Hippus

Mercado aquecido para o crioulo

Mercado aquecido  para o crioulo

Foto: José Guilherme Martini

Três tradicionais leilões da raça crioulo movimentaram R$ 2,9 milhões no mês passado, praticamente repetindo o desempenho de 2015. “Eles são um indicativo de que o ano começou aquecido para a raça”, diz Gonçalo Silva, diretor da leiloeira gaúcha Trajano Silva, responsável pelos eventos. O maior deles foi o leilão da cabanha São Rafael, do criador Mariano Lemanski, de Balsa Nova (PR), que faturou R$ 1,9 milhão. Fecham a conta dois remates no Rio Grande do Sul: o Vem Que Tem, em Rio Grande, com receita de R$ 656 mil, e o Redomão Fronteira da Paz, em Santana do Livramento, com R$ 367,5 mil.

Os donos do lance

Em março, a Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador definiu, por meio de uma licitação, as leiloeiras que atuarão na 35ª Nacional do Mangalarga Marchador. O evento será de 13 a 23 de julho, em Belo Horizonte. Com o lance de R$ 202 mil, Alexandre Monteiro, dono da Supporte Leilões, de São José dos Campos (SP), comandará os pregões de elite. Já o shopping de animais ficará a cargo do criador Yuri Engler, do haras Yuri, de Jequitibá (MG). Seu lance foi de R$ 39 mil.

Quarto de milha pelo celular

A Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha acaba de lançar o ABQM Mobile. Trata-se de um aplicativo gratuito para celulares, nos sistemas Android e iOS, exclusivo aos associados da entidade. A nova ferramenta facilitará o acesso a serviços como consultas de animais, pedidos de registro e dados sobre cavalos registrados nos últimos 12 meses. Além disso, pelo aplicativo, o criador poderá acompanhar ao vivo as provas esportivas.

Cânter

Aos 75 anos, o empresário Jaime Nogueira Pinheiro Filho contabiliza 25 anos na criação de cavalo da raça árabe. Atualmente, 400 animais estão alojados em seu haras Vila dos Pinheiros, em Indaiatuba (SP), um dos maiores do País. Em março, Pinheiro Filho foi condecorado com os prêmios de Melhor Criador e Melhor Expositor da raça em 2015, pela Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Árabe. Com eles, a sala de troféus do haras já guarda mais de uma centena de premiações.

Qual o segredo para ser o destaque do ano?

O segredo é trabalhar e se dedicar de corpo e alma ao que você está fazendo. E especialmente ter prazer e gostar do que faz.

Qual tipo de animal o sr. busca no momento de investir em genética?
Busco sempre por um animal de alta performance. Além disso, esse animal precisa ter alguma qualidade que ainda precisa ser agregada ao plantel.

O que o sr. espera do mercado até o final do ano?
Eu acredito que estamos em um bom ano para investimentos no setor. O cavalo árabe é uma raça mundial. Ela é criada em países como a Rússia, Estados Unidos, Polônia, França e Alemanha. Os criadores brasileiros, donos de excelentes animais, podem tentar vendê-los para os países europeus ou para os Estados Unidos, porque mercado existe.

Show de faturamento

O haras Raphaela, do criador de quarto de milha Dirley Rugolo, em Tietê (SP), iniciou em março a temporada dos grandes leilões da raça no País. São considerados cerca de 20 principais eventos, de um total de 170 leilões realizados todos os anos. O 5º leilão Show de Estrelas faturou R$ 2,6 milhões, 4% acima do evento de 2015. O preço máximo chegou a R$ 690 mil para a égua Casino Callgirl, dos criadores Odilon e Bebel Diniz, do B2B Ranch, de Três Rios (RJ). O lance foi fechado pelo paranaense Osmar Faria, do Rancho Faria, de Apucarana.