Hippus

Oferta recorde

Oferta recorde

Foto: Faby Mattos

O leilão Mancha Crioula registrou o maior faturamento de sua história. O remate, ocorrido no dia 18 de fevereiro, em Esteio (RS), é um projeto da leiloeira Trajano Silva, que também organiza a Exposição Nacional de Tobianos, Oveiros e Bragados (tiposde pelagem de cavalos). Neste ano, participaram 102 animais da raça.

O leilão, que já se tornou um dos principais eventos do crioulo no primeiro semestre, vendeu 35 animais por R$ 791 mil, 23% acima da edição de 2015. O lote mais valorizado foi o garanhão RB Faraó, do criador Ralf Murilo Bertol, da cabanha Guepardo,
de Pato Branco (PR). Ele foi vendido por R$ 77,5 mil.

Mangalarga em Minas
Cerca 120 criadores de equinos participaram do 3º Simpósio dos Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga, realizado na fazenda Onça, em Guaranésia (MG), no mês passado. Organizado pelo núcleo Sul de Minas Gerais e Média Mogiana, o evento abriu a temporada de discussões técnicas, abordando temas como a seleção genética e as boas práticas de manejo. O objetivo do simpósio é auxiliar os criadores na definição do padrão racial e morfológico adequado ao desenvolvimento da raça.

Galope quartista

O 3º leilão virtual No Galope, realizado no mês passado pela Agreste Leilões, foi um dos remates que deu início ao calendário de 2016 do quarto de milha. A oferta de 35 animais, dos quais 27 fêmeas e oito machos, rendeu R$ 977 mil. O destaque foi a fêmea Brownie Fantastic Ease, vendida por R$ 159 mil.

Os melhores do ano

A Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM) anunciou em fevereiro o  ranking geral do 9º ABQM Awards. A premiação reconhece os melhores animais, criadores e atletas de 2015. O título de Melhor Animal foi para EF Advance Dash, do criatório Rancho das Américas, de Emílio Benedito Fanton, em Porto Feliz (SP). Os cobiçados troféus de proprietário e criador do ano foram para Henrique Herweg, de Bauru (SP), e para Márcio Matheus Tolentino, também de Porto Feliz.

Cânter
O mercado nacional de genética da raça quarto de milha deve movimentar

R$ 270 milhões em 2016, mantendo o mesmo patamar de negócios registrados nos últimos dois anos. É nisso que acredita o veterinário Daniel Costardi, superintendente técnico da Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Quarto de Milha, ao afirmar que os haras não abrirão mão de investimentos na raça.

O que mais se pode esperar de 2016?
Esperamos que o comércio de coberturas também repita as duas últimas temporadas, em torno de 50 mil lotes vendidos. Nesse setor, acredito em um mercado aquecido, mesmo com as adversidades na economia do País.

O que tem sustentado esse mercado?
A demanda por genética, principalmente daquela de ponta, para melhorar o desenvolvimento dos plantéis. Os criadores precisam investir em bons animais.

A genética vai ditar o ritmo do ano?
Sim, mas daquela que já faz parte do banco genético do País. Os reprodutores em atividade possuem qualidades equiparadas às dos garanhões lá fora.

Isso significa menor participação de animais importados?
É o que o mercado aponta. Nossa estimativa é que as coberturas importadas representem 10% do total previsto para este ano, equivalente a cerca de cinco mil animais nascidos no período.