Negócios

Shenzhen identifica fábrica da Aurora em Xaxim (SC) como origem do frango contaminado

Crédito: Divulgação

O acordo com o Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina (MPT-SC) foi firmado em 4 de agosto e prevê a testagem de empregados e terceirizados, em duas ocasiões (Crédito: Divulgação)

A Sede de Prevenção e Controle de Epidemias de Shenzhen, cidade na China, identificou que as asas de frango congeladas contaminadas com coronavírus foram importadas da fábrica da Aurora Alimentos de Xaxim, em Santa Catarina.

O número de registro do lote é o SIF (Serviço de Inspeção Federal) 601. De acordo com o documento Brazilian Chicken Destinations, da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), essa localização corresponde à fábrica do município de Xaxim.

Em comunicado, a Aurora afirmou que, até o momento, o ocorrido só foi veiculado na imprensa local da região, sem confirmação oficial por parte da autoridade pública nacional da China. Às 16h de hoje (13), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou que também não havia sido notificado.

+ Ministério da Agricultura aguarda notificação da China sobre frango contaminado
+ China diz que frango brasileiro está contaminado com coronavírus

“Diante de tal insubsistência quanto ao ocorrido, a cooperativa signatária aguardará a devida manifestação por parte da autoridade pública competente, junto a qual esclarecerá os fatos e prestará as devidas informações a quem de direito”, esclarece a nota.

A companhia ressaltou ainda que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há evidências de que ocorra contaminação a partir de alimentos ou embalagens de alimentos e inteirou que está seguindo integralmente os protocolos de proteção.

No comunicado do município de Shenzhen, as autoridades afirmam que todos os estoques de produtos congelados relevantes na cidade foram retidos e testados, com resultado negativo. “Os cidadãos devem ser cautelosos ao comprar carne congelada e produtos aquáticos importados e continuar a tomar medidas de proteção para minimizar o risco de infecção”, finaliza.

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro