Hippus

A marcha do crioulo

A marcha do crioulo

Foto: Fagner Almeida/ABCCC/Divulgação

Com 750 quilômetros percorridos em circuitos na região do município de Bagé (RS), 39 cavaleiros provaram mais uma vez o poder de resistência da raça crioulo. Trata-se da 15ª edição da prova funcional Marcha de Integração, realizada pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). Foram 15 dias para completar o percurso iniciado em 18 de junho. A prova faz parte de uma importante seletiva da raça, que tem o objetivo de  mostrar o comportamento do animal em longos trajetos, se alimentando apenas de pasto e de água. A disputa é a mais antiga da ABCCC. Junto com os campeonatos Freio de Ouro e Morfologia, ela encabeça o grupo dos principais eventos da raça.

Galopes na internet

A Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador lançou, no mês passado, uma ferramenta de consulta on-line de haras e fazendas da raça. Trata-se do site Guia dos Haras (http://guiadosharas.abccmm.org.br), que deverá unir ainda mais os criadores e fãs da raça. Cada associado terá seu espaço exclusivo para interagir com o público, através de convites para conhecer sua propriedade, bem como contar a sua história ou divulgar fotos e eventos próprios.

Exemplar de raça

O cavalo Bellagio HVP (foto), que pertence ao haras Vila dos Pinheiros, de Indaiatuba (SP), foi o campeão da 23ª edição da Mountain’s Arabian Show, promovido pela associação brasileira de criadores da raça cavalo árabe. A égua campeã foi Sahara Saleemah, do haras Sahara, de Matozinhos (MG). Na equipe de juízes, estavam os brasileiros Flávio Regis Wanderley e Paulo Zandavalli e a suíça Renata Schibler. O evento aconteceu, no início de junho, no parque de exposições da Gameleira, em Belo Horizonte (MG), e reuniu 65 animais.

Vaquejada milionária

As tradicionais provas de vaquejada no Nordeste devem distribuir cerca de R$ 5 milhões, em 2016, de acordo com dados da Associação Brasileira de Vaquejada. E são montados em cavalos quarto de milha que os competidores deverão buscar essa bolada em prêmios, que deverão ser distribuídos em cerca de 600 provas até o final deste ano. O quarto de milha tornou-se a mais importante raça na região, com um plantel de 71 mil animais, equivalente a 15% do rebanho nacional. Além das provas, os eventos deverão movimentar cerca de R$ 53 milhões em leilões, a mesma quantia do ano passado.

Cânter

Aumento de receita e mudança de sede: estes são  os objetivos da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), até dezembro, de acordo com o criador Fábio Pinto da Costa presidente da entidade. Durante o Campeonato Nacional de Conformação, no final de julho, em Avaré (SP), e no torneio Potro do Futuro, em outubro, a ABQM prevê arrecadar R$ 600 mil, 15% da receita total esperada para 2016, da ordem de R$ 4 milhões. Isso deve sustentar os planos da entidade.

Como a ABQM está conseguiu aumentar sua receita?
Metade, R$ 300 mil, está vindo da venda dos direitos do uso do nome de nossas três pistas de provas no parque de exposições Dr. Fernando Cruz Pimentel, em Avaré. A ideia é renovarmos o contrato anualmente.

E restante vem de onde?
Deverão vir da venda de camarotes em nossos eventos. Isso acontece pela primeira vez.

Como a receita será usada?
Além da mudança da sede da ABQM, em São Paulo, vamos fazer um trabalho de marketing e melhorar a infraestrutura da entidade.

Para onde vai a ABQM?
Até dezembro devemos nos mudar para uma área de cerca de mil metros quadrados, no Jockey Club paulista. O espaço tem mais identidade com cavalos do que o parque da Água Branca, onde desfrutamos de apenas 300 metros quadrados.