Porteira Aberta

A grande festa do Zebu

Suínos
Brasil protegido da peste

O Brasil recebeu da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o reconhecimento internacional de zona livre da peste suína clássica, um vírus letal que provoca a morte de um animal em até três semanas. O fato ocorreu durante a 84ª Sessão Geral da Assembléia Mundial de Delegados da OIE, em Paris, no mês passado, da qual participaram 180 países.

O status saiu para catorze Estados e o Distrito Federal. São eles: Acre, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo, Sergipe e Tocantins. Até então, apenas Santa Catarina e Rio Grande do Sul possuíam o aval sanitário.

Gir Leiteiro
Sob nova direção

O pecuarista Joaquim José da Costa Noronha é o novo presidente da Associação Brasileira de Criadores de Gir Leiteiro (Abcgil). A chapa liderada por ele estará à frente da entidade até 2018, com o desafio de montar um comitê técnico para as ações do Programa Nacional de Melhoramento Genético do Gir Leiteiro. Costa Noronha é dono do reprodutor CA Sansão, hexacampeão do ranking do sumário de touros da Abcgil/Embrapa.

Café
A fórmula da cápsula

Atenta ao crescente mercado de cápsulas de café, a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), desenvolveu o Programa de Certificação de Cápsulas, com metodologia específica para o produto. Após avaliação, as empresas poderão utilizar nas embalagens um Selo de Certificação criado para esse tipo de produto. O Brasil conta com 90 empresas fabricantes de café em cápsula, ante oito que atuavam no setor até 2014. Em um ano, a Abic espera certificar pelo menos metade das empresas. Além disso, a meta é certificar 72 torrefadoras, 80% desse setor.

Soja
Moratória renovada

Prestes a completar dez anos, a moratória da soja foi renovada por tempo indeterminado. O acordo entre sociedade civil, indústria e governo federal garante acesso ao mercado apenas à soja do bioma Amazônico que não esteja envolvida com desmatamento, trabalho escravo ou ameaças a terras indígenas. Criado em julho de 2006, o acordo vinha sendo renovado anualmente desde 2008.

Aquisição
Guaraná e açaí para a ADM

A americana Archer Daniels Midland Company (ADM), empresa global de processamento agrícola e fornecimento de ingredientes alimentares, com receita anual de cerca de US$ 70 bilhões, assumiu o controle da Amazon Flavors, fabricante brasileira líder em extratos naturais de guaraná e açaí. A ADM já possuía 40% da empresa e adquiriu o restante dos ativos por um valor não foi revelado. Para a ADM, o Brasil é considerado um mercado chave por ser o maior consumidor de alimentos e bebidas da América do Sul.

BNDES
Agronegócio digital

Os produtores interessados em linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não precisam mais ir a uma agência bancária para consultar as opções e realizar simulações. Em maio, a instituição lançou o aplicativo BNDES Agro, disponível para download em smartphones e tablets que operam nos sistemas Android e iOS.

Trigo
Mais grãos dos “hermanos”

Nos próximos anos, o Brasil pretende triplicar a importação de trigo da Argentina, que, em 2015, foi de 5,2 milhões de toneladas. Para isso, o País quer criar um organismo que acompanhe os programas de adequação e classificação do cereal em conformidade com as necessidades dos moinhos nacionais. O primeiro passo foi dado com a ida de dois assessores técnicos da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) para o principal evento dos “hermanos” nesse setor, a Todo Trigo 2016, na Argentina. Os brasileiros Conrado Mariotti Neto e Denise de Oliveira Resende foram os responsáveis por discutir com os argentinos a proposta de um convênio entre os países.

Genética
Novo índice do boi

A Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores (Ancp), lançou em maio, o Índice Bioeconômico da raça nelore. Resultado de anos de estudos do comitê técnico da associação, ele deverá reunir, em um mesmo número,  as avaliações genética e econômica de um animal. Com o índice, o produtor poderá estimar o lucro no uso de determinada genética antes mesmo do nascimento de um bovino. Entre as características avaliadas no índice estão, por exemplo, o peso e a precocidade. O índice foi uma das novidades apresentadas o seminário anual da entidade, que aconteceu em Ribeirão Preto (SP).

Tecnologia
O Vale do Silício brasileiro

O primeiro selo de identificação de um polo de tecnologia nacional, voltado exclusivamente para a inovação da agricultura, foi apresentado em maio, em Piracicaba, São Paulo. Trata-se do Ag Tech Valley, ou Vale do Piracicaba, projeto inspirado na história do Vale do Silício, nos Estados Unidos. Criado em torno da  universidade de Stanford, o Vale abriga hoje empresas como a Intel, a Apple, o Facebook, o Google e o Linkedin. No Brasil, a proposta é unir o conhecimento gerado na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), ao trabalho das empresas instaladas na região, entre elas gigantes como a Raízen, por exemplo.

Tegram
Mais carga para o Norte

A segunda fase do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram), no porto de Itaqui, deverá ser iniciada até o final deste ano. A previsão é que a expansão da área de embarque entre em operação no início de 2018. Com as obras, a capacidade do porto dobrará, passando para dez milhões de toneladas de produtos, entre soja em grão e farelo, além de milho. A obra é estimada em R$ 100 milhões. Inaugurado em 2015, o terminal custou R$ 600 milhões.

FOCO NAS FINANÇAS


Marcos da Rosa presidente da Associação dos Produtores de Soja do Brasil

O produtor Marcos da Rosa, de Canarana (MT), assumiu, no mês passado, a Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), em um momento grave para o setor. Saiba o que ele pensa sobre o cenário econômico:

Qual o maior desafio dos produtores para a safra 2016/2017?
Muitos entrarão na próxima safra endividados, por causa de problemas climáticos e quebra no ciclo 2015/2016. A produtividade, em muitos casos, foi menor do que o necessário para cobrir os custos de produção.

O que pode ser feito de imediato?
Já solicitamos ao governo federal a prorrogação dos prazos para o pagamento do custeio. Também estimulamos as prefeituras a decretarem situação de emergência no campo. Isso é necessário para o acesso ao seguro rural e a renegociação de débitos.

Qual o cenário para os produtores que também plantaram milho? 
A seca causou uma perda de até 40% na safrinha. Ao contrário dos produtores só de soja, que conseguiram honrar os contratos de venda antecipada, firmados com as tradings, quem plantou milho não vai conseguir tapar este buraco. Em Mato Grosso, 60% da safra foi negociada antecipadamente e não há milho para entregar aos compradores.

Que temas o sr. acha importante levantar em sua gestão? 
A tecnologia é importante. Os insumos são excelentes, mas os preços muito altos. Agilizar os registros de novos produtos traria mais opções ao mercado. A logística e a diversificação de modais para o escoamento da produção também são relevantes.

SALMÃO
A culpa é do Chile

O Chile, segundo maior exportador mundial de salmão, atrás apenas da apenas da Noruega, tem enfrentado dificuldades na produção do peixe. O fenômeno conhecido como maré vermelha, que vem aumentando a proliferação de algas tóxicas nas áreas de engorda de salmão, deve derrubar pelo menos 25% da produção do país, estimada em 600 mil toneladas por ano. Nos primeiros quatro meses de 2016, esse recuo já foi sentido no Brasil: o quilo passou a custar R$ 38, um aumento de 58,6%, de acordo com a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). No ano passado, o Brasil importou do Chile 75,7 mil toneladas desse pescado.

Irrigação
Foco no arroz

A Netafim, empresa israelense especializada em irrigação por gotejamento, acaba de apresentar a sua tecnologia destinada ao cultivo de arroz. Com algumas adaptações em relação a outras culturas, entre elas o milho e a cana-de-açúcar, a irrigação de arrozais pode aproveitar até 95% de cada 100 litros de água utilizada. Com o lançamento, a empresa espera por uma receita global de US$ 1,4 bilhão em 2016, 30% acima do ano passado.

Algodão
Um clube de fibra

O 21º Clube da Fibra, evento organizado em maio, em Recife (PE), pela companhia americana do setor de defensivos agrícolas FMC, serviu de palco para a comemoração de dez anos do Instituto Algodão Social. O órgão foi criado pela Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA), para orientar os cotonicultores sobre as legislações trabalhista e ambiental. O Estado, com 2,3 milhões de toneladas de algodão em caroço, responde por 64% da produção nacional. O evento ainda contou com palestras sobre economia e a gestão do negócio na safra 2016/2017. “Uma das saídas é apostar na troca de produtos por insumos, onde o agricultor aumenta a liquidez do negócio sem comprometer ativos”, disse Ronaldo Pereira, diretor geral da FMC no Brasil.

Avicultura
Sexagem inteligente

Pesquisadores das universidades de Dresden e de Leipzig, na Alemanha, desenvolveram um teste para identificar o sexo dos embriões em ovos de galinha. A análise computadorizada do teor de DNA, que é 2% maior em machos, é realizada através de um orifício feito a laser no ovo. Se o embrião for fêmea, o corte é corrigido e ele retorna à encubadora, caso contrário, o ovo é descartado. O objetivo é acabar com a morte de pintinhos machos de um dia, método que gera protestos dos consumidores de frangos. O teste tem 95% de chance de acerto e deve estar disponível para venda em um ano.

Orgânicos
Agroecologia em expansão

As secretarias paulistas de meio ambiente e da agricultura, em parceira com a Associação de Agricultura Orgânica (AAO) e o Instituto Kairós, entidade civil de fomento de práticas agrícolas alternativas, fecharam um acordo no qual o objetivo é incentivar os produtores do Estado a cultivar alimentos orgânicos. O protocolo prevê ações de educação, entre elas cursos, capacitações e a produção de materiais educativos, com temas como conservação do solo, controle de erosão e uso racional da água.