Negócios

Tereos reduz prejuízo líquido para 6 milhões de euros no 1º semestre da safra

Crédito: Divulgação

A empresa informou que registrou prejuízo líquido de 6 milhões de euros no semestre encerrado em 30 de setembro (Crédito: Divulgação)

São Paulo, 19 – O grupo francês Tereos reduziu as perdas no primeiro semestre da safra 2020/21 de cana-de-açúcar ante igual período da temporada anterior. Em comunicado, a empresa informou que registrou prejuízo líquido de 6 milhões de euros no semestre encerrado em 30 de setembro, ante perda de 21 milhões de euros um ano antes.

A companhia registrou, porém, avanço anual expressivo de 114% no Ebitda ajustado, que passou de 111 milhões de euros para 237 milhões de euros no semestre. A receita teve leve queda anual, de 3%, para 2,05 bilhões de euros. A dívida líquida caiu em 253 milhões de euros, de 2,733 bilhões de euros em 30 de setembro de 2019 para 2,480 bilhões de euros na mesma data do atual ano.

+ Centro-Sul processa 26,79 milhões de t de cana na 2ª quinzena, diz Unica
+ Evento destaca importância do seguro rural para cana-de-açúcar

Na nota divulgada à imprensa, a Tereos diz que a estabilidade da receita demonstra “a flexibilidade da Tereos e sua capacidade de se adaptar aos obstáculos significativos causados pela crise de sanidade”. A forma de contornar a queda na atividade econômica, afirma a companhia, foi aumentar a produção de álcool farmacêutico e de açúcar ao consumidor na Europa. A boa safra de cana no Brasil e o avanço dos preços na Europa também ajudaram.

A perspectiva da companhia para o segundo semestre no mercado de açúcar no Brasil é que a empresa deve seguir se beneficiando do alto volume processado na safra em decorrência das melhores condições climáticas e da boa performance operacional. “Do ponto de vista de preços, a Tereos havia feito hedge para mais de 85% de suas vendas de exportação em 2020/21 nos mercados futuros antes da crise da covid-19”, afirma em comunicado.

Quanto ao etanol no País, a expectativa é de alta nas cotações. “A Tereos deve se beneficiar da recuperação dos preços que vêm retornando aos níveis do ano passado graças ao maior consumo e a uma oferta limitada de etanol, com a maioria dos produtores brasileiros maximizando a produção de açúcar.”

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro