2016 aumentou 23% de julho a novembro deste ano, em relação ao mesmo período de 2014. No período, foram financiados R$ 42,9 bilhões. Já a liberação de recursos para a comercialização recuou de 2%, com desembolso de R$ 10,4 bilhões. Juntas, as liberações do custeio e comercialização foram de R$ 53,3 bilhões, ou 36% do total de R$ 149,5 bilhões destinados pelo governo federal ao Plano Safra. Para investimentos, o crédito liberado foi de R$ 9 bilhões, ou 24% dos programados R$ 38,2 bilhões.

Tegram
Além da expectativa

O Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) superou a marca de três milhões de toneladas de grãos exportadas em 2015. Partindo do Porto do Itaqui, em São Luís (MA), 52 navios deixaram o País com 2,1 milhões de toneladas de soja, 754 mil toneladas de milho e 139 mil toneladas de farelo de soja. A projeção inicial era embarcar dois milhões de toneladas neste ano. A operação está a cargo das empresas NovaAgri, Glencore, CGG Trading, Amaggi e Louis Dreyfus, que compõem o Consórcio Tegram-Itaqui.

Intercâmbio
Chineses em Mato Grosso

No início de dezembro, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, com sede em Cuiabá, recebeu uma comitiva de japoneses que visitaram o Estado em busca de informações sobre a produção de commodities.  “A soja é um das culturas que mais cresce no mundo e o Brasil é o país que tem terra e água para produção de alimentos. A China está em rápido desenvolvimento e precisa deste mercado”, afirmou Liu Denggao, chefe da delegação e membro da Associação Chinesa de Soja, que representa sete empresas importadoras de 20 milhões de toneladas de grãos, em 2015.

Milho
Novo apoio contra doença

A FMC Agricultural Solutions colocou no mercado o fungicida Authority, destinado ao controle da cercosporiose, doença que causa a morte dos tecidos das folhas e perdas significativas de produção nas lavouras de milho. “Com 1% de severidade, a cercosporiose pode levar à redução de até 86 quilos do grão, por hectare, podendo chegar a perdas de 60% na produção”, diz  Reginaldo Sene, diretor de tecnologia & Inovação da empresa. O fungicida foi avaliado, nos últimos cinco anos, em mais de 300 áreas de teste, e apresentou média de incremento de produtividade de 25 sacas por hectare, na comparação entre áreas tratadas e não tratadas.

Seguro
Orçamento mais gordo

O orçamento do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) pode ganhar um bom reforço em 2016. A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, negocia com os ministérios da Fazenda e do Planejamento e o Tesouro Nacional o remanejamento de R$ 350 milhões do Programa de Garantia de Preço Mínimo (PGPM) para o seguro rural, elevando o total de recursos para R$ 750 milhões.  Um levantamento do Mapa mostra o PGPM não é integralmente utilizado, o que permitiria a mudança no destino da verba federal.

Bioenergia
Novos equipamentos

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) repassou R$ 750 mil ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (IF Goiano) para investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação no campo. O recurso será destinado para a compra de equipamentos para a Rede Arco Norte / Polo de Inovação em Bioenergia e Grãos – projeto voltado para pesquisa e produção de bioenergia. O IF Goiano terá até novembro de 2017 para executar o cronograma de aquisições.

Novilho precoce
Churrasco sustentável

Resultado da parceria entre o Walmart e a Associação Sul-matogrossense de Produtores de Novilho Precoce (ASPNP), está chegando ao mercado a linha de cortes nobres de carne bovina com a marca Casa da Carne. Os produtores entregam ao Walmart fêmeas com o máximo quatro dentes e peso mínimo de carcaça de 190 quilos para serem abatidas.  A carne de novilhas, um produto macio, com capa de gordura uniforme e gordura entremeada, chega ao mercado consumidor custando até 5% menos, na comparação com outras marcas de carne. Além disso, o consumidor pode identificar a origem da carne por meio de um QR Code impresso na embalagem. A linha possui oito cortes (contra-filé, cupim, entrecote, miolo de alcatra, picanha, filé mignon, maminha e fraldinha).

Basf
Fidelidade premiada

Os cartões de fidelidade ganham força na agricultura. A Basf consolida o Cartão Safra, que permite ao produtor que adquirir insumos da empresa somar pontos que podem ser trocados por prêmios, como eletroeletrônicos, utensílios domésticos e eletrodomésticos. Os pontos podem ser trocados em sete lojas virtuais: Submarino, Shop Time, Ponto Frio, Casas Bahia, Extra, Americanas e Wal Mart. Para efetuar o cadastro, conferir os produtos disponíveis e conhecer as revendas participantes basta acessar cartaosafra.basf.com.br.

Mercado em expansão 
O Brasil consome 33 milhões de toneladas de fertilizantes por ano, cerca de 6% da produção mundial. Para o executivo holandês, Floris Bielders, presidente da americana Mosaic no Brasil, maior produtora global de fosfatados e potássio combinados (matérias-primas para fertilizantes), o País desponta como um dos principais mercados mundiais.


Floris Bielders,presidente da Mosaic no Brasil

O que mais pesa na decisão do produtor na hora de adubar?
A volatilidade dos preços dos grãos e das oleaginosas e a taxa de câmbio, aparentemente, foi reduzida. Isso facilita a tomada de decisão por parte do produtor rural. 

A produtividade é o maior fator?
Sim. O Brasil não possui solos naturalmente férteis, portanto é preciso prepará-los. O produtor sabe que, sem a adubação correta, não colherá o esperado.

O que esperar de 2016?
Há grandes desafios, entre eles o crédito agrícola. No contexto de ajuste fiscal, o acesso a ele está mais restrito e escasso. Para obter crédito suficiente ao custeio da lavoura, o produtor deve buscar alternativas, por meio de bancos privados,
tradings e empresas de insumos.

Como estão os mercados asiático e americano de fertilizantes?
Na China, acreditamos que a compra deverá crescer, com uma economia agrícola bastante positiva e alíquota zero para este insumo. Nos Estados Unidos, as perspectivas são boas para a demanda de fontes de nitrogênio, fósforo e potássio, que são a base dos fertilizantes. Há uma combinação de preços agrícolas em níveis moderados e de custos menores dos fertilizantes.