• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias18/01/2022

Taxas de juros fecham em alta, com exterior e peso fiscal

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo18/01/22 - 18h55min

A disparada dos rendimentos dos Treasuries nesta volta de feriado nos Estados Unidos amplificou o mau humor com ativos domésticos nesta terça-feira, içando o dólar e, consequentemente, a curva de juros em seus vencimentos mais longos. Enquanto no exterior a percepção é de que o aumento de taxas pelo Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) ocorrerá em breve, aqui no Brasil a inclinação "hawkish" do Banco Central se soma a dúvidas quanto à situação fiscal dos próximos anos, potencializadas pela pressão de servidores por reajustes.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 subiu de 12,027% na segunda-feira a 12,085% (regular, na máxima) e 12,080% (estendida). O janeiro 2025 passou de 11,413% a 11,47%(regular) e 11,48% (estendida). O janeiro 2027 foi de 11,412% a 11,45% (regular e estendida). E o janeiro 2031 avançou de 11,521% a 11,57% (regular e estendida).

Depois de titubear na manhã, a curva acabou encontrando uma posição clara na etapa da tarde. O cenário externo, com o Fed sinalizando nos últimos dias que o ajuste da política monetária será forte, foi o grande catalisador da alta generalizada das taxas. Com o retorno dos investidores americanos às negociações nesta terça, após o feriado prolongado de Martin Luther King, o dia foi de ajustes lá fora, com impacto aqui no Brasil.

Não houve um gatilho específico, mas apenas a percepção dos investidores de que está cada vez mais à mesa do Fed a opção por um endurecimento da política monetária. A inflação norte-americana está na máxima em 40 anos e não dá sinal de trégua, ao passo que a atividade econômica tem mostrado cada vez mais resiliência.

Assim, o retorno da T-note de 10 anos escalou até 1,86%, na máxima em dois anos, ou seja, no período pré-pandêmico. Com este chacoalhão da referência global, o dólar seguiu uma trajetória de alta generalizada, impactando, desta forma, nas taxas brasileiras.

O mercado monitorou o dia de atos dos servidores federais por reajustes salariais, movimento que ganhou força depois de o governo Jair Bolsonaro articular um aumento apenas para forças policiais, sua base de apoio. Nem mesmo declarações de aliados do governo minimizando as manifestações desta terça-feira acalmaram os ânimos dos investidores.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
taxas de juros