Evento

Stihl inaugura novo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento no País

A unidade faz parte de um plano de investimentos de R$ 500 milhões até 2023

Crédito: Divulgação

(da esq. para dir.) Thomas Schmitt, cônsul da Alemanha para o RS e SC; Norbert Pick, vice-presidente de Marketing e Vendas do grupo Stihl; Michael Prochaska, vice-presidente de Recursos Humanos, Qualidade e Jurídico do grupo Stihl; Ary Vanazzi, prefeito de São Leopoldo; José Ivo Sartori, governador do Rio Grande do Sul; Nikolas Stihl, presidente do Conselho Consultivo e de Administração do Grupo STIHL; Bertram Kandziora, presidente do grupo Stihl; Wolfgan Zahn, vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento do grupo Stihl; e Cláudio Guenther, presidente da Stihl Brasil. Os executivos simbolizaram a abertura do centro com o corte de um a tora de madeira ao meio. (Crédito: Divulgação)

São Leopoldo (RS) – A fabricante alemã de motosserras e ferramentas motorizadas Stihl inaugurou hoje o mais novo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento no País. A instalação permitirá que a companhia faça os testes de todos os seus equipamentos fabricados no mundo, analisando todos os tipos de combustíveis, inclusive o etanol. “É o primeiro centro de pesquisa fora da Alemanha e um dos mais modernos”, diz Cláudio Guenther, presidente da Stihl no Brasil.

Comportando 70 engenheiros e 34 estações de testes de produtos, a instalação passa a ser inclusive a segunda mais moderna do grupo mundialmente, segundo o presidente executivo global da empresa Bertram Kandziora. “O Brasil passa a ser uma peça chave para os negócios globais da companhia”, afirma Kandziora. Além de motosserras, a companhia produz para o setor do agronegócio pulverizadores costais de defensivos, derriçadores de café e oliva e sopradores.

O centro de pesquisa consumiu R$ 38,5 milhões de um plano de investimentos de R$ 500 milhões até 2023. Dentro desse valor está contemplada também a construção de mais uma unidade de produção de motores na fábrica no município de São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre (RS). “A previsão é que essa nova instalação fique pronta no primeiro semestre de 2020”, diz Guenther. Presente em 160 países e completando 45 anos de atuação no Brasil, a empresa faturou R$ 1,3 bilhão no ano passado e estima R$ 1,5 bilhão em 2018. Globalmente, a Stihl faturou € 3,8 bilhões (R$ 16 bilhões) em 2017.