Hippus

O Quarto-de-Milha em números

Selecionado no Brasil desde 1955, a raça americana quarto-de-milha se estabeleceu no País por sua funcionalidade no campo. Tanto que hoje o quarto-de-milha é a presença de maior expressão nas baias dos haras brasileiros. Os números impressionam.

 

358 mil é a quantidade de animais registrados

245 mil é o número de empregos gerados diretamente pelos haras

US$686 milhões é o valor estimado dessas propriedades

61,4 mil é o número de criadores e proprietários

492 mil é a área destinada à criação

US$786 milhões é o valor estimado da tropa

 

 

Dono da Rédea

Cavalos Crioulo e quarto-demilha brigam para mostrar qual raça conquista mais títulos nas rédeas. O QM, que deu origem à disputa, continua em vantagem. No entanto, neste ano, dividiu o pódio de sua mais importante prova com o crioulo. No Super Stakes, categoria Aberta, o QM levou a melhor com o cavalo DR Top Dun It, com Gabriel Diano, enquanto o Crioulo Turbo de São Pedro venceu na Super Stakes Classic, com Jango Salgado.

 

Brasil é vice nos tambores

Austrália, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos e Itália foram os países que participaram do campeonato mundial NBHA World Championships, em Perry, no Estado da Geórgia, nos Estados Unidos. Na equipe verde- amarela, o destaque foi o cavaleiro André Coelho, que apresentou o menor tempo entre todos os atletas no contorno dos tambores, com 15 segundos e 965 décimos. A campeã Itália venceu por uma diferença bem pequenininha, de apenas 101 décimos de segundo, sobre o Brasil.

 

 

Morte súbita

Atual campeão olímpico e líder no ranking da Federação Equestre Internacional (FEI), com o canadense Eric Lamaze (foto), o garanhão Hickstead teve morte súbita, em novembro, no GP World Cup Qualifier em Verona, na Itália. Considerado um dos melhores cavalos de salto de todos os tempos, o sela holandês de 15 anos teve um colapso cardíaco, segundo o laudo oficial preliminar da federação. A FEI ainda investiga o triste acidente, incomum nas provas do esporte.

 

Cânter

Bernardo Alves é um dos cavaleiros de Salto mais premiados do País.Integrante de duas equipes olímpicas, o mineiro radicado na Europa coleciona seis medalhas em Jogos Pan-Americanos.

O que representou a conquista da medalha individual, no Pan?

Veio em um momento importante para mim e de superação para a Bridgit. Ela tinha se lesionado no início do ano e existiam dúvidas de sua recuperação em tempo para o Pan. Mas Bridgit foi fantástica, mostrando que estamos no caminho certo para os Jogos Olímpicos.

Quais as dificuldades enfrentadas em Guadalajara?

Nas disputas com os Estados Unidos tivemos as maiores dificuldades. Os americanos chegaram com força total. Eles competiram com a equipe titular, e ainda buscando qualificação para Londres. Mas, também fizemos bonito. Chegamos unidos e garantimos a prata.

Além de cavaleiro, você tem outra atividade?

Sou treinador na Bélgica, tenho cavalos de comércio e presto assessoria a haras.