• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias07/12/2021

Sinovac diz desenvolver versão da Coronavac para combater variante Ômicron

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo07/12/21 - 12h48min

A farmacêutica chinesa Sinovac anunciou, nesta terça-feira (7), que trabalha para desenvolver uma versão da vacina Coronavac contra a covid-19 para combater a variante ômicron, identificada pela primeira vez na África do Sul. A expectativa é que a atualização do imunizante fique pronta em três meses.

As declarações foram feitas durante simpósio realizado pelo Instituto Butantan, parceiro da Sinovac na produção do imunizante. O presidente da Sinovac, Weidong Yin, destacou que a vacina vem se mostrando eficaz no combate à nova cepa, mas ressalta que a Ômicron causa preocupação. "A vacina tem se provado eficaz contra essa variante e estamos desenvolvendo um novo imunizante com base na variante", anunciou.

"Esperamos ainda mais colaboração com o Butantan para o desenvolvimento rápido de novas vacinas para as novas variantes, imunossuprimidos ou vacinas de reforço, e temos certeza que com essa parceria seremos capazes de enfrentar a covid 19", completou.

A tecnologia da Coronavac é a de vírus inativado. As vacinas que utilizam essa tecnologia são criadas com base no vírus inteiro na sua composição, enquanto os imunizantes de outras tecnologias utilizam apenas a proteína Spike, considerada "a chave do vírus" para entrar no corpo humano.

De acordo com o diretor do Butantan, Dimas Covas, o instituto e a Sinovac continuam criando novas vacinas, não só a segunda geração da Coronavac. "Vamos anunciar estudos com alcance de variantes", afirmou.

Segundo a vice-presidente da Sinovac, Yaling Hu, o primeiro passo para fazer a adaptação do imunizante é isolar a nova cepa do vírus e fazer um teste de anticorpos neutralizes. Depois, serão feitas avaliações e estudos clínicos em diferentes faixas etárias.

Conforme mostrou o Estadão/Broadcast, a vice-diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan, Maria Carolina Sabbaga, prevê que a tecnologia da Coronavac aumenta as chances de proteção contra variantes da covid, como a Ômicron. Na avaliação da vice-diretora, "a eficácia da Coronavac é a que tem menos chance de ser burlada".

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
CoronaVac